A farsa do "suicido" de Rudolf Hess - mais um crime aliado


A Scotland Yard deu os nomes dos agentes britânicos que supostamente assassinaram o ex-deputado do Reich e vice de Adolf Hitler, Rudolf Hess, na infame prisão de Spandau, mas foram aconselhados pelo Ministério Público a não prosseguir com suas investigações, de acordo com relatório recentemente lançado pela própria organização policial. 

Escrito dois anos após a morte de Hess em 1987, o documento classificado esboça um inquérito altamente sensível sobre as reivindicações de um cirurgião britânico que já havia tratado o vice de Adolf Hitler que, ao invés de tirar a própria vida, foi morto por ordens britânicas para preservar segredos de guerra.

Lançado sob o Freedom of Information Act, o relatório redigido parcialmente pelo detetive superintendente-chefe Howard Jones revelou que o cirurgião - Hugh Thomas - tinha fornecido por um "funcionário do governo" responsável pela formação de agentes secretos os nomes de dois suspeitos. 

Retido por quase 25 anos, o relatório foi divulgado pelo comando da Scotland Yard antiterrorista após consulta com "outros departamentos governamentais e de governos estrangeiros". 


A morte de Hess em Berlim com a idade de 93 anos depois de ter aparentemente se enforcado com um fio flexível em uma casa de veraneio no terreno de Spandau tem sido controverso, com alegações de que ele estava muito fraco para cometer suicídio e um bilhete de despedida para sua família tinha de fato sido escrito 20 anos antes. 

A The Yard foi chamada, em 1989, depois que o Sr. Thomas, um ex-cirurgião militar eminente anteriormente com base em Spandau, afirmou em um livro que "Hess" era na verdade um impostor enviado pelos "nazis" para a Grã-Bretanha em 1941 e seu assassinato foi realizado por dois assassinos britânicos disfarçados de militares americanos. 

Em seu relatório posterior de 11 páginas, o Sr. Jones disse que o cirurgião tinha " transmitido confidencialmente" os nomes de dois supostos suspeitos passados a ele por um informante, que era um ex-membro da S.A.S e desde então assumiu um papel de "treinamento de pessoas para operações de espionagem ".



Antes de sua morte, a especulação tinha sido crescente de que Hess deveria ser liberado se não fosse um longo veto por parte da União Soviética, que durante décadas tinha insistido em um regime severo para Hess, inclusive obrigando-o a lavar as mãos no vaso sanitário, que podia ter sido revertido pelo então ministro Mikhail Gorbachev. 

Mr Jones escreveu: "[Thomas] tinha recebido informações de que dois assassinos tinha m sido ordenados em nome do governo britânico para matar Hess, a fim de que ele não pode-se ser liberado e ficasse livre para expor os segredos sobre a conspiração para derrubar o governo Churchill.

O oficio não encontrou "muita substância" às reivindicações do Sr. Thomas de assassinato, mas sugeriu que deviam ser feitos esforços para encontrar e entrevistar os supostos assassinos junto com outras testemunhas para assegurar que o assunto fosse "exaustivamente julgado" para poder ser fechado. 


Não se sabe se os dois suspeitos foram rastreados depois que o relatório foi submetido ao Crown Prosecution Service  em maio de 1989. 

Mas, dentro de seis meses, a investigação foi encerrada após o então Diretor da Promotoria, Sir Allan Green Q.C, julgar-se ciente de que novas investigações não eram necessárias. 

Em novembro de 1989, Sir Nicholas Lyell, o procurador-geral, disse ao Parlamento: "Os inquéritos realizados pelo detetive superintendente Jones produziram nenhuma evidência convincente para sugerir que Rudolf Hess foi assassinado; nem, na visão do Diretor do Ministério Público, não há qualquer base para uma investigação mais aprofundada ". 


A chegada sem aviso prévio de Hess na Grã-Bretanha foi um dos incidentes mais estranhos da Segunda Guerra Mundial e continua a ser objeto de um amplo debate sobre a sua motivação, incluindo se foi uma tentativa mal-julgada para destituir Winston Churchill alistando aristocratas com "simpatias nazis"

Depois de voar para a Escócia, em 1941, ele foi de pára-quedas para o chão e, depois de ser levado em custódia, declarou sua intenção de negociar a paz com a Grã-Bretanha para formar uma aliança contra a União Soviética de Stalin. 

Hess foi condenado à prisão perpétua "como um criminoso de guerra" nos Julgamentos de Nuremberg e encarcerado em Spandau, juntamente com outros líderes alemães, incluindo Albert Speer. A partir de 1966, o vice de Hitler - cujas guardas aliados foram obrigados a só se dirigem a ele como "prisioneiro sete"- foi o único preso na prisão de 600 celas!

Rudolf Hess, morto em 1987

Além disso, foi reivindicado sobre as circunstâncias do suicídio de Hess quando surgiram fotos da casa de verão onde morreu, mostrando a curta distância - 5 pés - entre o cabo a partir do qual ele foi encontrado pendurado e o chão. 

Seu filho, Wolf, já havia insistido que a altura não era suficiente para seu pai, aleijado pela artrite, para se enforcar e deixando evidências de morte sugerindo um laço completo em volta do pescoço. 

Em seu relatório, o Sr. Jones rejeitou tais preocupações, alegando "conselhos de especialistas" que apresentaram lesões de Hess que foram consistentes com uma "situação de suspensão incomum".

aprisionado metade de uma vida, até seu túmulo foi violado em 2011, mas seu espírito nunca será abatido pelo inimigo. 

Fonte:


Veja Também;


3 comentários:

  1. quando fazes um post a desmistificar a 'noite das facas longas'?
    o Rohm era mesmo comuna infiltrado, como dizia o Goebbels, ou não?
    ele planeava dar um golpe de Estado contra Hitler?

    é importante desmistificar tudo isto, para não sermos apanhados de surpresa em discussões com os filhos da puta anti-fascistas, que estão sempre a pegar em pormenores e episódios de caca para atirar à nossa cara e tirar legitimidade ao nacional-socialismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma ótima pedida, camarada. Aliás, em breve iria mesmo sair um artigo a respeito do tema, logo em breve, previsão desta semana.

      Excluir
  2. A ideia corrente é que o fortalecimento da SA subiu à cabeça de Rohm ao ponto de achar que poderia passar por cima (golpe) de Hitler... Li algures que em certas reuniões Rohm tinha comportamento arrogante e até ridicularizava Hitler abertamente... Mas teve o fim que mereceu.

    ResponderExcluir

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...