Pular para o conteúdo principal

A Farsa do vitimismo Afro-descendente


Por: João Carlos de Almeida

“Eu mesmo que escrevo agora isto aqui não sou branco. Sou mestiço. Meu avô paterno era negro e meu pai é mulato. Não se trata aqui de um supremacista branco malhando os negros. Pelo contrário. Estes marginais aí são, de certa forma, meus “manos”, como eles mesmos dizem.”

A consciência negra revisada

Semana passada traduzimos um post intitulado "O que fazer a respeito da violência inter-racial negra?", do blog View from the Right. Paul K. começa afirmando que achava que os donos de cinema deveriam ter o direito de proibirem a entrada de grupos de adolescentes negros, por “serem escandalosos e incomodarem os outros” e terem "propensão à violência.” Em seguida, ele menciona três episódios recentes de violência extrema cometidas por negros contra brancos e asiáticos nos Estados Unidos (registrados em vídeo) e chama atenção para o fato de que a imprensa nunca comenta o fato de que a violência inter-racial no país é praticamente sempre de negros contra brancos e amarelos e não o contrário.

Que algo em torno de noventa por cento (90%) de todos os crimes violentos cometidos nos Estados Unidos são obra de negros e latinos é fato que até os demagogos esquerdistas do partido Democrata sabem. Mas, para fazer justiça a Paul K., gostaríamos de deixar registrados dois eventos recentes.

Um é o fato de um marine recém-chegado do Afeganistão ter sido espancado na noite de Natal, juntamente com sua esposa, por um grupo de marginais adolescentes negros em Brandentown, na Flórida, ao saírem de um cinema. Motivo: ele havia pedido a eles, que estavam fazendo arruaça durante o filme que assistiam, que se aquietassem.

Como comenta o blogueiro Van Helsing, de cuja página tiramos esta matéria, “A razão pela qual este não foi um incidente racial é porque as vítimas eram brancas e os agressores, evidentemente, negros.”

Não acredita né? Pois veja esse vídeo recente e tenha todas as provas, vamos tenha coragem!

A outra matéria é esta sobre um arrastão de dezenas de (adivinhe) marginais adolescentes negros a um shopping em Milwaukee, no Winsconsin, no último domingo. A imprensa, em sua novilíngua esquerdista, se referiu ao bando como “jovens rebeldes” [unruly young people]. JOVENS REBELDES?!

Vendo barbaridades como estas, dá para entender perfeitamente o que motivou as antigas leis de segregação racial nos estados do sul dos Estados Unidos. Os dados disponíveis sobre a criminalidade americana durante o século XIX e início do século XX já apontavam um envolvimento imensamente desproporcional da população negra em crimes violentos.

Eu mesmo que escrevo agora isto aqui não sou branco. Sou mestiço. Meu avô paterno era negro e meu pai é mulato. Não se trata aqui de um supremacista branco malhando os negros. Pelo contrário. Estes marginais aí são, de certa forma, meus “manos”, como eles mesmos dizem. Daí meu nojo em relação à coisa toda. Nós negros e mestiços deveríamos dar graças a Deus todos os dias por podermos viver em nações ocidentais decentes ao invés de em alguma ditadura africana. Se estas pessoas aí de fato odeiam tanto os brancos, por que diabos preferem sofrer no meio deles, ao invés de voltarem para a África? Como disse o Michael Savage há uns meses atrás para um ouvinte negro, racista e revoltado com os brancos que governam o país, “Sob o governo de qual ditador africano você preferiria viver, então?”

(click para ampliar)



Exemplo recente na mídia, o Boku Haram, controla metade da Nigéria, é responsável por assassinatos em maça  de cristãos (ou não seguidores do islã), supremacia racial e etc; tudo financiado pelo establishment (ao modo Al Qaeda e ISIS). No entanto, segundo os ocidentais isso é culpa do "Imperialismo branco"


Já passou da hora de nós “afro-descendentes” (o termo é demagógico e esquerdista, mas vai ele mesmo) pararmos com esta farsa de vitimismo e desejo de reparações. Os Estados Unidos e o Brasil não têm “dívida histórica” nenhuma conosco. Nós é que devemos e muito a estes países, que nos deram de presente verdadeiras civilizações já prontas, que jamais conseguiríamos construir se tivéssemos ficado no continente africano. Se nossos antepassados não tivessem sido trazidos como escravos para a América, estaríamos infinitamente pior hoje. E como é que demonstramos nossa gratidão a estas nações? Dê uma olhada nos dados disponíveis sobre criminalidade e nas pesquisas eleitorais de ambos os países e você vai ver.

