Pular para o conteúdo principal

Robert Edwards - Compreendendo o Fascismo

Cartaz italiano da década de 1930 (1)
Por Robert Edwards

No século XX nenhum conjunto de idéias foi mais vilipendiado e mal-compreendido do que o do fascismo. O fascismo do pré-guerra foi representado, através das maquinações da mídia social-democrata e de inúmeras obras de comentário político, como um sistema político baseado na opressão reacionária... a antítese de tudo que é bom e necessário para o progresso humano. No presente momento parece que suas origens têm sido ignoradas e ele agora é empregado como um epíteto abusivo para o propósito de difamar oponentes políticos, a maioria dos quais não o merecem. Um grau de culpa reside na perpétua polarização da política em batalhões de "esquerda" e "direita", na qual todas as tonalidades de pensamento político são consideradas apenas nesses termos simplórios.

O propósito desse artigo é explorar as razões pelas quais o fascismo não se encaixa convenientemente dentro do espectro da política "ortodoxa" e demolir os equívocos vigentes. Primeiramente, é um erro imbecil considerar o fascismo autêntico como reacionário ou "direitista". Em verdade, os principais protagonistas do credo fascista na década de 1930, Benito Mussolini e Sir Oswald Mosley na Grã-Bretanha, eram originalmente da esquerda socialista. Na Espanha, José Antonio Primo de Rivera, o líder falangista, após seu encarceramento pelos Republicanos antes da Guerra Civil, conclamou seus seguidores na Falange Española a NÃO se unirem aos conservadores tradicionais e ao Exército. Muito após a morte de Primo de Rivera, o movimento falangista foi diluído por Franco e quaisquer vestígios do velho espírito revolucionário foram erradicados de modo a agradar a Igreja Católica e as Forças Armadas. Na era pós-guerra, Juan Perón assumiu poder na Argentina quase inteiramente com o apoio dos trabalhadores que são geralmente considerados como o núcleo da Esquerda. Consequentemente, seu tipo de fascismo era muito similar ao nacional-socialismo puro de Gregor Strasser no sentido de que era baseado no proletariado. Em absoluto, o fascismo autêntico tinha muito pouco em comum com o conservadorismo tradicional e com tudo que é englobado pela "Direita", na medida em que seus expoentes eram homens comprometidos com um novo mundo de reformas sociais e econômicas em larga escala.

(esquerda para direita) Juan Perón, presidente argentino em 1946, o espanhol Primo de Rivera e o líder inglês Sir Oswald Mosley

Para ser apropriadamente compreendido, o fascismo tem que ser visto dentro do contexto daquele período após a Primeira Grande Guerra. O fascismo foi o produto do horror de 1914-1918. A erupção de 1914 foi a consequência de uma doença profundamente enraizada. A aparente tranquilidade do mundo civilizado era uma camada muito fina sobre forças ferventes, ocultas. A fé do Século XIX na ideia de "progresso" havia enfeitiçado o homem europeu com um falso senso de segurança. A Primeira Grande Guerra, veio como um grande choque e seus efeitos foram espiritualmente devastadores já que a grande era do "progresso sem fim" foi dramaticamente finalizada. Aquela guerra substituiu o otimismo com pessimismo e, consequentemente, liberou tudo aquilo que fervia sob uma velha ordem em seus últimos estertores. Após isso nada mais era garantido e o espírito da Europa foi lançado em confusão. O velho mundo falhou e o novo mundo da social-democracia não ofereceu quaisquer certezas reais. Aqueles mais traídos por estes eventos foram os soldados dos fronts que haviam testemunhado a insanidade da carnificina desnecessária e haviam, então, retornado a outro mundo de políticos prevaricadores que careciam da visão e da coragem de construir uma "terra digna de heróis". A partir das trincheiras nasceu o fascismo. O soldado conhecia a importância da união e da ação e trouxe isso com ele para o reino da política revolucionária.

Duas realidades históricas que afetaram grandiosamente o hemisfério Norte na época. Foto 1: Trincheira do exército alemão na Europa durante da Primeira Grande Guerra (1914 - 1918)

Foto 2: fila de desempregados em bairro de negros à frente de um cartaz de propaganda de automóveis nos Estados Unidos da América, 1929

