quarta-feira, 11 de novembro de 2015

"O Judeu", por Miguel Serrano


Por Miguel Serrano

Quem é o judeu? Creio que ainda nos dias de hoje, ariano algum está em condições plenas de decifrar a totalidade desse mistério repleto de obscuridade. Habilmente os traços de sua origem têm sido apagados. Apesar de constituir uma cloaca étnica, uma Cloaca Gentium, o judeu perdura imutável através de milênios. Hitler define-o não como um "nômade", mais um "parasita", que se enquista às vidas e corpos de outros povos, sugando sua energia vital criadora. Como um "Drácula", bebe ao seu sangue. E assim lhe é permitido perdurar pela eternidade. Ele não cria nada próprio; plagia unicamente a criação de outrem – arianos, por sua vez, corrompendo-as em seguida. 

A própria bíblia não lhes pertence – vem a ser simplesmente um documento trunco, adulterado, espoliado. Como se por milagre, preservam-se no Gênesis recordações antediluvianas, ou conseguiram sobreviver à falsificação. Os judeus conheceram pedaços desse documento incompleto, logo chamado “Gênesis” e dele se apropriaram, tal como fariam séculos depois com a Kabala germânica, com o “Livro das três mães”. Por isto, na bíblia não é possível encontrar nada autêntico sobre a verdadeira origem de seu povo, porque ele não é um hebreu nem um israelita – termos estes que se referem a outros seres, outras coisas e situações; no caso, são relacionam-se primeiramente a uma raça de gigantes desaparecidos e “ao combate com os anjos”, e, em segundo lugar, a uma prova de iniciação, referência tradicional a um grau hermético da tradição ariana extraterrestre, de um “prólogo de história” como diria Berdaief. Em nada se parecem com o judeu de Kahal que hoje conhecemos como sionista, e, do mesmo modo, não têm ligações com os “Sábios de Sião”. Por isto, em meu livro “El cordón dorado – Hitlerismo esotérico”, afirmei que um hebreu poderia voltar a ser um ariano, porque sempre o fora – e não um judeu. Como outros arianos de hoje, mesclou-se e com isso diluiu sua origem divina, mas poderia despertar.

A Civilização de Gobi coexistiu com a civilização de Sahara. 
Certa vez perguntei ao professor Hermann Wirth, fundador da Ahnenerbe, sobre o judeu. Dissera-me ele, como resposta, algo extraordinário, como que repleto de luz. Segundo ele, os judeus teriam sido uma tribo de escravos que viveu na periferia da grande civilização ariana de Gobi. Como se sabe, essa civilização transformou-se no que é hoje o deserto de Gobi, depois do desaparecimento do mundo hiperbóreo do Pólo Norte. Assim, a bíblia original – e não a falsificada – fez referências à misteriosa destruição dessa civilização, quando menciona a Gog e Magog, cidades que tiveram relação com os godos, isto segundo Gérard de Sède. Para Wirth, os judeus seguem como escravos no êxodo dos godos arianos, dos hebreus gigantes, dos israelitas – sacerdotes iniciados e nascidos para a vitória, sendo precisamente arianos. As tribos dos godos são doze ao todo. “Povo de origem divina”, “Extraterrestres” – eis alguns dos atributos que lhes são dados. 

E o conceito do “Messias” teria a ver com aqueles originados de Avatara, Tulku e Boddisatva, como se aplicou na Índia e no Egito, de onde os arianos descendem em seu êxodo. Na conquista da Índia, aplicam-se estritas leis raciais contra a mescla com negroides dravidias, estabelecendo o sistema de casta, que em idioma sânscrito é "Varna", que precisamente significa "cor". A vida das duas primeiras castas, do rei e do brâmane, será regida pelo Código de Manu, o qual Nietzsche tanto admirava. O Gênesis também nos fala dos Nephelin, como seres vindos do espaço – restos milagrosamente salvos na bíblia, de uma tradição  que tende a desaparecer, remetendo-se dos Ases e Vanes à epopeia nórdico-polar das Eddas.

O êxodo hiperbóreo se estende a ramificar-se por todo o mundo: Índia, Europa, Egito. Nos frisos dos templos egípcios são os Tamehu – guerreiros brancos, loiros de olhos azuis. Como já dissemos, ali se encontrou pela primeira vez o nome hebreu, significando gigante. Ramsés II, Tamehu mesmo derrota aos hiperbóreos, fazendo-os prisioneiros. Com Moisés, o qual não era judeu mas sacerdote egípcio de nome Osarsiph, consegue escapar, levando consigo a arca da lei racial – Código de Manu – e a Vara do Poder – ou Vara de Aaron -, o vril, com o qual o deus ariano persa Mithra golpeou a rocha e fez jorrar água – Moisés fez o mesmo, atribuindo-se do ato. Sobre tudo paira um grande mistério, havendo uma grande apropriação de nomes e regiões, ao desenvolverem-se estas histórias nos desertos do Oriente Médio, com os “quarenta anos de peregrinação pelo deserto” e o “desaparecimento das dez tribos de Israel”.