Mas fique claro que: se brancos usarem desse discurso de forma vitimista, estarão trocando "6 por meia dúzia". O que tiramos disso? A hipocrisia programada do decaimento ocidental!

Se há vítimas raciais hoje nos Estados Unidos e no Brasil são os brancos, não nós. Somos nós que estupramos, matamos e os roubamos, não o contrário.

Quem votou em massa no Lula e na Dilma, que estão comprometidos com a escravização socialista do país, só para ganhar esmolas do PT, foi a população negra e mestiça, pobre e analfabeta, que está se lixando para os rumos que a nação está tomando. Quem vota em massa nos democratas, que estão comprometidos com a depredação socialista dos Estados Unidos, é a população negra, numa proporção que não se vê em nenhum outro grupo étnico do país. Se depender dos negros americanos, o país vai virar um novo Zimbábue. Olhe aqui o que cinco administrações consecutivas de prefeitos democratas negros, eleitos com o voto maciço da população negra, fizeram com Detroit, que já foi uma das cidades mais ricas do país.

Artista brasileiros como Mano Brown e Mv Bill (foto acima) fazem músicas pregando ideologias reparatórias e de culpabilidade de uma "casta de brancos" por mazelas sociais hipocritamente a exemplo de outros artistas brasileiros como Margareth Menezes e outros norte americanos. Mal sabem eles que nem se quer seriam aceitos nos governos supremacistas raciais negros de Teodoro Mbasogo, na Guiné Equatorial (o qual recebeu homenagens financiando o carnaval da escola campeão do RJ)

Chega dessa besteira de vitimismo, revanchismo e "reparacionsimo" negro. Nossa contribuição para nossos países foi mínima e o ônus que trazemos, imenso. Quem constrói os prédios bonitos somos nós negros e mestiços, sim, mas quem vai assaltar os moradores que vão morar lá e estuprar suas filhas também somos nós, além de votarmos em massa nos políticos esquerdistas que vão roubar o dinheiro deles por meio de impostos escorchantes. Impostos estes que, por sua vez, serão usados para pagar por projetos assistencialistas voltados para nossas “comunidades carentes” – o novo nome que inventaram para ‘favelas’ – e para construir escolas públicas que nós, negros e mestiços pobres, vamos depredar.

Vamos parar de fingir que não sabemos disto tudo.


Fonte:


Veja Também:







Comentários

  1. ACHO ENGRAÇADO COMO MESMO QUANDO UM ALOGENO FALA LOGO VEM O BLA BLA BLA; E QUE O DEPOIMENTO DE UM NOSTRATICO GOYIM COMUM MAIS PURO EM SEU PROPRIO HOMELAND VALE MENOS AINDA DIANTE DOS DESVALORES ALOGENOS; O GRAU DE DEGENERAÇÃO A QUE SE CHEGOU SÓ TEM UMA SOLUÇÃO QUE SE CHAMA ADM´S - O RESTO É MERA UTOPIA; SÓ O INVERNO NUCLEAR SALVA

    ResponderExcluir
  2. Sou negro e concordo 100%.há negros que pensam nesse mundo,e não se submetem aos internacionalistas safados.A globalização é isso : retirar o direito de autodeterminação dos povos e o orgulho racial.A midia vagabunda só noticia o que lhe é conveniente e grandes pessoas como Mussolini ,Marcus garvey e Pedro Varela são taxados de racistas e loucos .

