Pular para o conteúdo principal

Festas juninas - raízes antigas de nossas tradições

Festa de Santo Antônio, de Nerival Rodrigues

No mês de Junho ocorre uma das maiores festividades do calendário, as Festas Juninas. Aulas são interrompidas para o ensaio da quadrilha e os professores são convocados para as festas juninas. Para muitos alunos, a proximidade das férias torna o evento ainda mais excitante.

E nós, professores de História, o que fazemos neste clima de festas juninas e de pouca concentração nos estudos? Propomos inserir essa manifestação da cultura popular no conteúdo escolar para compreendê-la como um objeto de estudo, isto é, analisá-la sob uma perspectiva histórica buscando seu significado mais profundo das festas juninas.

Festas Juninas: Dia de São João

24 de junho, dia de São João Batista, o mais festejado santo católico entre nós, faz parte das chamadas festas juninas que, por homenagearem o santo eram chamadas, inicialmente, de festas joaninas.

Festa do solstício de verão, 21 de junho, em Poznan, na Polônia quando milhares de balões são soltos.
As origens das festas juninas remontam a um tempo longínquo, muito anterior ao cristianismo, quando se celebrava o solstício de verão na Europa e no Oriente Médio. Nesta ocasião, os povos de origem celta e germânica comemoravam a fertilidade da terra e dos animais e as boas colheitas. Por sua origem agrária, era (e ainda é) uma festa rural. Daí as festas juninasremeterem a elementos próprios do campo: as bandeirinhas são colocadas no “arraial”, os participantes usam trajes ditos “caipiras” e o local é decorado com bambus, palha, sabugos de milho, folhas de coqueiro e de bananeira.

A Igreja apropriou-se das festas pagãs do solstício de verão dedicando-as a São João Batista. Convencionou o dia 24 de junho como sendo o nascimento de João Batista, seis meses antes de Jesus. Com isso reforçava a ideia do profeta e apóstolo como precursor do Messias. Cristianizou-se, assim, as duas comemorações mais populares dos povos pagãos do hemisfério norte: o solstício de verão e o de inverno consagrando-os, respectivamente, para o nascimento de São João e o Natal de Jesus.

Do Beltane pagão ao São João cristão nas festas juninas

Fogueira de São João, em Mäntsälä, Finlândia.
As festas juninas incorporaram, também, outras celebrações pagãs. A fogueira e a dança ao seu redor, por exemplo, fazia parte do Beltane, festival celta realizado no dia 1º de Maio. Era uma festa alegre, feita no bosque, em que as mulheres usavam coroas de flores e todos dançavam. Acendiam-se duas fogueiras para as pessoas passarem entre elas, inclusive o gado e os animais, com o objetivo de purificarem-se de doenças e energias negativas. Daí veio o costume de pular a fogueira nas festas juninas.

Ponto central do festival de Beltane era a celebração da fertilidade, ocasião em que os casais se uniam para gerarem filhos. Cristianizada as festas juninas, ela resignificou o ritual matrimonial pagão tornando-o um casamento fictício em que um “noivo” e uma “noiva” abrem a dança da quadrilha

A fogueira de Beltane, incorporada à festa cristã de São João, um dos dias das festas juninas, recebeu outro significado. Contava-se que o antigo costume de acender fogueiras no começo do verão europeu tinha suas raízes em um acordo feito pelas primas Maria e Isabel. Esta, grávida de São João Batista, combinou que o nascimento da criança seria sinalizado com uma fogueira acendida sobre um monte, para que Maria viesse ajudar a prima depois do parto.

A tradição da fogueira nas festas juninas, está presente nas festas dos três santos, mas tem formatos diferentes para cada um. A fogueira de São João é redonda, a de Santo Antônio, quadrada e a de São Pedro, triangular.

Tradições das festas juninas

As fogueiras receberam outros elementos festivos nas festas juninas: os balões e os fogos de artifício. Cinco a sete balões eram soltos para avisar o início da festança. As pessoas escreviam seus desejos e pedidos em pequenos papeis que eram atados nos balões e levados ao céu. Os fogos de artifício, segundo a tradição popular, serviam para despertar São João para as festas juninas. Hoje, pelo risco de incêndios, acidentes e mortes, os balões são proibidos por lei no Brasil e os fogos de artifício com maior poder de estouro devem ser manuseados por pessoas qualificadas.

Dança das fitas durante a festa de São João, Fazenda Demétria, Botucatu, SP.
O mastro de fitas desdobrou-se nas festas juninas como mastro de São João, conhecido em Portugal como o mastro dos Santos Populares. Erguido durante as festas juninas, ele celebra os três santos ligados as festas juninas: São João, São Pedro e Santo Antônio. É decorado, no alto, com milho e laranja – elementos que evocam as oferendas de pedido ou agradecimento pelas boas colheitas e a fertilidade da terra.

