quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Charlie Hebdo, Terrorismo, Mentiras e Manipulações


Dois homens fortemente armados, mascarados e bem treinados executaram um ataque bem planejado em Paris, contra a redação da revista humorística “Charlie Hebdo”, nesta quarta-feira (07/01/2015), onde 12 pessoas foram assassinadas. Dentre elas estavam 8 jornalistas e dois policiais.

Todavia, diante da descrição dos suspeitos e acontecimentos reportados até agora, surgem várias perguntas. Os órgãos de segurança franceses anunciam que os atiradores eram profissionais e agiram com sangue frio, foram treinados para aqueles armamentos, conheciam o ritmo de trabalho da redação e os nomes dos alvos que deveriam matar. Conseguiram também escapar e estão desaparecidos. Quer dizer, ou eram assassinos profissionais de algum serviço secreto que executaram mais uma “Operação Gladio” ou trata-se de combatentes islâmicos experientes.

Este desenho apareceu poucas horas antes do atentado
e teria sido o motivo do tiroteio

Não importa quem tenha sido, o governo francês é completamente culpado pelo ato terrorista. Pois não importa se tenha sido um atentado sob falsa bandeira, para colocar a culpa no mundo islâmico, ou se tenha sido realmente combatentes muçulmanos: quem os recrutou, treinou e armou durante todos esses anos para poder lutar na Líbia ou na Síria contra os governos locais? Esta tragédia em Paris é o resultado direto da política francesa de “mudança de governo”, para derrubar Gaddafi e Assad, com ajuda de radicais islâmicos. O que as pessoas vivenciaram em Paris acontece há anos – diariamente – na Líbia e na Síria, apenas que lá são “nossos terroristas” que executam em “nosso nome” milhares de assassinatos e execuções de civis. Pode ser que os combatentes da Síria tenham retornado e diante do bom aprendizado de seu novo métier, eles o exercitam aqui.

"Esses dois irmãos que atacaram aos escritórios da revista em París dominaram a "arte do terror” na Síria, lutando, certamente junto com aqueles que tentavam derrotar a Baschar Al Assad com o apoio de nossos colegas do Ocidente” - Serguei Lavrov,  Ministro do Exterior da Rússia. (fonte)

A França sempre frisou a importância de se apoiar os combatentes pela liberdade nos países árabes, para que a “Democracia” retorne. Por isso um contingente enorme de terroristas islâmicos foram recrutados. treinados, armados e catapultados para os países alvos, do norte da África até o Oriente Médio, como parte da estratégia da OTAN de hegemonia e expansão. Uma parte dos terroristas vêm da Europa, seguiram o apela da Jihad, aprenderam a lidar com armas e a matar pessoas, são controlados e enviados pelos serviços secretos ocidentais. Estes combatentes voltam em algum momento e então espalham por aqui o terror, como possivelmente aconteceu agora. Morde-se agora a mão que os alimentou ou, quem semeia vento colhe tempestade...

O diretor da organização policial europeia, a Europol, avisou que cerca de cinco mil europeus estão a participar nos confrontos armados na Síria, o que representa a maior ameaça à segurança do continente nos últimos dez anos. "Esta é certamente a ameaça terrorista mais séria que a Europa já enfrentou desde o 11 de Setembro", disse esta terça-feira Rob Wainwright, diretor da Europol, num comité do parlamento britânico. (Link da Notícia)


Segundo a BBC, o ministro do exterior francês declarou em 2012 que ele queria discutir com seus parceiros europeus o fornecimento de armas para a “oposição síria”. O Palácio do Eliseu quer suspender o embargo de armas contra a Síria, para que as “armas de defesa” cheguem até os combatentes da oposição. Em 2013, o Guardian escreveu que a França e a Inglaterra armam a oposição ao governo Assad, um passo radical para empurrar o pêndulo a favor dos terroristas. Presidente Hollande foi até o encontro da UE com o dramático apelo, a Europa deveria se alinhar com Paris e Londres, e suspender o embargo de armas. France 24 anunciou em 2014, o presidente Hollande teria confirmado o fornecimento de aramas aos rebeldes sírios “por alguns meses”.

Agora eles receberam a conta. As kalashnikovs (Fuzil AK-47) que aparentemente foram usadas em Paris, nos assassinatos, podem ser provenientes do próprio fornecimento ou ter sido compradas com dinheiro francês.

E que coincidência, o parlamento francês foi favorável no início de dezembro de 2014 ao reconhecimento da Palestina como Estado soberano. O primeiro-ministro israelita, Netanjahu, alertou Paris que isso seria um grave erro. “O reconhecimento de um Estado palestino por parte da França seria um grave erro”, disse ele a um repórter em Jerusalém, no final de novembro, poucos dias antes da votação. Temos aqui o revide por causa deste erro? O Mossad está por detrás do atentado? Histórico para isso é que não falta.