    ResponderExcluir
  3. Negros adoram posar de coitadinhos. Chega dessa farsa ridícula do afrocoitadismo. Tá cheio de negro pior do que muito branco por aí fazendo coisa pior. "O negro é o que mais sofre bullying". Engraçado, o que eu mais vi durante minha vida foram mulatos, pardos e negros humilhando garotos brancos bonzinhos. Eu quero que os negróides se f......!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

O mais lido da semana

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Matt Parott: A capital de israel é Washington D.C.

Por Matt Parott
A capital de uma nação é o seu lugar de poder incontestável, a base de onde ele dirige sua política militar e doméstica, seu centro de gravidade e seus cofres econômicos. Trump se inverteu em mais uma promessa de campanha, declarando que a embaixada dos Estados Unidos em Israel precisa se mudar de Tel Aviv, o centro neuronal real de Israel, para Jerusalém, como parte de um esforço para roubar mais território dos árabes. Em sua campanha, Trump prometeu ser um corretor honesto, para alavancar suas habilidades de negociação de classe mundial para tentar negociar a paz no Oriente Médio. Sem desculpas, ele está quebrando essa promessa.
O homem que escreveu "The Art of the Deal" não conseguiu concessões de Israel. Ele envolveu esta declaração sem nenhum acordo global de qualquer tipo que possa ser interpretado como uma tentativa de tentar chegar a um resultado justo. Trump está intimidando os palestinos em nome dos judeus, mesmo que a comunidade judaica americana per…

América Latina, o último bastião ocidental? Porque o islã não cresce aqui

Segundo um estudo feito pelo Pew Research Center (Centro de Pesquisas Pew - PRC) (1), intitulado; "O Futuro das Religiões do Mundo", divulgado em abril desse ano, prevendo a projeção para o futuro das religiões, indicou que o número de adeptos do islã irá ultrapassar, caso assim continue, o número de cristãos até o fim desse século (entre 2050 - 2100, tornando-se a religião com o maior número absoluto de fiéis do planeta. E, seguindo a contra corrente mundial, a única região do mundo em que isso não vai acontecer é a da América Latina, pois o aumento do número de seguidores do Corão não acompanha o ritmo registrado em outras partes do mundo. Oque, por conseguinte, aponta essa parte da América como a única região onde a taxa de crescimento da população estimada para 2050 supera com folga o aumento de muçulmanos.
O islã, como se pode deduzir no parágrafo acima, é de fato a religião que mais cresce no mundo. O levantamento prevê que, entre 2010 e 2050, enquanto a média de cresci…

A investigação que revelou "exércitos" de perfis falsos usados para influenciar eleições e a política no Brasil

Todos os seres humanos pensantes ao uns poucos anos atrás só sabiam de monitoramento em escala mundial através de filmes de ação e espionagem geralmente hollywoodianos. Essas mesmas pessoas ficaram bestificadas, outras em negação e muitas nem se quer suspeitam da gravidade dos fatos, quando Eduard Snowden desertou do próprio país e revelou ao mundo que a NSA investigava a tudo e a todos através de todos os meios de comunicação existentes. Também tivemos o mesmo tipo de reação, quando Julian Assange através do intrépido "Wikilliks" revelou os esquemas de chantagem, sabotagem e falcatruas contra os povos da terra cometidos pelo governo estadunidense através de anos, incluindo suas figurinhas mais proeminentes como o "satã de saias" sra. Hillary Clinton. 
Depois de tudo isso não é difícil, porém não menos grave, que em nosso país geopoliticamente estratégico enquanto nação dominada não tivesse seus próprios meios de sabotagem interna parecidos, onde um grande exemplo s…

