Ilya Ehrenburg, o judeu que ordenava o extermino dos alemães

Ilja Ehrenburg
Ilya Ehrenburg Grigoryewitch (em russo: Илья Григорьевич Эренбург, nascido em 15 de Janeiro de 1891 em Kiev, Império Russo, morto 31 de Agosto de, 1967, Moscou) foi um judeu propagandista na URSS, que pregava o genocídio aos alemães. Ehrenburg, juntamente com Lazar Kaganovich e Grigory Zinoviev, foi uma das personalidades criminais judaicas mais notáveis ​por ter usado abertamente o bolchevismo como um meio para exterminar gentios para o benefício da raça judaica. No rescaldo da II Guerra Mundial, por meio do Comitê Antifascista Judaico, Ehrenburg foi um dos mentirosos judeus no Império Soviético que estiveram envolvidos na formulação do quadro "Holocausto" como um libelo de sangue contra os alemães.

Ehrenburg nasceu em uma rica família judia em Kiev (capital da Ucrânia), que era então na época parte do império czarista. Sua mãe, Chana, fez com que ele conhecesse todas as regras e rituais da religião judaica. Quando jovem adulto, ele começou a pensar em si mesmo mais como "cosmopolita". Ele, mais tarde, teve um "despertar" repentino de orgulho étnico judaico durante a guerra germano-soviética.

Ehrenburg, quando jovem
Quando adolescente, ele se envolveu com subversivos comunistas e teve que fugir do Império Russo em 1908 por causa de suas atividades políticas. Embora ele estivesse feliz ao ouvir que a usurpação bolchevique fora um sucesso, uma década depois, ele continuou a viver no estrangeiro. Ele visitou a URSS por um tempo no início de 1920, mas passou a maior parte do período de 1908-1940 em Paris (capital da França). Durante seu exílio, ele começou a publicar livros, e até o final de sua vida tinha publicado quase 30.

Ilja Ehrenburg retornou à União Soviética em 1941. Ele retornou como um voluntário ansioso para ajudar a coordenar as atividades anti-alemães. Sua dramática ascensão para a proeminência, apesar de nunca viver na União Soviética até 1941, mostrou que ele tinha a total confiança de Stalin. Hitler o chamou de "judeu de Stalin".

Entre os co-fundadores do "Comissão judaica Anti-Fascista da União Soviética", Ehrenburg desempenhou um papel fundamental. A missão do grupo era de incitar os judeus, não só a União Soviética, mas em todo o mundo - especialmente nos EUA - a apoiar Stalin na guerra contra a Alemanha. Alguns membros deste grupo visitaram os EUA mostrando "barras de sabão feitas de carne judaica" comprovadamente falsas.

...Sabão humano

Ehrenburg mesmo é o único homem cujo é o maior responsável pelo mito do "sabão judaico", alegando que os alemães fizeram sabão a partir da gordura dos judeus que mataram. Como parte da acusação, em Nuremberg, em nome da delegação soviética, Ehrenburg usou o sabão humano contra réus alemães. Barras de sabão foram descobertos com o carimbo "RIF". Ehrenburg alegou que esta foi a prova de que os alemães haviam feito tais barras de sabão, tal como se apresentava "Reines Judenfett" (Sabão judaico de Fette), de acordo com ele. O selo realmente representa "Reichsstelle für Industrielle Fette"  (Centro Industrial de Fette).

Agitação violentamente Anti-Alemão

A infâmia histórica ligada ao nome "Ilja Ehrenburg" vem acima de tudo de sua chocante, violenta e genocida propaganda de guerra. Em muitos folhetos distribuídos aos soldados soviéticos da linha de frente - bem como no Pravda e no "Estrela Vermelha", o jornal militar - ele incentivou os crimes de guerra, crimes contra civis, estupro em massa - e, geralmente, uma desumanizante com ódio fanático. Alexander Wirth, correspondente britânico em Moscou, o chamou de "um gênio em instigar o ódio contra os alemães."


Está mais do que marcado no imaginário popular como os russos trataram as alemãs em 1945. Na foto, soldados russos humilham uma mulher em Berlim

"Os alemães não são seres humanos. A partir de agora, a palavra "alemão" é a pior maldição em palavra possível para nós. A partir de agora a palavra alemã parece-nos bem rápida. Vamos dizer mais nada. Não vamos ficar animados. Vamos matar. Se você não tiver matado pelo menos um alemão em um dia, você tem desperdiçado aquele dia. Se você acha que seu vizinho vai matar um alemão, então você não percebe o perigo. Se você não matar os alemães, o alemão vai te matar. Ele vai raptar os seus parentes e trazê-los de volta ao sua maldito Alemanha, onde vai torturá-los". (Ilja Ehrenburg, 7 de julho de 1942)

Um dos folhetos de Ehrenburg, chamado simplesmente de "Morte", foi distribuído aos milhões para os soldados soviéticos. Ele incitou-os a tratar alemães como sub-humanos. Em outros escritos ele usava analogias de animais ("cães raivosos", "répteis", "escorpiões") para descrever alemães.