O fascismo foi indubitavelmente revolucionário. Ao mesmo tempo diferia da "esquerda" e, particularmente, do marxismo em muitos aspectos vitais. Era anti-materialista e não envolvia um rompimento cataclísmico com o passado histórico do homem. As posições filosóficas do fascismo e do marxismo era as mais distintas. Como é sabido, o marxismo é intolerantemente e rigidamente dogmático. Comunistas muito austeros são inextricavelmente ligados ao evangelho de Karl Marx, aos comentários de Lênin e às máximas do "determinismo econômico", não deixando nada para o livre pensamento e observação empírica. Por outro lado, o fascismo estava liberado de dogmatismo e sua filosofia era uma de pragmatismo, ou seja, ele simplesmente perguntava se uma noção particular poderia ser usada e colocada para funcionar nos interesses da Nação. Fascistas, como soldados, não permitem que suas mentes se cristalizem ao redor de quaisquer fórmulas mais simplesmente as utilizam como hipóteses funcionais que, no evento de se tornarem prejudiciais, são facilmente descartadas. Esse pragmatismo dinâmico era a principal característica do fascismo e seu gênio. Com essa filosofia o fascismo liderou uma revolta contra todas as formas de idolatria frasal e sentimentalidade inútil que são todas inibidoras. As abstrações teóricas da social-democracia, "liberdade", "igualdade", e "direitos inalienáveis", foram atacadas pelo fascismo simplesmente porque eram abstrações. Elas eram palavras sem qualquer importância concreta e desprovidas de significado. Elas são usadas como objeto de adoração e, portanto, previnem a objetividade e o pensamento criativo. Dentro do contexto fascista o conceito de "direitos" possuía significado apenas quando conectado com serviço e dever, e assim o fascismo emergiu como uma revolta contra o culto das irrealidades para se tornar a força pelo realismo pragmático consistente com a nova era da ciência.

O Estado Corporativo foi uma tentativa de unir as muitas facções dentro da sociedade para o propósito de realizar o ideal da Nação Orgânica completamente abarcadora. Pôs um fim ao seccionalismo enfatizando o papel de indivíduos e organizações dentro do novo aparato estatal. O Estado Corporativo foi o catalisador para todos os elementos dentro da Nação, a reconciliação última das facções beligerantes, para a tarefa digna de construção e de alcançar ideais cada vez maiores. Longe de ser uma opressão, esse tema central da fé fascista considerava que apenas quando a Nação fosse livre de conflitos internos entre seus vários elementos, classe contra classe e capitalista contra trabalhador, poderia haver verdadeira liberdade para todos. Uma Nação que não é livre não pode dar liberdade ao povo.

O fascismo não era nem de "esquerda" nem de "direita", mas sim uma síntese de ideias acima daquelas que existiam. 

"Combina o impulso dinâmico para mudança e progresso com a autoridade, a disciplina e a ordem sem a qual nada grande pode ser alcançado" - Sir Oswald Mosley em "The Greater Britain".

Naquela frase pode-se detectar dois sentimentos que, quando ideias separadas, são de pouca relevância. A ideia de progresso, como Mosley explicou, é considerada como pertencente à esquerda enquanto a tradição da ordem é considerada como pertencendo à direita. Progresso não pode existir sem ordem ou estabilidade... e estabilidade não pode existir sem progresso e a necessidade de se adaptar a um mundo mutante. Separados eles trazem caos em um mundo onde ação é necessária. A síntese fascista, com realismo característico, era a única alternativa.

A acusação de que o fascismo era coercitivo é um daqueles equívocos trágicos que apenas servem para ilustrar o ódio e amargura daqueles que desprezam o heroico e visionário. O falatório sobre "ditadura" emana de pessoas que preferem a inércia cataléptica da social-democracia em contraste com a vontade dinâmica de ação do temperamento fascista. O termo "ditadura" não é sempre sinônimo com coerção. Por seu uso da palavra "ditadura" Mosley interpretou isso como "liderança" e na década de 30 ele explicou, 

"o fascismo não é ditadura no velho sentido daquela palavra, que implica governo contra a vontade do povo. O fascismo é ditadura no sentido moderno da palavra, que implica governo armado pelo povo com poderes para resolver problemas que o povo está determinado a superar". 

De modo a funcionar e dar certo o fascismo dependia da vontade do povo; sem aquela vontade não haveria Nação Orgânica. Nesse contexto o fascismo desviava do socialismo esquerdista no sentido de que a essência da ação fascista era baseada na liderança e na iniciativa e, na prática, era vista como sendo a liderança do povo com seu consentimento popular. Não tinha nada a ver com os controles castradores do socialismo nesse sentido, ao invés, o fascismo tendia a liderar e apenas intervir quando alguma seção ameaçava os interesses do todo orgânico.

A tragédia do fascismo foi que não lhe foi dada a chance de florescer. Uma segunda guerra desastrosa com toda a histeria e propaganda nublou a maior parte da verdade. O fascismo deve ser lembrado por seu dinamismo, seu heroísmo e sua visão durante um tempo em que algo novo era desesperadamente necessário para salvar o homem da auto-destruição. O fascismo encarou os fatos do mundo pré-guerra; e agora nós encaramos os fatos de um mundo que tem mudado muito rapidamente. Que nova força para o futuro pode inspirar esperança da mesma maneira que fez o fascismo tantos anos atrás?

NOTA: grifos e estruturação feitas pelos autores do site sem perder o conteúdo nem sentido do texto.

