O que há por trás do atentado na França?

Não é a Síria...não é o Líbano...é a França nessa noite.

Por: André Marques

Todos os anos, ataques terroristas chocam o mundo com sua violência, isso é fato. Então parecemos estar em meio ou como espectadores frente a uma guerra infrutífera que parece não ter fim. Então, entre os observadores mais atentos, se questionam frentes a esses fatos, o porque de sempre estarmos em um ciclo vicioso quando se trata da "guerra ao terror". Por que esse dogma nos assola? Apesar de sabermos que essa guerra artificial é forjada pelos mesmos que a dizem defendê-la e alimentar objetivos egocêntricos da Nova Ordem Mundial e seus financistas e que nós estaremos fadados a isso até quebrar esses grilhões. De uma coisa sempre teremos uma triste certeza...suas vítimas. 

Vimos, com horror, em 12 para 13 de Novembro, a seguinte notícia...

Quinze mortos foram só em uma casa de shows [...] Atentados terroristas deixaram mortos e feridos na noite desta sexta-feira (13) em Paris. Fontes da polícia falam em pelo menos 60 mortos e 60 feridos em situação de emergência. Este já é o maior atentado de que se tem notícia na história da França.

Foram vários ataques simultâneos. As explosões e tiroteios aconteceram na região nordeste de Paris. Pelo que se sabe, foram três explosões perto do Stade de France e, segundo à TV francesa, foram, pelo menos, seis ataques com fuzis.

Um dos ataques foi na famosa casa de espetáculos Bataclan, onde haveria cem pessoas, segundo a agência Associated Press, mantidas reféns. A casa de shows foi cercada pela polícia. Outro ataque foi em um pequeno restaurante.

No Stade de France, famoso pela Copa de 98, estava sendo realizado um amistoso entre França e Alemanha. E deu pra ouvir o barulho das bombas durante o jogo.G1 - Jornal Nacional

E logo após, as 19:24, temos as notícias de que...

A agência de notícias AFP afirma que há mais de 200 feridos, pelo menos 80 deles em estado grave.

A polícia francesa invadiu a casa de espetáculos Bataclan, onde matou três terroristas e encontrou ao menos cem mortos. No local estava acontecendo a apresentação da banda Eagles of the Death Metal.

Houve ataques a tiros no bulevar Voltaire, na rua Fontaine au Roi, no bulevar de Charonne, e rua Alibert. A Procuradoria de Paris afirmou que ao menos cinco terroristas foram mortos em diferentes lugares de Paris. Nenhum grupo reivindicou a autoria dos ataques. Uol Notícias - Internacional

E por último,  as 1:15 do dia 14/11, vemos...

Mais de 120 pessoas morreram e dezenas ficaram feridos em atentados em Paris registrados pouco antes das dez da noite desta sexta-feira (horário local) nos distritos 10 e 11 da capital francesa. A casa de espetáculos Bataclan foi um dos principais alvos dos ataques, com a ação de três homens armados que detiveram centenas de reféns. Ao todo, as autoridades francesas identificaram sete ataques. Como consequência, o Governo francês fechou as fronteiras do país, decretou estado de emergência e mobilizou o Exército. - El País - Brasil

Frente ao horror e angústia que foi levado a cabo ao povo francês, em mais particular o povo parisiense e todos os estrangeiros que lá estavam, incluindo alguns brasileiros, é de se questionar o fato de que seguidamente, "logo após" o atentado a redação do jornal Charle Hebbo, também em Paris, mais uma vez, agora mais do que nunca, a França vê acontecer diante dos seus olhos o maior ataque violento a seus cidadãos causado por atentados como esse.

Digo "questionar" pelos fatos que lhes sucederam anteriormente, que nos levam as seguintes reflexões: Estaria o povo francês "colhendo do próprio veneno" cultivado por seus governantes quando se incentivara (assim como quase unanimemente todos os países do bloco da UE) a imigração massiva de árabes que seriam "supostos refugiados" que sem nenhuma dura fiscalização entraram e abarrotaram suas fronteiras nacionais, onde claramente se via, soldados do ISIS felizes e contentes marchando em roupas cívicas sobre suas terras em meio a um estranho contingente de "fugitivos das malezas da guerra" onde em sua grande maioria se tratavam de homens jovens em busca dos países ricos no ocidente europeu, por vezes batendo de frente as autoridades locais quando os trens não paravam ou não seguiam para  a Alemanha ou França (onde se oferecia melhores condições de subsistência e benefícios)?


Dentro a crescente população islâmica na Europa que cada vez mais se iguala  sobrepõe o frágil e nada viril coletivo nativo trazendo com ela as mazelas sociais e étnicas típicas de seu continente de hoje em dia e com um combustível a mais...a xenofobia ao cidadão natural daquele país, os homens, mulheres e crianças da Europa, dia a dia acirrada pela simples questão de que a sociedade internacional de hoje teima em misturar "óleo e água" transbordando num grande cadeirão étnico que nada traz de paz ou harmonia, mas pelo contrário...conflito, confusão sócio-ideológica, cultural e todos os outros sintomas que causam um enfraquecimento das bases de uma sociedade sadia?

Mas, acima de tudo, meus amigos, devemos lembrar que, apesar de não ser hoje nem de perto o que outrora foram as ricas sociedades europeias, episódios como esses, que evidenciam a fragilidade de uma mundo multicultural, a facilidade de se causar uma confusão mental nas pessoas do "mundo moderno esclarecido", devemos nos perguntar, quem alimenta isso. Quem? Quem mata e promove a guerra para que ela por si própria, se alastrando ao mundo todo, ceifando não importa quem, faça lucrar e lucrar quem a patrocine? Quem é que patrocina grupos como o ISIS, que rapidamente não vacilam em atribuir autoria a todo tipo de barbárie suicida e fica totalmente impune, sem uma real repressão de qualquer exercito nacional que se diga "carregar o estandarte do anti-terrorismo"? Mas que pelo contrário...é financiado a continuar o fronte sanguinolento, mesmo que os governos aliados digam publicamente serem contra os seus veementemente...