 A destruição da civilização de Gobi efetivou-se há milênios atrás. Somente a conquista da Índia, por parte dos arianos, tem quase sete mil anos. E o Gênesis é um documento antediluviano completamente espoliado e falsificado. Se foram os judeus uma tribo de escravos já existente na civilização de Gobi, ou se unicamente encontram-se nas regiões médio-orientais da Ásia menor à chegada dos godos hiperbóreos, dos tamchu, dos amoritas – de nenhuma forma é possível saber a certeza exata. Se eles se apropriaram de documentos místicos e fabulosos, depositários de sabedoria e de toda a história tradicional dos povos arianos no êxodo de Gobi, no Cáucaso, no Egito ou entre os elementos periféricos das civilizações de Ur e Canaã, de pouco importa. O que sem dúvidas sucedeu-se foi a apropriação de tudo, destruindo, falsificando e alterando o sentido espiritual e geográfico,fazendo desaparecer a conexão extraterrena e a origem do grande plasma da queda dos arianos Nephelin, combatendo a Demiurgo nos astros. E transformaram este documento por eles chamado “bíblia” em um compilado de histórias agregadas, fazendo-a de representação da “História nacional judaica”, a qual fora originada a partir de apropriações e falsificações, com a figura de David, Salomão e Moisés representados como seres reais e judaicos, sendo que não o foram. Assim, a bíblia é o documento mais falso, mentiroso e venenoso que já tenha circulado entre os homens. E ela o é tanto no antigo quanto no velho testamento. Assim o viu também Lutero, o qual, em um de seus momentos lúcidos, acusou aos judeus de “bestas falsificadoras”.

Os judeus apropriaram-se também da ciência do conhecimento de leis raciais arianas, da pureza de um sangue tido como sagrado; segredo este que era guardado pela casta de reis-sacerdotes e guerreiros, heróis e semi-deuses. Já involucional, como consequência do desaparecimento de Hiperbórea e a destruição de Gobi, fazem o uso desse conhecimento com a pretensão de preservar um anti-sangue e uma anti-raça, um contínuo impuro. Por trás do “pacto renovado”, as leis instituídas por Esdra, Nehemias e a Grande Sinagoga são tão restritas para os judeus tal como o Código de Manu para os arianos da Índia – e regem por igual, do nascimento à morte. A mesma circuncisão origina-se na adulteração de uma sabedoria da Kabala rúnica dos arianos. No Talmud-Sanhedrin, à página 88, diz-se que “o nome de seu deus Schaddai encontra-se às entranhas do nariz; a palavra Daletg na curvatura dos braços, e Ain em seu órgão sexual, porém unicamente quando é cortado o seu prepúcio” – ou seja, circuncidado. Somente então o nome de seu deus penetra na carne do judeu. Ao término deste estudo, veremos que agora pretendem eles, por procedimentos eletrônicos, introduzir na carne dos não-judeus o nome de seu demônio, que é Scheidim, com o número da besta do apocalipse: 666.

Scheidim, personificação
São também alguns fragmentos dispersos no Gênesis, milagrosamente sobreviventes, os quais apontam a titilante luz nas sombras do mistério judaico. Haviam ali os Scheidim, seres estranhos e monstruosos, produtos de uma mescla entre humanos e animais, uma involução provocada – talvez uma ideia-variação atuando ao reverso, em um plasma de idéias. Vem a ser esta técnica algo que pôde, de forma correta, aplicar os arianos para produzir uma mutação bastante alta, que tende a gerar um segundo nascimento, recuperando algo que fora perdido: a divindade do homem-deus. Porém agora se usava, de modo maligno, para um pecado da espécie, gerando um misto de animal, homem e demônio. Sendo possível, a bíblia aponta para Sheidim.

