Black Metal Versus Pós-modernidade


Vários anos após a ascensão do  Black Metal nacional-socialista (NSBM), é hora de finalmente perceber que um verdadeiro sentido Black Metal foi perdido. Isto aconteceu através de uma série de eventos e desenvolvimentos, incluindo a prisão e libertação de Hendrik Möbus, o surgimento de uma cepa depressiva de Black Metal, o suicídio de Jon Nödtveidt, e uma simbiose entre o metro e o mainstream.

A uniformidade do mundo pós-moderno empurrou o Black Metal para o abismo da recursividade, de se reinventar, para ser produto e produtor - uma construção complexa que, apesar de sua mensagem, tende a sua própria destruição e devastação.

A desova primordial do movimento NSBM começou com a adoção de Hollywood de elementos "nazi-fascista" que foram projetados simplesmente para chocar e assustar, mas isso mais tarde evoluiu para uma direção mais "positiva" que ficou ligada ao objetivo de afirmar explicitamente a "sobrevivência racial". Isso criou a ironia de um gênero musical que tinha sido centrada nos aspectos transversais metafísicos para a vida e a morte se tornando  em vez disso, focada "na vida".




No lugar de aspectos Nacional-Socialistas totêmicos, houve uma incorporação do Nacional-Socialismo e elementos ideológicos identitários, geralmente de natureza nostálgica e anacrônico. Isto também tendeu para uma domesticação e amolecimento do movimento, bem como uma certa perda de espiritualidade na contra-cultura (ou "ocultura").

O que antes era assustador e radical, assim, tornou-se focado na técnica e acessível às massas, efetivamente tornando-se um desmistificado e "secular" Black Metal. Este movimento, que separou a música de suas raízes, foi bem acolhido e apoiada pelo público. Mas como os aspectos "positivos" foram destacados, o Black Metal também perdeu muito de sua natureza primária - sua negatividade fundamental, o abismo do qual ele chamou a sua energia, como, em essência, o Black Metal era a glorificação da morte como um núcleo de transcendência.

"Velhas guerras, velhos inimigos e uma nova aurora"

Através desta reinvenção, esta chamada contracultura e ataque à sociedade, passou por um processo de "embelezamento", vendendo para fora seu poder mítico em troca de "banalidades" como "fraternidade e filantropia". De existente como uma heresia no cenário da música contemporânea, se transformou em algo mais parecido com "música folclórica". O verdadeiro espírito Black Metal foi perdido sob camadas de flautas, ocarinas, e votos de "felicidades para todos".

Alguns argumentam que o declínio do Ocidente encontra-se no individualismo, e que devemos, portanto, esforçar-se para escapar dele e virar-se para tal bonomia coletiva, mas, ao mesmo tempo, não pode haver lugar para o socialismo no domínio do Black Metal.

Como, então, podemos criar uma antítese individualista potente no Black Metal para se opor à atomização da modernidade que está transformando o mundo em uma gaiola efeminada centrada nos direitos humanos amados por esquerdistas? Para responder a isto vou usar uma metáfora do Narasimha Purana, um dos Upapuranas, um gênero de textos religiosos hindus, e invocar o pensamento dionisíaco de Nietzsche. Façamos as seguintes equações:

Hiranyakashipu = o mundo pós-moderno (uma consequência do mundo moderno)
Vishnu = o verdadeiro ethos ocidental
Narasimha = a forma e a função do Black Metal

No Narasimha Purana, Hiranyakashipu (o mundo pós-moderno) não pode ser morto por um ser humano, deva, ou animal. Vishnu (o Ethos Ocidental), toma forma através de Narasimha, uma divindade animal / homem. Em um mundo cruel, Vishnu torna seu mais cruel avatar, de modo que Narasimha (Black Metal), se é para ter uma existência significativa, deve ir além de todos os parâmetros e limites aceitáveis, e não limitar-se a normas estabelecidas, que apenas levam-lo em anacronismo.

“Você nunca deve confiar naquilo que é divulgado pela mídia. A primeira prioridade deles é espalhar boatos e a segunda é ganhar dinheiro. Eles nunca se preocupam realmente em dizer a verdade.”  ―Varg Vikernes

Esta dependência de um grau de individualismo pode parecer paradoxal, mas ao invés de o narcisismo egoísta do mundo pós-moderno, é na verdade uma negação pura do Eu e uma pulverização de todos os aspectos humanos. É puro desejo separado da razão porque em um mundo apolíneo, o homem apolíneo tornou-se homem-massa.

Fazes o que tu queres e há de ser tudo da Lei: isso deve negar a principal regra do Mundo Moderno, ou seja, a razão.

Como os valores progressistas e ciência caminham lado a lado, não há verdadeira separação entre Estado e religião. Isto apesar de o ponto de vista de ateus que somente uma religião com deuses explícitas é uma religião real. Na verdade, o liberal ateu racional secular tem muitos outros "deuses". Para se afastar de tais banalidade espiritual é importante conceber o mundo como ele realmente é, como algo mais irracional, supersticiosa, sinistro, amoral, e transcendente.

A religiosidade e o fanatismo expressa por setores dentro do Black Metal deve ir além dos meros elementos estéticos ou devoção como um fim em si mesmo. Abre-se um ataque a pós-modernidade de dois flancos no tempo: passado e futuro.

O Black Metal tem servido não só como uma ferramenta de apostasia - um meio de optar por sair - mas também como um precursor da espiritualidade de velho e novo. Mas até mesmo os elementos de ressentimento tem agido como um catalisador do conhecimento/ sabedoria. Sem o Black Metal para explodir as escalas de distância, muitos não teriam sido capaz de investigar  as vias mais esclarecedoras.

Na base de que todas as grandes civilizações e suas manifestações, tem sido produto de povos indo-europeus, não é difícil entender a razão pela qual o ocultismo - que são religiões e espiritualidade de eras passadas - tendem a evocar graus e formas de consciência racial e nacionalismo branco que incidem sobre reivindicações culturais e identitárias (Kulturkampf) em vez de a defesa do moderno Estado-nação (uma política ideológica). Isso aponta para o despertar de arquétipos como pequenas ilhas na modernidade, ilhas tribais em um mundo uniforme.

O Rock, o "avô" de Black Metal, também, assim como o mesmo, apela para o básico, carnal, aspectos despertados, reprimidos por séculos de música branca apolínea. O surgimento do Rock marca um retorno do dionisíaco que rejeita, zomba, perturba, e destrói o puro, som pop racional (a celebração, forma de realização, e estase da banalidade da vida moderna). É um impulso para derrubar a ordem universal enraizada nas catacumbas de Roma, que tem castrados a besta no homem.

Vou terminar este breve comentário com uma citação de Friedrich Nietzsche, que talvez pudéssemos afirmar como um ponto elaborado a partir de "O Nascimento da Tragédia":

"[L] est a tendência apolínea congela toda a forma em rigidez egípcia, e na tentativa de prescrever a sua órbita a cada onda particular inibi o movimento do lago, a maré e enchente dionisíaca destrói periodicamente todos os pequenos círculos em que o apolíneo vai se confinar no Helenismo. " - (Nascimento da Tragédia 9.)

Fonte: Black Gnosis

Veja Também:

Until The Light Take Us ("Até que a luz nos leve") - o verdadeiro significado do Black Metal

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...