Cameron (primeiro-ministro inglês), Obama (presidente estadunidense), Merkel (primeira-ministra alemã), são os primeiros a expressarem estar chocados com os atos cruéis dos "terroristas" que com armas de guerra e bombas suicidas acabaram com dezenas de vidas em um dia, como fazem todos os dias, os mesmos da marcha contra o terrorismo da qual eles "participaram" apenas nas fotos montadas para os grandes distribuidores da mídia internacional. Enquanto o presidente francês François Hollande se apressa a dizer oficialmente quase que antes de findar o último dos atentados que se trata de um "ataque terrorista"?


Quando todos esses líderes europeus lamentam e oferecem sua ajuda ("livrai-nos de nós mesmos"?), ninguém se lembra em quantas frentes estrangeiras no Oriente Médio e no resto do mundo islâmico o exército francês e as legiões estrangeiras estão envolvidas em nome dos príncipes e paladinos ocidentais? 

Alguém se lembra do exército francês na Líbia, ajudando a derrubar Kadafi enquanto Nicolas SarKozy (judeu, sionista e então presidente francês) repartia os pedaços do petróleo líbio as grandes empreiteiras?

VEJA AQUI: Cameron e Sarkozy vão à Líbia 'à procura' de petróleo (fotogaleria)

Sarkozy e Cameron querem maior parte do lucro na Líbia, mas disputa é acirrada

E sem contar que para encerrar o dia de glória da Nova Ordem, combinando aos ataques em Paris, uma explosão de duas bombas deixaram 44 mortos e 239 feridos no Líbano, que guarda também um dia de luto nacional nesta sexta-feira (13). O ataque aconteceu em um reduto do Hezbollah xiita no sul de Beirute, reivindicado pelo grupo jihadista sunita Estado Islâmico. 

VEJA AQUI: Hollande admite que França entregou armas a rebeldes na Síria

Nas últimas horas da tarde de quinta, dois homens a pé detoraram seus cintos explosivos em frente a um centro comercial do bairro Burj al Barajne. O exército informou ter encontrado morto um terceiro terrorista, que não conseguiu detonar o artefato que levava consigo. 

Um fotógrafo da AFP viu corpos ensaguentados em meio a lojas e carros destruídos. Vários socorristas e civis levaram os feridos. - G1 - Mundo

Mais um ponto para a Sinarquia...Um grupo de resistência legítima atacado pelos inimigos mortais, uma guerra que também já levou 250 mil pessoas desde 2011, quando das ascensão dos jihadistas a serviços dos príncipes do petróleo sauditas e aliados ocidentais.

E agora, o presidente Hollande anuncia fechar as fronteiras e acionar as forças nacionais. Se trata somente, e eu digo, somente da bagunça que é o multiculturalismo enfraquecedor dos povos ou aliados a isso também estavam os aliados e os senhores da guerra precisando de uma "turbinada" em seus pretextos para fins lucrativos mais uma vez as custas de alguém? Certas perguntas as vezes chegam a ser retóricas demais para se quer pensar em possibilidade de múltiplas respostas. 



E o ciclo que se revela aos cidadãos comuns sobre as consequências disso tudo é bem simples e conhecido do público que não se deixa enganar nem se deixa levar por qualquer história: As pessoas tentam impedir tudo isso (imigração em massa, anti-aliados OTAN), são chamadas de xenófobas, vários atentados em um só dia e a imprensa se preocupa com os xenófobos pós-ataques. O ISIS reivindica ataques e dizem que "é só o começo e que tem 4 mil infiltrados na França" (terror psicológico). O líder francês fecha fronteiras e as pessoas que tentaram impedir tinham razão imprensa volta a bater nas pessoas que tentaram impedir temem que elas tentem impedir novamente. No fim, a imprensa chama os atentados de "lamentáveis".

VEJA AQUI:França realiza primeiros ataques aéreos ao Estado Islâmico na Síria

E agora há motivos para que os França e os outro aliados do Ocidente joguem mais bombas na Síria e no Iraque como pretexto de "acabar com o Estado Islâmico". E como diria uma grande personalidade brasileira, "e a guerra continua..."


Veja Também:

Charlie Hebdo, Terrorismo, Mentiras e Manipulações

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Como achar esse artigo no site:

- Início > Atualidade-Economia-Politica > Sociedade/Mídia Ocidental/Plutocracia/Sinarquia

5 comentários:

  1. Faz muito sentido.. infelizmente somos a minoria que acredita sermos controlados... Eles estão fazendo parecer real... ABRAM OS OLHOS!

    ResponderExcluir
  2. realmente abram os olhos porque isso dali é um circulo de itiotas e todos sabem o q xtam a fazer... e os tontos querem acabar com o mundo....conclusão:tudo por causa de dinheiro!

    ResponderExcluir
  3. http://www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?noticia=EUA_atacam_pela_primeira_vez_caminhoes_de_petroleo_na_Siria&edt=32&id=410649

    ResponderExcluir
  4. Raça imunda manipulando o povo, infelizmente tem pessoas ainda que acreditam no 11 de setembro. Lamentável!!!

    ResponderExcluir
  5. Estão derrubando os murais que vocês fazem? Caralho, até aqui no blog a judaizada imunda quer censurar quem os critica. Judeus malditos, odeio essa raça suja.

    ResponderExcluir

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...