6 anos sem Kadhafi: o "fenômeno" cuja morte arruinou Líbia

Faz hoje cinco anos desde que o líder líbio foi morto a sangue frio perante câmeras de celulares e com o consentimento dos países que participaram da campanha anti-líbia de 2011. 
NT: matéria de 28/11/2016
O coronel Muammar Kadhafi liderou o país por 42 anos. A guerra civil que se iniciou no momento de sua morte continua há já cinco anos. Todas as tentativas de criar órgãos de governação fracassaram, a economia está arruinada. A crise foi substituída pelo caos, que ameaça toda a região, e isso se tornou no resultado da tentativa das potências ocidentais para alterar a organização política dos países africanos.
A Sputnik Árabe falou com o jornalista favorito do líder líbio, Abdel Baset bin Hamel. A experiência líbia, que continuou por 42 anos sob o governo de Muammar Kadhafi, permanecerá como parte incomparável da história do país. O país passou de forma regular por reformas, porque de vez em quando surgiam problemas na educação, saúde ou infraestrutura. Entretanto, a razão da crise de hoj…

Benjamin Freedman, um judeu expondo a judiaria organizada pelo mundo

Benjamin Harrison Freedman [Friedman] foi uma das pessoas mais intrigantes e surpreendentes do século XX. Nascido em 1890, foi um empresário judeu bem-sucedido de Nova Iorque e chegou a ser o principal proprietário da Woodbury Soap Company. Rompeu com a Judiaria organizada após a vitória judaico-comunista de 1945 e gastou o resto de sua vida e grande parte da sua considerável fortuna, avaliada em cerca de 2,5 milhões de dólares, expondo a tirania judaica que envolveu os Estados Unidos.
Mr. Freedman sabia do que falava, porque tinha sido um insider [membro de um grupo com acesso a informação confidencial] nos mais altos níveis de organizações e maquinações judaicas que tinham por objectivo obter poder sobre a nossa nação [EUA]. Mr. Freedman privou de perto com Bernard Baruch, Samuel Untermyer, Woodrow Wilson, Franklin Roosevelt, Joseph Kennedy, John F. Kennedy e muitos dos homens mais poderosos dos nossos tempos.
Este discurso no Willard Hotel, em Washington DC, foi proferido perante uma…

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

Nimrod de Rosario, Sabedoria Hiperbórea e Geopolítica

Luis Felipe Moyano (1946-1996), mais conhecido como Nimrod de Rosario, foi um escritor argentino que estudou profunda e extensivamente a comparatividade de religiões, a espiritualidade e a mitologia ao longo da história; e deu desenvolvimento a uma Cosmologia gnóstica conhecida como Sabedoria Hiperborea. Ele é o autor de "El Misterio de Belicena Villca" (O Mistério de Belicena Villca), um romance místico-histórico, e dos dois volumes do tratado "Fundamentos de la Sabiduría Hiperbórea" (Fundamentos da Sabedoria Hiperbórea), um estudo complexo, incluindo muitos detalhes científicos, lidando muitas vezes com a Física e as correlações de tempo-espaço.
Ele também foi o fundador da sociedade esotéricasecreta OCTRA (Orden de Caballeros Tirodal de la República Argentina -  Ordem Tirodal dos Cavaleiros da República Argentina, sendo "Tirodal" uma contração dos nomes das duas runas "Tyr" e " Odal "), e se correspondia com o conhecido escritor chil…

Uma homenagem à Hitler e...ao "Holocausto?" A verdade por trás da Industria do "Shoa"

Por Alain Soral "Cena sórdida ocorreu no jogo de futebol entre Omdurman Al-Hilal e Al Merreikh (2-0), no Sudão, fim de semana passado. Os ultras do Al-Hilal puseram um cartaz muito grande onde poderíamos ver a representação gigante do rosto de Adolf Hitler com, ao lado, uma bandeira onde foi escrita a palavra "Holocausto". [...] A polícia local não teria se interposto na plataforma onde essas bandeiras foi implantada para não causar tumultos. A televisão que retransmitia a partida teve o cuidado de não transmitir as imagens dessas mensagens odiosas." - sport24.lefigaro.fr
Os fãs sudaneses do Al-Hilal estão provocando. Mas eles não são idiotas: eles entenderam uma coisa fundamental.
Ao forçar a "Shoah" (como é chamado o "holocausto", pelos judeus em sua cultura) nas cabeças de todos os habitantes da terra, a mídia ocidental produziu um consumidor mutante que alimenta dessa pressão ao jogar com os "códigos nazis".
Cartazes no jogo entre entr…