Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2015

O Livro Verde - Muammar al-Gaddafi

Escrito pelo então líder líbio Muammar al-Gaddafi, publicado originalmente em 1975. A obra descreve sua visão sobre a democracia e sua filosofia política.
DOWNLOAD
Visite também nossa Biblioteca Virtual
AQUI!

Direita Política e Terceira Posição - aos desavisados

Quando paramos para pensar no "porque", se, visto o tamanho do território brasileiro, sentimos falta, já a muito tempo, de uma verdadeira dissidência político-ideológica com real peso de massa que faça frente às mazelas mais críticas das nossas vidas. Não creio eu, que se trate do (ou somente do) fato de que nosso país não possua um povo que provenha de uma única raiz étnico-racial ou étnico-geográfica, ou que o tamanho de nossas terras seja resultado apenas de um imperialismo real hoje já morto e esquecido, ou que nossa união nacional sempre fora tão artificial quanto pálidos, os motivos de sua solidificação. Claro, que são termos obrigatórios que devem ser buscados quando se fala de qualquer levante ou estratégia ideológica e social autônoma que inclua o Brasil, porém, dentre nós, já faz muito tempo disseminado, um leque atrativo de pensamentos e ideias que ganham terreno cada vez mais entre nossos jovens, levando muitos a buscas de compreensão do que seria de fato a dissi…

Fronteiras Abertas: O suicídio coletivo da Europa

A situação piora a cada dia, sob conivência de governantes corruptos e da mídia amestrada e submissa, todos eles a serviço do grande inimigo da humanidade.
De nada adianta apenas apontar o dedo para esta grande massa de miseráveis, instrumentalizados por aqueles que realmente querem o genocídio dos povos da Europa e do resto do mundo.
Quem são eles? Entenda bem....

Veja Também:

O Plano Kalergi - Um genocídio da identidade dos povos

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?


(How Nations Die) Como as Nações Morrem - legendado


Sionismo: O extremismo Judeu que controla o mundo

E-BOOK: Os Magnátas do Tráfico Negreiro

Autor: José Gonçalves Salvador

O domínio do tráfico de escravos estava com os Cristãos - Novos (Judeus ibéricos). É importante reforçar, como diz o autor, que as leis estabelecida por regimentos da Fazenda Real e as provisões oficiais, todas estas medidas eram respeitadas de acordo com as necessidades de "peças" em determinadas regiões, junto da expectativa de lucratividade dos mercadores. Os escravos que abasteciam o Brasil eram controlados de acordo com a necessidade, com a demanda. 

De maneira sucinta, a "delicada" condição do transporte de escravos no "auge" do tráfico negreiro realizado principalmente pelos portugueses nos séculos XVI e XVII. Para tanto, contaremos com uma extraordinária participação de José Gonçalves Salvador, um estudioso dedicado ao assunto. Sua obra "Os Magnatas do Tráfico Negreiro" nos fornece a base para elaboração deste humilde trabalho.
De acordo com o autor, no início do transporte de escravos para o Novo Mundo, eram …

Alemã de 87 anos é presa por negar o Holocausto

O poder do sionismo agindo com plena força...
Um tribunal alemão sentenciou uma octogenária a 10 meses de prisão por ter declarado que o Holocausto era "a maior mentira" da história, informou a imprensa alemã nesta sexta-feira (13).
Ursula Haverbeck, de 87 anos, declarou em abril, durante o julgamento do ex-contador do campo de extermínio de Auschwitz Oskar Gröning que o genocídio dos judeus foi "a maior mentira e a mais duradoura" na história do mundo.
O tribunal de Hamburgo (norte) condenou na quinta-feira a ré por "incitar o ódio", após uma audiência na qual reafirmou suas palavras e acusou a justiça de condenar aqueles que questionam o Holocausto, "perpetuando uma mentira".
Haverbeck, que anunciou que vai apelar da decisão, também argumenta que o campo de Auschwitz, símbolo do genocídio perpetrado pelos nazistas, nunca foi um campo de extermínio.
A idosa, apresentada pelo jornal Tageszeitung como a "grande dama dos negacionistas alemães"…

A noite dos Cristais

Um dos episódios "mais" negros do período em que o Nacional-Socialismo governou a Alemanha. Fruto da propaganda de atrocidades e ódio de ambos os lados, uma reação espontânea da população, diante do assassinato de um diplomata alemão por um judeu, levou a um pogrom em diversas localidades do Reich para desespero do governo.
O pavio aguarda sereno
Dentre as diversas atrocidades e injustiças colocadas sobre os ombros da Alemanha pelos vencedores da Guerra Mundial (1914-1945), destaca-se a famigerada Noite dos Cristais. Não é raro lermos que este episódio teria marcado o início do polêmico Holocausto judeu.
A assim chamada Noite dos Cristais do Reich (Reichskristallnacht) – referindo-se à noite de 9 para 10 de novembro de 1938, também denominada Noite do Pogrom do Reich ou Pogrom de Novembro (Reichspogromnacht ou Novemberpogrome) – foram atentados contra a vida, propriedades e instalações dos judeus por todo o Reich alemão.
Esta perseguição foi notória e se consagrou posteriormente…

O que há por trás do atentado na França?

Não é a Síria...não é o Líbano...é a França nessa noite.

Todos os anos, ataques terroristas chocam o mundo com sua violência, isso é fato. Então parecemos estar em meio ou como espectadores frente a uma guerra infrutífera que parece não ter fim. Então, entre os observadores mais atentos, se questionam frentes a esses fatos, o porque de sempreestarmos em um ciclo vicioso quando se trata da "guerra ao terror". Por que esse dogma nos assola? Apesar de sabermos que essa guerra artificial é forjada pelos mesmos que a dizem defendê-la e alimentar objetivos egocêntricos da Nova Ordem Mundial e seus financistas e que nós estaremos fadados a isso até quebrar esses grilhões. De uma coisa sempre teremos uma triste certeza...suas vítimas. 
Vimos, com horror, em 12 para 13 de Novembro, a seguinte notícia...
Quinze mortos foram só em uma casa de shows [...] Atentados terroristas deixaram mortos e feridos na noite desta sexta-feira (13) em Paris. Fontes da polícia falam em pelo menos 60 morto…

"O Judeu", por Miguel Serrano

Por Miguel Serrano
Quem é o judeu? Creio que ainda nos dias de hoje, ariano algum está em condições plenas de decifrar a totalidade desse mistério repleto de obscuridade. Habilmente os traços de sua origem têm sido apagados. Apesar de constituir uma cloaca étnica, uma Cloaca Gentium, o judeu perdura imutável através de milênios. Hitler define-o não como um "nômade", mais um "parasita", que se enquista às vidas e corpos de outros povos, sugando sua energia vital criadora. Como um "Drácula", bebe ao seu sangue. E assim lhe é permitido perdurar pela eternidade. Ele não cria nada próprio; plagia unicamente a criação de outrem – arianos, por sua vez, corrompendo-as em seguida. 
A própria bíblia não lhes pertence – vem a ser simplesmente um documento trunco, adulterado, espoliado. Como se por milagre, preservam-se no Gênesis recordações antediluvianas, ou conseguiram sobreviver à falsificação. Os judeus conheceram pedaços desse documento incompleto, logo chamado …