Existem ainda outros motivos para que a França seja “punida” com terrorismo. Isso acontece quando governos pensam que podem dançar fora do ritmo da música. Hollande criticou duramente as sanções do ocidente contra a Rússia. “As sanções devem ser suspensas, se houver avanços”, disse ele e referiu-se ao encontro marcado juntamente com o presidente Wladimir Putin, o presidente ucraniano Petro Poroschencko e Angela Merkel, a 15 de janeiro, na capital do Cazaquistão, Astana.


A rapidez com qual a mídia reagiu também é surpreendente. O Bild Zeitung já publicou poucas horas após o atentado uma manchete apropriada com todas as caricaturas da revista satírica. Composição, layout e impressão foram expeditas. A mensagem central das mídias foi: houve um atentado islâmico contra a livre imprensa. Muçulmanos são intolerantes e não entendem humor, por isso quatro desenhistas e um chefe-redator foram mortos. Não existe qualquer prova para esta acusação, mas ela é feita simplesmente.


Eu tenho que rir aqui, pois o exercício da liberdade de expressão que é salientado com toda pompa, onde o Islã e Maomé podem ser ridicularizados através de caricaturas, não é permitida sua aplicação a outras religiões. Principalmente uma delas é completamente tabu, pois então não existe mais liberdade de imprensa, opinião e expressão. Esta passagem foi suprimida pelo autor do artigo e os dois parágrafos seguintes inseridos – NR: “Onde existe, por exemplo, uma caricatura que mostra um rabino circuncidando um recém-nascido.


Quando o Stuttgarter Zeitung publicou uma caricatura de Netanjahu em 2013, onde ele estaria envenenando o processo de paz, choveram protestos e ofensas. A embaixada israelita em Berlim enviou uma grave nota de protesto, o desenho era antissemita e iriam incentivar o estereótipo do judeu e Israel. Os sionistas não entendem humor quando trata-se de críticas contra eles próprios. Veja reação no “Jüdische Allgemein”. Porém, a caricatura mostra a verdade, Neyanjahu faz de tudo para boicotar os esforços pela paz no Oriente Médio.

A redação do StZ abaixou a cabeça e lamentou o ocorrido, que sentimentos tenham sido feridos pela caricatura. Por esse motivo a caricatura não seria mais impressa por ordem da direção da redação. Mas os redatores do “Charlie Hebdo” são incentivados por todos a não se curvarem e agora sim a agir contra o Islã.

Ou, como foi mesmo vilipendiada a liberdade artística de Günter Grass, quando ele ousou criticar através de uma poesia a política do governo israelita. A mídia alemã escorraçou-o e o xingou de antissemita. Exatamente os mesmos que agora se apresentam como “tolerantes” e se pavoneiam ao extremo, são exatamente aqueles que em outras ocasiões não permitem uma pitada de tolerância.

Marcha em Paris com o slogan que em português diz: "Eu sou Charlie Hebbo". Onde estavam quando o abjeto terror takfiri foi lançado contra todo o mundo árabe em nome da expansão da Nova Ordem Mundial?

Percebem que depende sempre para onde dirige-se a crítica e que a liberdade de opinião é relativa?

Segundo as novas informações, os suspeitos procurados, os irmãos Said e Cherif Kouachi, teriam sido vistos no norte da França. Eles estariam armados e fugindo em um Clio cinza, assim informou a polícia. Um posto de gasolina foi ainda assaltado por eles, levaram gasolina e algumas coisas para comer e estão agora em direção a Seine-et-Marne. Como pode isso? Passaram-se 24 horas e toda a polícia do país procura por eles e eles ainda fazem um passeio pelo país?

Eu já prevejo o provável fim dessa estória. Vai acontecer um tiroteio e ambos serão mortos por comandos especiais. Então afirmar-se-á que foi em legítima defesa, eles eram os culpados, nada precisa ser apurado, o caso é encerrado. Foram alvejados em fuga, não é possível mais nenhuma contestação, os dois malvados muçulmanos eram culpados. É sempre assim, como em Boston.

O que pesa a favor da suposição de uma operação sob falsa bandeira, um "inside job"

A dupla assassina cometeu um “erro estúpido” ao extremo: os investigadores franceses teriam descoberto uma carteira de identidade no veículo utilizado para a fuga, um Citroen C3. Trata-se aqui de Said Kouachi (34) e Cherif Kouachi (32). Por favor, que terrorista carrega consigo sua identidade e a deixa no veículo para que a polícia a encontre? Isso parece muito com a prática de plantar provas, como já aconteceu com frequência em outros atentados terroristas encenados. A 11 de setembro de 2001, encontrou-se também o passaporte de um dos sequestradores do avião totalmente preservado, sob os escombros fumegantes do World Trade Center. Fisicamente impossível este passaporte ter sobrevivido ao fogo e ao desmoronamento.

