terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Donald Trump, novo presidente de USrael?


Nunca na história dos EUA viu-se uma desproporção tão gritante da participação judaica junto a um presidente eleito. Comparado com o número de judeus na população norte-americana (aprox. 2%), o número de eleitos que orbitam o novo astro da Casa Branca é gritante.

“Um verdadeiro amigo de Israel”

No vídeo, Pence, vice-presidente de Trump fala sobre o apoio as relações do novo governo a Israel. 


Em seu discurso para os convidados da AIPAC em março de 2016, Trump iniciou seu discurso afirmando ser um “verdadeiro amigo de Israel”. E qual o problema em tal posição? Simples: como ser um amigo incondicional da “única democracia do Oriente Médio” (sic), quando está pisoteia com tamanha propriedade a honra, a dignidade e os direitos civis mais básicos dos palestinos. Os idiotas úteis de plantão se esquecem que os judeus fundaram um Estado baseado em crença religiosa (mas nós temos que ser laicos – NR) e na expulsão violenta de famílias palestinas que habitavam a região a séculos! Como esperar que eles apenas entreguem suas terras e esqueçam do passado? Apenas pessoas muito ingênuas ou hipócritas podem endossar incondicionalmente a causa do “Estado judeu”.

Trump toma posse; Israel anuncia a continuação dos assentamentos ilegais

O projeto de três assentamentos judaicos na parte oriental de Jerusalém, predominantemente palestina, foi estranhamente paralisado pelo aposentado senhor da guerra, Barack Obama. Com a posse de Trump, segundo o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, as regras do jogo mudaram. As 566 casas serão construídas. Uma clara provocação dos chauvinistas sionistas.

Assentamento ilegal de Ramot, em Jerusalém Oriental
Foto de 27 de janeiro de 2016. (AFP)

Uma resolução da ONU de 23 de dezembro de 2016, chamou os assentamentos judaicos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental de “uma flagrante violação da lei internacional”. A resolução exige que Israel cesse imediatamente a construção destas edificações. Cerca de meio milhão de israelitas moram em 230 assentamentos ilegais construídos nos territórios ocupados pelos palestinos, incluindo Jerusalém Oriental, desde 1967.

É claro que se você tiver sua casa invadida por grileiros e ao longo dos anos, você e sua família forem confinados a cômodos cada vez menores, você não deve reagir, muito pelo contrário, deve aplaudir tal ação. Afinal de contas os grileiros têm um registro de propriedade baseado na crença religiosa, tudo muito inquestionável. Eles alegam também que precisam de sua casa, pois foram perseguidos e precisam de um porto seguro. Eles afirmam que sofreram um crime único na história, mas curiosamente não conseguem comprová-lo. Pelo menos não com provas técnicas documentais e forenses; eles apenas apresentam um vasto material de propaganda e algumas testemunhas que se contradizem o tempo todo. O fato de perseguirem você e sua família pouco afeta sua consciência e dignidade, afinal de conta, eles se julgam especiais, nunca cometeram qualquer ilícito por onde passaram e se comportam de maneira impecável por onde se hospedam – NR.

Trump quer transferir a embaixada norte-americana para Jerusalém

De acordo com o porta-voz do novo governo, Trump deseja transferir seu novo embaixador em Israel, David Friedman, para Jerusalém. Atualmente os países possuem suas embaixadas em Tel-Aviv. Tal passo diplomático em nada ajudará na solução do conflito judeo-palestino.

Fato é que os israelitas e seu arsenal atômico estão lá e em prol da paz do mundo, correntes moderadas palestinas ponderam a solução de dois Estados como saída menos dolorosa. Mas a eventual transferência da embaixada dos EUA para Jerusalém vai aumentar o apoio dos radicais palestinos, encorajar os sionistas a endurecerem os termos deste acordo e a solução tornar-se-á mais distante.

O novo governo norte-americano é uma clara expressão da nova “direita kosher” que aparece nesta época de “guinada para a direita” e resetagem do sistema econômico baseado na cobrança de juros bancários.

A turma do Trump

Vídeo mostrando alguns atores sionistas que orbitam o novo astro da Casa Branca. Um alerta para quem ainda espera algo de virtuoso nesta época de “mudanças radicais”. VER NO YOUTUBE (LINK SEGURO): AQUI!

Fonte: Inacreditavel

2 comentários:

  1. Não apenas pessoas ingênuas e hipócritas apoiam incondicionalmente Israel, mas, aqueles que conhecem a Bíblia, a Palavra de Deus. Leiam Ezequiel capítulos 37 a 39 e Zacarias capítulos 12 a 14, que falam sobre o futuro de Israel, que terão muitas dificuldades políticas e militares, inclusive inimigos que ainda não se revelaram, se levantarão contra Israel para o destruir, mas no final serão destruídos e Israel será vitorioso, não com as próprias forças, mas o próprio Deus se levantará para fazê-lo triunfante.

    ResponderExcluir
  2. Ao mesmo tempo os judeus globalistas(marxistas) o repudiam e até promovem protestos violentos contra o Trump. O George Soros está desesperado com o Trump na presidência. Foi ele quem financiou um protesto de feministas algumas semanas atrás contra o Trump. Os judeus globalistas não suportam ver no poder um presidente que defende a moral, os bons costumes e patriotismo.

    ResponderExcluir

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...