Outra tradição oriunda do festival de Beltane era o mastro de fitas. Trata-se de um mastro de madeira preso no chão e enfeitado com diversas fitas coloridas bem compridas. As cores tem significados variados: amor, saúde, prosperidade, alegria, paz etc. Cada pessoa escolhe uma fita conforme seu desejo e, segurando sua ponta, todos giram ao redor do mastro trançando as fitas como se estivessem tecendo seu próprio destino. A dança de fitas é muito comum em Portugal e na Espanha.

Já a quadrilha tem uma origem mais complicada. Remonta a uma dança medieval, surgida por volta do século XIII, entre os camponeses ingleses. A dança se popularizou e, no século XVIII, chegou aos salões aristocráticos franceses onde foi chamada de contredanse (contradança). Daí ganhou seu formato de dança social, dançada em pares em que os casais formam uma longa fila no salão. No final do século XIX, com algumas mudanças nos passos, foi chamada de quadrille (quadrilha) difundindo-se pela Europa e Estados Unidos.

Outras comemorações nas festas juninas

A celebração do dia de São Pedro é uma das mais antigas da Igreja, sendo anterior até mesmo à comemoração do Natal. O dia 29 de Junho é consagrado a São Pedro e também a São Paulo, data que se convencionou como sendo a do martírio de ambos. Mas a escolha do dia foi intencional: neste dia, os antigos romanos celebravam um culto pagão a Rômulo e Remo, os lendários fundadores de Roma. A Igreja apropriou-se da data considerando São Pedro e São Paulo como “Pais de Roma” que, com seu sangue,“fundaram” a Roma cristã.

Quadrilha de São João, em Campina Grande, PB.
Um costume curioso no dia de São Pedro é a obrigação daqueles batizados com o nome do santo de acenderem uma fogueira na porta de sua casa. Além disso, se alguém amarrar uma fita no braço de alguém chamado Pedro, este tem a obrigação de dar um presente ou pagar uma bebida àquele que o amarrou, em homenagem ao santo.

O dia de Santo Antônio foi consagrado na Idade Média pelo papa Gregório IX. Nascido em 1195, de família rica da nobreza portuguesa, ele entrou para a ordem dos franciscanos adotando o nome de Antônio. Pregou em muitas regiões da Itália e sul da França até seu falecimento, ocorrido próximo à cidade italiana de Pádua, em 13 de junho de 1231. Ficou, por isso, conhecido como Santo Antônio de Pádua. Sua popularidade era tamanha que logo seu sepulcro atraiu peregrinos de toda Europa, sendo venerado por ajudar a arranjar casamentos e a resolver causas perdidas.

Uma curiosidade: a escolha do 12 de junho como Dia dos Namorados, na véspera do dia de Santo Antônio, não tem nenhum apelo religioso. A ideia foi realmente comercial. A loja Clipper, em São Paulo, contratou em 1940, a agência de propaganda de João Dória. A loja precisava melhorar as vendas de junho, mês considerado fraco para o comércio. Depois das vendas do Dia das Mães, o comércio quase sucumbia até agosto, quando acontece o Dia dos Pais. João Dória elaborou uma campanha para o dia 12 de junho, inspirada no Valentine’s Day – um sucesso no comércio americano – e para o dia 13 de junho, Dia de Santo Antônio, popularmente consagrado como padroeiro dos namorados, com o slogan “Não é só de beijos que se prova o amor”, instituindo o Dia dos Namorados. Tornou-se um evento de sucesso e acabou entrando no calendário das tradições brasileiras.

Outra comemoração de junho que começa a ganhar força, é a do dia 14 quando se celebra o dia de Nhá-Chica, a primeira bem-aventurada negra do Brasil. Filha e neta de escravos, Francisca de Paula de Jesus, a Nhá Chica, nasceu em 1810, no povoado de Santo Antônio do Rio das Mortes Pequeno, um dos atuais distritos de São João del-Rey, em Minas Gerais. Viveu a maior parte de sua vida na cidade mineira de Baependi, onde faleceu em 1895. Órfã aos 10 anos de idade, Nhá-Chica dedicou sua vida à caridade e amor ao próximo sendo chamada de “Mãe dos Pobres” e “Santa de Baependi”. A beatificação de Nhá-Chica foi assinada pelo papa Bento XVI em 2012.

Festas juninas no mundo

Festa junina, em Arsnäs, na Suecia.
As festas juninas são particularmente importantes no Norte da Europa — Dinamarca, Estônia, Finlândia, Letônia, Lituânia, Noruega e Suécia —, mas também ocorrem em grande escala na Irlanda, Galiza, Inglaterra, Escócia, França, Itália, Portugal, Espanha, Malta, Ucrânia e em outros países como o Canadá, Estados Unidos, Porto Rico e Austrália.

No Brasil, as festas juninas foram trazidas pelos colonos portugueses. São João era festejado com entusiasmo nas missões jesuíticas. As fogueiras e tochas acesas provocavam grande efeito sobre os indígenas. Como as festas juninas coincidia com a época de colheita do milho e de preparação dos novos plantios, a tradição portuguesa acabava fundindo-se às práticas rituais indígenas ligadas à coivara.