Assassinos profissionais que esquecem suas identidades para ser identificados imediatamente. Oi!! Por outro lado os terroristas atacaram justamente naquele horário, pois de alguma forma sabiam que toda a redação estaria reunida naquele momento. Como eles poderiam saber? Tal informação têm somente os integrantes da editora. Como os terroristas sabiam disso? Um comando assassino formado por profissionais saberia disso. Também a rápida execução do atentado em 5 minutos atesta a hipótese da ação aqui de profissionais.

Segundo uma testemunha sobrevivente, ambos falavam perfeitamente francês, ou seja, são “nativos”. Uma funcionária da editora, que assinava sob o pseudônimo de “Coco”, permitiu a entrada dos mascarados no prédio, digitando o código de acesso na entrada. Ela também disse que ambos os homens falavam perfeitamente francês e teriam afirmado ser terroristas da Al-Qaida.

Sim, Al Qaida, muito importante, ainda quando sabemos que este nome do grupo significa “banco de dados” em árabe; eles são funcionários da CIA. Pertence à administração do terrorismo de Washington, sempre deixando que eles apareçam onde há necessidade de um atentado terrorista. Existem alguns interesses para incitar a população francesa contra os muçulmanos.

Charlie Hebdo – Um terrorista tinha olhos azuis!?!

Irmãos Kouachi

A jornalista, que sobreviveu ao atentado na redação da Charlie Hebdo, reportou que um dos terroristas tinha olhos azuis. Mas analisando as fotos divulgadas dos irmãos Kouachi, acusados de serem os autores, não vemos nenhum olhos azuis.

Esta testemunha pode ser Sigolene Vinson, que fou poupada no atentado, pois como afirmou, eles não iriam matar uma mulher.

Mais uma inconsistência. Este depoimento confirma minha firme convicção, os assassinos eram profissionais de algum serviço secreto e os irmãos Kouachi foram usados como bodes expiatórios para lhes imputar a culpa, caçá-los e simplesmente assassiná-los a sangue-frio, silenciando-os.

Foi suicidado?

Charlie Helric Fredou, comissário de polícia de Paris

Ainda mais uma pessoa morreu com uma bala na cabeça, o comissário Helric Fredou (45) que participou das investigações sobre o ataque à redação do Charlie Hebdo. Ele teria cometido suicídio na noite de quarta para quinta-feira, em seu escritório utilizando sua própria pistola. Ele vivia sozinho, não tinha nem mulher nem filhos. Ele não conseguiu mais finalizar seu relatório sobre sua parte da investigação.

Seria ele mais uma vítima do “poder da escuridão” que se esconde atrás do atentado? Ele sabia demais? Ele foi silenciado por saber demais ou teria descoberto algo terrível com o qual não conseguiu lidar? Afirmar-se agora que ele sofria de depressão. Compreensível. Quando se conhece toda a podridão que permeia os bastidores, então é bem possível se tornar depressivo e duvidar do sentido do trabalho policial.

O sangue foi plantado?

Na reportagem abaixo, o repórter diz “the blood on the ground which has been put there”, ou em português “o sangue sobre o chão que foi colocado lá”:


O lugar onde o sangue foi plantado também está errado. O policial jazia pelo menos 1 metro e meio da placa publicitária, como mostra o “vídeo do fuzilamento”, mas a mancha de sangue é vista agora junto à placa. Isso não se encaixa com o local onde ele teria sido supostamente alvejado e sangrado.

Quem ainda acredita que o policial deitado no chão tenha sido alvejado, aqui seguem algumas cenas daquilo que acontece quando se recebe uma bala na cabeça. O sangue aparece imediatamente em grande quantidades. Porém o vídeo denunciante foi "democraticamente" retirado pelo Youtube - NR.

Charlie Hebdo falido?

Existem relatos de que a revista Charlie Hebdo estava prestes a falir. As vendas recuaram drasticamente e tinha poucos leitores. Isso aproxima-se da suposição de que tratou-se também de uma operação propagandística, para se colocar como vítima e ganhar a simpatia para a moribunda revista. De um lado o Islã e o Cristianismo foram pichados da forma mais vil, e por outro lado alguns próprios funcionários haviam sido demitidos por antissemitismo.

Quem governa a França mesmo? Enquanto isso, o Front National não pôde se manifestar em Paris.

Se um negro é ofendido, isso é racismo
Se um homossexual é ofendido, isso é homofobia
Se um judeu é ofendido, isso é antissemitismo
Se um muçulmano é ofendido, isso é "defesa da liberdade de expressão”.

Fontes:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...