domingo, 28 de setembro de 2014

Luta Contra as Altas Finanças



Multinacionais, Bancos, Governo e Você

A derradeira frente de combate contra a Plutocracia

A principal estratégia das grandes oligarquias internacionais sempre foi desviar a atenção das pessoas no que diz respeito a “uma das mais importantes pré-condições para a fundação” do partido nacional-socialista, conforme o próprio Adolf Hitler escreveu em sua obra “Mein Kampf”, página 229.

Cerne desta estratégia é levar toda ideia sobre o nazismo à questão racial. Qualquer outra abordagem sobre as diversas políticas (educacional, econômica, social, cultural, etc) praticadas outrora pelo governo alemão tem sua interrupção sumária determinada pelos porretes linguísticos como “teoria nazista” ou “racista” ou “anti-semita”. A intenção aqui é impedir o desenvolvimento intelectual acerca do tema. Pudemos verificar a aplicação desta tática em setembro de 2007, quando uma das mais famosas apresentadoras no “Jornal Nacional” da TV alemã, Eva Herman, elogiou publicamente a política de Hitler no que concerne a família. A reação foi de espanto total. Eva Herman foi demitida e linchada publicamente.

Uma das principais obras sobre a luta contra as altas finanças foi escrita por Gottfried Feder, em 1932.

Nesta obra, Feder descreve como a economia de um país pode sobreviver sem o sistema financeiro baseado na exploração dos cidadãos através da escravidão dos juros. Sua explanação sobre a criação dos Bancos Sociais da Construção Civil para intensificar este setor da economia é de gigantesca genialidade. Basta aqui citar que em plena crise financeira do início da década de 30, da qual os países aliados somente conseguiram sair graças à guerra contra a Alemanha, esta conseguiu reduzir o número de desempregados de 5,2 milhões em 1933, para menos de 1 milhão em 1937.

Vejamos o que Feder escreve no prefácio de seu livro, em 1932:

Luta contra as altas finança

Nós estamos no décimo ano após o memorável 9 de novembro de 1923. Na véspera deste dia, em 8 de novembro, nosso Führer escreveu o prefácio para meu livro “O Estado alemão sob bases nacionais e sociais” e ali a frase: “O acervo bibliográfico de nosso movimento recebe aqui sua catequese”. Um pequeno período na vida de nosso povo ao longo do tempo, mas observando o desenvolvimento de nosso Movimento e a história de nosso povo neste espaço de tempo, é um período dos mais importantes e decisivos. Pois estes poucos anos levaram a maioria dos nacionalistas alemães a reconhecer a salvação no Nacional-Socialismo e, passo-a-passo, o resultado do desalmado Tratado de Versailles comprovaram o direito e a legitimidade de nossas reivindicações. Nosso Führer permaneceu nestes decisivos anos à nossa frente numa exemplar retidão. Os objetivos programáticos do Movimento que foram postulados inicialmente, permanecem válidos e inalteráveis.(...)

Em maio de 1919, logo após a publicação de meu artigo “A via radical”, eu proferi uma palestra em um curso para soldados, entre os quais se encontrava Adolf Hitler. Adolf Hitler escreveu sobre isso em seu livro “Mein Kampf” (I, pág. 229): 

“Pela primeira vez na minha vida, assisti a uma exposição de princípios relativa ao capital internacional, no que diz respeito a movimentos de bolsa e empréstimos. Depois de ter ouvido a primeira preleção de Feder, passou-me imediatamente pela cabeça a ideia de ter então encontrado uma das condições básicas para a fundação de um novo partido. 

Aos meus olhos o mérito de Feder consistia em ter pintado, com as cores mais fortes, o caráter especulativo, assim como econômico, das bolsas e dos empréstimos internacionais e ter mostrado a sua eterna condição prévia de aplicar juros. As suas exposições eram tão certas em todas as questões fundamentais, que os críticos desde logo combatiam menos a veracidade teórica da ideia do que a possibilidade prática de sua execução. Assim, o que aos olhos dos outros era considerado o lado fraco das idéias de Feder, consistia aos meus o seu ponto mais forte.”