(1) - Foto de destaque: cartaz propagandístico feito pelo Ministério da Defesa Nacional Inspeção-Geral do Trabalho conclamava o operariado (povo e força de trabalho) a edificar a pátria italiana. O fascismo italiano de Benito Mussolini foi um dos mais conhecidos e expressivos governos fascistas e também mais lembrado até hoje. Apesar da forma deturpada

Fonte: Legio Victrix

Artigo disponível na sessão: História Geral

Veja Também:




Comentários

  1. Mateus 07:16 PELOS SEUS FRUTOS OS CONHECEREIS http://www.erf.de/data/files/content.sources.cina.cartoons/407978.jpg

    https://plus.google.com/117780186646962901957/posts/CBMmvj66M14

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oque nossos leitores mais leem

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Porque eles não querem que eles residam permanentes...
Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.
Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.
os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.
Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.
Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigra…

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

A Conquista Moura da Península Ibérica: Mouros escravizaram portugueses por 741 anos - onde estão minhas reparações?

A grande "dívida" que os brancos tem com os negros por 400 anos de escravidão é provavelmente a maior mentira já contada na história. O preconceito contra os brancos é tão grande que até o Google mudou o resultado da minha pesquisa de “império mouro escravidão” para “império romano escravidão”. Mouro vem do latim Maures que significa Negro, devido a cor da pele deles dos integrantes do Império Mouro.
O Império Mouro foi o grande império muçulmano que conquistou o norte da África, Oriente Médio e Península Ibérica ( onde hoje se localizam Portugal e Espanha), é o mesmo império que alguns muçulmanos querem refazer através do estado islâmico. Com o regime de Califado, onde um homem seria escolhido por Deus para liderar o povo muçulmano na conversão do mundo para o islamismo.
Com o declínio do Império Romano, o Califado conseguiu uma brecha e em menos de uma década conquistou a península Ibérica inteira. Apesar da resistência de algumas regiões que voltaram rapidamente ao domínio …

Os judeus a Revolução Comunista russa e o assassinato do Czar

Acima, Tatiana e Olga; Sentados: Maria, Alexandra, Nicolau e Anastácia. E no chão, Alexei
Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…

O calvário das viúvas da ocupação

Após a liberação dos territórios ocupados pelos alemães dos países europeus, milhares de mulheres que tinham relacionamentos com soldados alemães foram expostas a execuções humilhantes e brutais nas mãos de seus próprios concidadãos. Era a "Épuration Légale" ("purga legal"), a onda de julgamentos oficiais que se seguiu à liberação da França e da queda do Regime de Vichy. Estes julgamentos foram realizados em grande parte entre 1944 e 1949, com ações legais que perduraram por décadas depois.
Ao contrário dos Julgamentos de Nuremberg, a "Épuration Légale" foi conduzida como um assunto interno francês. Aproximadamente 300.000 casos foram investigados, alcançando os mais altos níveis do governo colaboracionista de Vichy. Mais da metade foram encerrados sem acusação. De 1944 a 1951, os tribunais oficiais na França condenaram 6.763 pessoas à morte por traição e outros crimes. Apenas 791 execuções foram efetivamente realizadas. No entanto, 49.723 pessoas foram …

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

A verdade sobre Olga Benário e Prestes

Olga Gutmann Ben-Ario (1908 - 1942)
Por: Luiz Gonçalves Alonso Ferreira (1)

Na alvorada de março de 1934, vindo de Buenos Aires portando passaporte americano, desembarcara no Rio de Janeiro um sujeito de nome Harry Berger. Preso pela polícia carioca no natal de 1935, logo revelou-se a identidade secreta do viajante. Chamava- se, o misterioso elemento, Arthur Ernst Ewert, judeu alemão, fichado em seu país de origem, no qual era ex- deputado, como espião. Constava também processo por "alta traição".
Berger era o agente do Komintern, especialista em golpes subversivos, enviado para o Brasil com a missão de dirigir intelectualmente o plano traçado em Moscou, que objetivava a instauração de uma ditadura de tipo stalinista no País, por meio de levante armado. Sob ordens de Berger, lá estava Luiz Carlos Prestes, homem escolhido para encabeçar um "governo popular nacional revolucionário", segundo relatório do próprio Berger para o Komintern.
Prestes angariou simpatia no meio c…

“Nossas mães, nossos pais” - Um filme sobre a verdade da guerra

O filme “Nossas mães, nossos pais” (do alemão: "Unsere Mütter, unsere Väter"), exibido pelo canal de televisão alemão ZDF, conta a história de cinco jovens para os quais a Segunda Guerra Mundial se torna um desafio moral e ético, deixando clara a impressão de que a Alemanha está cansada de arrependimentos. O filme basicamente apresenta os soldados soviéticos como estupradores, os poloneses como antissemitas desumanizados e os ucranianos como sádicos. O contexto do drama vivido na invasão da Europa na sua verdadeira face.
A diplomacia russa considerou inaceitável o filme e enviou uma carta ao embaixador da Alemanha dizendo que a “maioria absoluta dos russos que teve a oportunidade de assistir ao filme” o achou inaceitável. Também foi criticado a exposição que fez o filme as atrocidades cometidas pelas tropas da URSS aos excessos isolados perpetrados por militares soviéticos na Alemanha, os quais foram severamente punidos pelo comando militar soviético, mas tão só depois de um …