Crimes de Guerra

Como o Exército Vermelho estava empurrando a oeste para a Alemanha, a partir de finais de 1944, Ehrenburg abertamente chamou os soldados do Exército Vermelho a cometer violações de todas as mulheres alemãs que encontrassem. Ele continuou a incitar os soldados em direção a matar civis alemães nos últimos dias da guerra.

Não é o suficiente conduzir os alemães de volta para o oeste. Os alemães devem ser caçados, todo o caminho até o túmulo. Certamente, um Fritz com um olho negro é melhor do que um sem. Mas entre todas as variedades de Fritz, o melhor é o morto. (Ehrenburg, outubro de 1944, escrito no Estrela Vermelha).

Seus escritos anti-alemães venenosamente violentos - muito além de qualquer coisa que apareceram - são considerados por historiadores como tendo contribuído fortemente "para a orgia de assassinato e estupro por soldados soviéticos contra civis alemães".

Se você não pode matar o seu alemão com uma bala, matá-lo com sua baioneta. Se houver calma em sua parte da frente, ou se você está esperando para a luta, mate um alemão no mesmo período. Se você deixar um alemão vivo, o alemão irá travar um russo e estuprar uma mulher russa. Se você matar um alemão, mate outro - não há nada mais divertido para nós do que um montão de cadáveres alemães. Não conte aos dias, nem os quilômetros. Conte apenas o número de alemães mortos por você. Matar o alemão - que é o pedido da sua avó. Matar o alemão! - Que é a oração do seu filho. Matar o alemão! - sua pátria grita. Não perca. Não deixe passar. Mate!  (folheto "matar", por Ilya Ehrenburg)


Havia uma política oficial contra o estupro, mas era tão comumente ignorada que “foi somente em 1949 que soldados russos foram ameaçados realmente. Na foto, Massacre de mulheres e crianças em Nemmersdorf, Alemanha.

Ilja Ehrenburg permaneceu associado com o império soviético, e nunca se mudou para o Estado sionista na Palestina. No entanto, ele deixou uma vontade secreta afirmando que suas posses e seu vasto arquivo deviam ser transferidos para os sionistas em Israel, oque aconteceu 20 anos após sua morte, em 1987, e foi aclamado pela mídia judaica mundial como prova de que ele era um "judeu patriota". Ehrenburg foi homenageado pelo império soviético em 1952 com o Prêmio Stalin por sua vida de trabalho em nome do bolchevismo judeu internacional, mas a cláusula secreta em seu testamento, passando sua herança para o estado sionista, prova que  foi colocado seus interesses tribais em primeiro lugar ao seus últimos dia.

Matar, vocês bravos homens do Exército Vermelho-matem! Não há nada que o alemão não seja culpado. Camarada Stalin nos instrui a colocar para baixo este animal raivoso. Quebrar, com a sua força, o arrogante orgulho racial da mulher germânica. Leve-a como seu legítimo prêmio de guerra. Matar, bravos homens do Exército Vermelho. Matar...


Uma mulher chora entre escombros numa rua em Berlim. Os excessos soviéticos e o incentivo programado dado pelo alto escalão do Exército e governo russo é muito conhecido e documentado. Porém, a história das mulheres, crianças e remanescentes e a violência sofrida a eles durante e o pós guerra é uma história até hoje muito pouco procurada 


[...] Matar! Matar! Na corrida alemã não há nada, mas o mal; não um entre os vivos, nem um entre os ainda não nascidos, mas é mau! Siga os preceitos do Camarada Stalin. Carimbe para fora a besta fascista de uma vez por todas em sua toca! Use a força e quebre o orgulho racial dessas mulheres alemãs. Toma-lhes como o seu espólio legal. Matar! Como você avançam, matem, nobres soldados do Exército Vermelho... - Ilya Ehrenburg 

Um comentário:

  1. A História verdadeira não é contada, os motivos reais nos são omitidos, em tudo tem uma mão oculta por trás das ações dos poderosos, seria viável a possibilidade de um Secreto Governo Sinistro que nos Governa por trás, sem percebermos seus objetivos de escravidão e poder sobre as nações??? E principalmente sobre o Ser Humano e seus potenciais valores, incluso os emocionais, mentais, raiando o Espiritual e que nos come, ou se alimenta das energias praticadas pela violência entre os povos???Que há alguma coisa, creio que os há.

    ResponderExcluir

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...