E segue com:

“Quando assisti à primeira conferência de Gottfried Feder sobre o ‘rompimento da escravidão dos juros’, percebi imediatamente que se tratava aqui de uma verdadeira teoria destinada a imensa repercussão no futuro do povo alemão. A separação acentuada entre o capital das bolsas e a economia nacional, oferecia a possibilidade de se enfrentar a internacionalização da economia alemã, sem ameaçar o princípio da conservação da existência nacional independente, na luta contra o capital. Eu via com bastante clareza o desenvolvimento da Alemanha, para não perceber que a maior luta não seria contra os povos inimigos, e sim contra o capital internacional. Senti na conferência de Feder o formidável grito de guerra para a próxima luta.”

Nas páginas seguintes serão tratadas as principais questões acerca da política nacional-socialista financeira e econômica. Este livro não substitui meu artigo “O Estado alemão sob bases nacionais e sociais”, que permanece antes de tudo ao seu lado como coletânea básica dos assuntos tratados, e não quer suprimir uma representação detalhada e sistemática desta área econômica. (...)

Murnau, em outubro de 1932.  Prefácio da quinta edição

Em 30 de janeiro de 1933, o presidente do Reich, von Hindenburg, nomeou Adolf Hitler como chanceler do Reich. Em 5 de março, o povo alemão ratificou que acredita no Führer. O Reich Alemão é nacional-socialista. Foi possível, passo-a-passo, cumprir as preposições que nós reivindicamos durante 14 anos.

Este livro, que foi concebido para ser um registro documentário, tornou-se agora um documento do Movimento, fruto da esperança e de uma realidade segura. Por isso ele reaparece aqui sem alterações.

Murnau, em setembro de 1934

6 anos antes do início da guerra !!!

Fica claro que a maior luta para libertação dos povos é aquela contra o capital internacional. No caso alemão, logo que Hitler assumiu a posição de chanceler do Reich, aqueles grupos oligárquicos que tinham influência ou detinham os meios para tal empreitada, já clamavam em 24 de março de 1933 para o boicote econômico contra o jovem governo nacional-socialista, apenas  50 dias após a posse de Hitler.


Veja Também:

Capitalismo x Alemanha Hitlerista

Capitalismo, por Joseph Goebbels

Fundamentos econômicos do Nacional-Socialismo

3 comentários:

  1. Por favor, você sabe onde tem disponível algum livro de Gottfried Feder em português? Não encontro em lugar algum.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A única obra de Gottfried Feder a qual eu posso afirmar com absoluta certeza que existe em nossa bela língua língua portuguesa, é o livro "As Bases do Nacional-Socialismo", o qual fora traduzido para o português por Heinrich von Wieser e publicado no Brasil pela Editora Star (São Paulo???) no ano de 1934.

      Existe uma versão em pdf. desta obra, se não neste site, então neste: http://docs13.minhateca.com.br/834749248,BR,0,0,100592647-Gottfried-Feder-as-Bases-Do-Nacional-Socialismo-1934.pdf

      Espero que encontres o que buscas, camarada!

      14/88

      Excluir
    2. Obrigado! Estava querendo mesmo algo relacionado a economia como o "Das Manifest Zur Brechung der Zinsknechtschaft des Geldes" e o "Kampf Gegen die Hochfinanz". Mas obrigado pelo esforço. Hoje em dia tanto os livros de Feder como de Rudolf Jung poderiam nos dar uma boa noção da época do colapso germânico, tanto a visão do cenário econômico como político mas infelizmente o poderio judaico internacional não sabe o que é liberdade de expressão, logo impedem qualquer repasse ao público desses materiais que metade ou está trancafiado em algum cofre de algum colecionador judeu ou foi queimado.

      Boa sorte com seu site! Abraço!

      Excluir

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...