 Mestiço não é um termo apropriado para referir-se ao judeu, pois assinala geralmente uma mescla de elementos que não são completamente opostos. Produziu-se uma junção de materiais similares. Mescla entre brahamitas, semitas, mohabitas, idumitas ou idumeus, siríacos e turânios, além de amoritas. O semita original pode ter sido concebido a partir de uma mescla amarelo-negra; o autêntico, por sua vez, que é beduíno emigrado dos desertos da Arábia, referido já nos tempos em que os judeus faziam o uso da bíblia. Aquele que agora conhecemos como semita, conserva de antemão suas características de nômade – deve-se lembrar, contudo, que apenas uma parcela de judeus conserva em si o sangue semita. Cinco por cento de sua mazela compõe-se do Homo Siriacus, o hitita, de crânio redondo, braquicéfalo, de “nariz judaico”, baixa estatura e rechonchudo; outros cinco por cento de Homo Arabicus, o semita, nômade cruel, de crânio alargado, delgado, alto, o qual dá as características predominantes no judeu. Dez por cento constitui-se de Homo Europaeus, o amorita, alto, branco e de olhos azuis; é ele um nórdico-polar, possivelmente um resquício da casta dos senhores da civilização de Gobi que desceu até a Ásia menor. Os egípcios chamaram a esses amoritas de Tamehu, reproduzindo-os em seus frisões e estelas. Nefertitis, por exemplo, era amorita. Outros oitenta por cento restantes da Cloaca Gentium compõe-se de uma mescla indefinida, com rasgos e qualidades contrapostas.


Um dos tipos mais comuns de judeu, o "asquenazita"

Gottfried Feder, em seu estudo sobre o judeu, crê não ser possível voltar há dois mil e seiscentos anos atrás, em busca de provas seguras ou visíveis. Sem dúvidas, pelo que se sabe, suas características eram as mesmas há séculos atrás. São Nehemias e Esdras, junto com a Grande Sinagoga, aqueles que estabelecem há dois mil e seiscentos anos as leis inflexíveis que passam a reger a vida do judeu, do nascimento à morte. 

Leis “raciais”, em especial, que expulsam da comunidade, bem como da região geográfica, a todo o judeu que não as cumpra, ou que não as tenha cumprido com antecedência à obrigatoriedade que lhe fora imposta. Assim, até o presente momento, podemos dizer que os genes judaicos são sempre os mesmos; constituem algo muito mais complexo que um povo – seriam, no caso, uma comunidade sanguínea, uma família de onde os genes de Nehemias e Esdras seguem às veias de qualquer judeu típico da atualidade. 

É por ele que a Grande Sinagoga e o Kahal não necessitam transmitir ordens escritas para que todo judeu as cumpra, como consignas infalíveis e crê absolutamente que, por exemplo, houve seis milhões de judeus “gazeados” pelos nacional-socialistas; e prega a todos nesse sentido, como se tivesse sido uma testemunha ocular, porque, por fim, o judeu é um robô biológico que é imutável, programado telepaticamente para cumprir ordens dadas através da torrente sanguínea, pela Grande Sinagoga, ou pelo Kahal regional, para que ali se consolidem, de forma dinâmica, seu “anti-sangue”. 

E a “verdade”, assim ativa, será sempre uma “mentira orgânica”, a mentira de sua origem, de sua falsificação biológica e seu “pecado racial” que deseja impor a si próprio, como um contínuo impuro, para que assim possa adquirir expressão a palavra do Demiurgo, do arquétipo sombrio – Jeová. Nesta ciência, ou talvez uma tecnologia racial de uma “anti-raça” e um “anti-sangue”, deverá buscar-se a explicação e se encontrar um caminho ao segredo de uma sobrevivência de séculos diante da mescla abismal. Mas para que isso seja plenamente possível, o Arquétipo Demiurgo necessita destruir as raças puras, exterminar a raça ariana e com a possibilidade de transmutação, redenção e regeneração do homem e da terra, no único sentido que devem se entender estes conceitos: o etnológico e o racial. Por isso mesmo, a purificação da raça e sangue arianos vem a significar a morte e conseqüentemente a destruição do judeu, que acaba carecendo de toda a possibilidade de domínio mundial, elevando seu Golem através de seu contínuo impuro. Assim, alcançamos novamente o ponto chave, ontológico, do conflito imenso que há entre Hitler, o Avatar ou Messias dos arianos, e o Demiurgo Jeová, com seus representantes e robôs aqui na terra – os judeus de Sião.

Onde outros povos mestiços predominam, aqueles cujo grau de mestiçagem é menor têm desaparecido na entropia fatal da mescla, onde a mesma raça branca parecera precipitar-se aos erros que a levarão à sua extinção; nisto, o judeu perdura, pela vontade demoníaca de manter um contínuo impuro, por medo da disciplina tenaz da “ciência do sangue”, de um instinto racial que roubaram dos arianos hiperbóreos emigrados de Gobi – Ases e Nephelin. Apropriaram-se para alcançar justamente o oposto. Por vezes, o judeu deverá absorver sangue ariano, mesclando-se com mulheres não-judias, em proporção moderada, tal qual um Drácula que bebe ao seu sangue, dissolvendo assim seu contínuo impuro sem jamais perder suas características transcendentes. E falamos em transcendentes porque nisso tudo há algo mais complexo que uma pura ciência biológica e materialista, não tendo o racialismo ariano nem o racialismo judaico nada material. É através do sangue puro a forma com que os arianos estabelecem um contato com seus deuses e escutam sua voz. Na mestiçagem, a impureza do sangue faz com que se perca a capacidade deste contato com seu mundo espiritual – o que Jung chamara de “Inconsciente coletivo” que, neste caso, vem a ser ariano – com os deuses da luz. E é através do já referido contínuo impuro que o Demiurgo pode se comunicar com seus acólitos, os judeus e também eles ouvirem sua voz – através do que o próprio Jung teria se referido como “Inconsciente coletivo judaico”. 