Em outros países, as festas juninas também ganharam elementos culturais locais. Assim, por exemplo, na Polônia, as pessoas de fantasiam de piratas e comemoram com muita vodka; na Rússia, as moças colocam guirlandas de flores na água dos rios para dar sorte; na Suécia, as festas juninas são mais comemoradas que o Natal e dança-se ao redor de um mastro decorado com flores e folhas; em Portugal, as festas juninas são chamadas de Festa dos Santos Populares e a fogueira é mantida acesa com rosmaninho, uma planta perfumada.

Fonte: Ensinar História

Disponível em: Cultura e Sociedade

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oque nossos leitores mais leem

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Porque eles não querem que eles residam permanentes...
Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.
Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.
os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.
Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.
Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigra…

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

Negros e árabes escravizaram portugueses por 741 anos. Onde estão minhas reparações?

A grande "dívida" que os brancos tem com os negros por 400 anos de escravidão é provavelmente a maior mentira já contada na história. O preconceito contra os brancos é tão grande que até o Google mudou o resultado da minha pesquisa de “império mouro escravidão” para “império romano escravidão”. Mouro vem do latim Maures que significa Negro, devido a cor da pele deles dos integrantes do Império Mouro.
O Império Mouro foi o grande império muçulmano que conquistou o norte da África, Oriente Médio e Península Ibérica ( onde hoje se localizam Portugal e Espanha), é o mesmo império que alguns muçulmanos querem refazer através do estado islâmico. Com o regime de Califado, onde um homem seria escolhido por Deus para liderar o povo muçulmano na conversão do mundo para o islamismo.
Com o declínio do Império Romano, o Califado conseguiu uma brecha e em menos de uma década conquistou a península Ibérica inteira. Apesar da resistência de algumas regiões que voltaram rapidamente ao domínio …

Os judeus a Revolução Comunista russa e o assassinato do Czar

Acima, Tatiana e Olga; Sentados: Maria, Alexandra, Nicolau e Anastácia. E no chão, Alexei
Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…

O calvário das viúvas da ocupação

Após a liberação dos territórios ocupados pelos alemães dos países europeus, milhares de mulheres que tinham relacionamentos com soldados alemães foram expostas a execuções humilhantes e brutais nas mãos de seus próprios concidadãos. Era a "Épuration Légale" ("purga legal"), a onda de julgamentos oficiais que se seguiu à liberação da França e da queda do Regime de Vichy. Estes julgamentos foram realizados em grande parte entre 1944 e 1949, com ações legais que perduraram por décadas depois.
Ao contrário dos Julgamentos de Nuremberg, a "Épuration Légale" foi conduzida como um assunto interno francês. Aproximadamente 300.000 casos foram investigados, alcançando os mais altos níveis do governo colaboracionista de Vichy. Mais da metade foram encerrados sem acusação. De 1944 a 1951, os tribunais oficiais na França condenaram 6.763 pessoas à morte por traição e outros crimes. Apenas 791 execuções foram efetivamente realizadas. No entanto, 49.723 pessoas foram …

A verdade sobre Olga Benário e Prestes

Olga Gutmann Ben-Ario (1908 - 1942)
Por: Luiz Gonçalves Alonso Ferreira (1)

Na alvorada de março de 1934, vindo de Buenos Aires portando passaporte americano, desembarcara no Rio de Janeiro um sujeito de nome Harry Berger. Preso pela polícia carioca no natal de 1935, logo revelou-se a identidade secreta do viajante. Chamava- se, o misterioso elemento, Arthur Ernst Ewert, judeu alemão, fichado em seu país de origem, no qual era ex- deputado, como espião. Constava também processo por "alta traição".
Berger era o agente do Komintern, especialista em golpes subversivos, enviado para o Brasil com a missão de dirigir intelectualmente o plano traçado em Moscou, que objetivava a instauração de uma ditadura de tipo stalinista no País, por meio de levante armado. Sob ordens de Berger, lá estava Luiz Carlos Prestes, homem escolhido para encabeçar um "governo popular nacional revolucionário", segundo relatório do próprio Berger para o Komintern.
Prestes angariou simpatia no meio c…

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

“Nossas mães, nossos pais” - Um filme sobre a verdade da guerra

O filme “Nossas mães, nossos pais” (do alemão: "Unsere Mütter, unsere Väter"), exibido pelo canal de televisão alemão ZDF, conta a história de cinco jovens para os quais a Segunda Guerra Mundial se torna um desafio moral e ético, deixando clara a impressão de que a Alemanha está cansada de arrependimentos. O filme basicamente apresenta os soldados soviéticos como estupradores, os poloneses como antissemitas desumanizados e os ucranianos como sádicos. O contexto do drama vivido na invasão da Europa na sua verdadeira face.
A diplomacia russa considerou inaceitável o filme e enviou uma carta ao embaixador da Alemanha dizendo que a “maioria absoluta dos russos que teve a oportunidade de assistir ao filme” o achou inaceitável. Também foi criticado a exposição que fez o filme as atrocidades cometidas pelas tropas da URSS aos excessos isolados perpetrados por militares soviéticos na Alemanha, os quais foram severamente punidos pelo comando militar soviético, mas tão só depois de um …