Ali estabelece seu tabernáculo aos deuses da luz e, portanto, não somente posto na terra. Trata-se de uma luta de altas potências, começada em um tempo imemorial, onde os representantes da luz – os filhos seus – caíram deste astro, entrando ao ouvido dos mesmos, ao “mesclar-se com as filhas dos homens”. Para tanto, o judeu estabelece com seu Demiurgo um Pacto Renovado e racial, racialista, de uma “anti-raça; e por ele é que deverá permanecer essencialmente impuro, de modo que não absorve mais que o necessário de sangue ariano, para que possa realizar a operação de sua magia negra, reversalmente alquímica, que lhe permitirá seguir adiante, sendo ontologicamente impuro, ou seja, um Sheidim – também em um sentido metafísico, bíblico. 

De modo que unicamente assim a comunicação seja expedida, cumprindo a promessa que Jeová fizera-lhes de entregar o domínio do mundo, junto com a destruição dos arianos divinos, os últimos Nephelin. Já o Führer Adolf Hitler teria dito: “O judeu talvez seja o mais decaído animal possível” – porque metafisicamente falando, Sheidim também o é. Um produto artificial de uma Mente, de um Propósito. É uma “anti-raça”, criada artificialmente, por meio de uma vontade e uma Nomocracia, ou seja, de um governo de leis. Ao compreender isso, é possível contemplar quão inferiores a esse propósito e a essa vontade se encontram os arianos nos dias de hoje, sendo materialistas, superviventes, adormecidos e covardes. Diante de uma minoria de fanáticos sionistas, acólitos de um super robô Golem, de um Demiurgo chamado Jeová, põe-se a tremer; entregam-lhes seus mais preciosos tesouros, para que os judeus corrompam, os destruam. Os arianos renunciam sua imortalidade; converteram-se em meros animais que se degeneraram. O judeu, por sua vez, os despreza com razão, sentindo náuseas estando em sua presença. Adolf Hitler tentou regenerar a raça ariana, por meio de uma estrita aplicação da Lei Racial dos Arianos, para salvar o que ainda era possível no imenso desastre étnico do verdadeiro povo eleito e divino. Teve, por isso, de enfrentar um conflito espiritual e definitivo com os representantes da “anti-raça”, do “anti-sangue” e do mal sobre a terra.

Retirado de:  Nacional-Socialismo - a única saída para os povos da América do Sul, O Judeu, pgs 35 - 43.

Sobre o autor:

Miguel Joaquín Diego del Carmen Serrano Fernández (nascido em 10 de Setembro de 1917, Santigo, Chile; morreu 28 de de Fevereiro de, 2009) foi um escritor, político e diplomata chileno. Nacional-socialista foi um expoente do rotulado "misticismo nazi" ou "hitlerismo esotérico". Sua filosofia elucida a origem sobrenatural Hiperbórea - descendência dos arianos, e anuncista da conspiração global promovida pelo Demiurgo Yahweh-Jeová, adorado pelo judeus, senhor do planeta Terra. Ele sintetiza as tradições religiosas Hindu-védicos e nórdico-germânica - que ele considera como provinda dos antigos Arianos Hiperbóreos - além de interpretações esotéricas do budismo, cristianismo (ou "Kristianismo"), Luciferianismo ( = não satanismo), e gnosticismo. Serrano é especialmente ligados as teorias raciais coletivas de arquétipos e segue Savitri Devi no reconhecimento de Adolf Hitler como um avatar (encarnação divina) que lutou contra os anfitriões materialistas demoníacos do Kali Yuga.


Como encontrar esse artigo no site?

Inicio > Personalidade - Biografias - Pensamentos > Autores e personalidades brasileiras e sulamericanas

4 comentários:

  1. Parabéns pelo conhecimento! A verdade vai prevalecer!

    ResponderExcluir
  2. Deve ser lido atentamente, relido, meditado e pensado com o intelecto e posteriormente tentar descobrir as verdades místicas (exotéricas com "x") que este escritor tenta mostrar ao leitor comum, como eu. Há algo mais profundo, sem dúvida, nesta esplêndida mensagem.

    ResponderExcluir

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...