Pular para o conteúdo principal

A despedida (triunfal) de Rosenberg



Alfred Rosenberg foi um homem muito à frente de seu tempo. Passadas décadas desde a disponibilização de sua obra magna, podemos mesmo afirmar que fora capaz de profetizar inúmeros acontecimentos negros do pós-guerra, como fruto da derrota do Eixo. Contudo, também seus escritos trazem em si a fórmula de um novo despertar; não apenas na Alemanha, senão em âmbito mundial, pois é de um poder centralizado que emana a decadência a nível global. Para isto, evocou o despertar do mito racial como essência única de uma possível revolução mundial, "não na Europa somente, senão em todo o âmbito da terra. Este despertar é o contra-movimento orgânico que faz frente às últimas proteções caóticas do Imperialismo mercantil liberal-econômico, cujos objetos de exploração se deixaram abraçar pelo despertar das redes do marxismo bolchevique, para completar o que a Democracia havia começado: a erradicação da consciência nacional e racial".

E como todos os homens santos ou de bem foram vítimas da injustiça e incompreensão de seu tempo, com Rosenberg não poderia ser diferente: o filósofo e teórico-chave do Movimento Nacional-Socialista fora levado a julgamento em Nuremberg, e, sob os auspícios dos vencedores, enforcado enquanto "criminoso de guerra".

No livro "Entrevistas em Nuremberg", o psiquiatra judeu-americano Leon Goldensohn revela um dos últimos diálogos tidos com Rosenberg antes de sua morte. Esta obra, que conta também com a participação de Robert Gellately, constitui quase uma exceção, se comparada com o fenômeno sempre constante da produção literária sobre a Segunda Guerra Mundial. Muito embora estando também longe de ser um trabalho de cunho revisionista, Goldensohn disponibiliza na íntegra os trechos de entrevistas com os presos alemães, apesar de suas observações por vezes serem um tanto quanto infelizes e impertinentes.

A esquerda, Alfred Rosenberg  (1893 -  1946) ao lado de Hitler, foi um político e escritor alemão, sendo o principal teórico do nacional-socialismo, sintetizado na obra O Mito do Século XX ("Der Mythus des zwanzigsten Jahrhunderts", 1930). Conselheiro de Adolf Hitler, chegando a ser ministro encarregado dos territórios da Europa Oriental em 1941.


O primeiro encontro se dá a 3 de Fevereiro de 1946. Goldensohn observa que Rosenberg vestia um casaco de uniforme americano e que o saudou, assim como a seu intérprete Gilbert, com "amabilidade superficial". Gilbert há algumas semanas havia trazido a Rosenberg uma versão comentada dos "Protocolos dos Sábios de Sião" e o psiquiatra desejou saber se, após a leitura, Rosenberg continuava a pensar da mesma maneira sobre os judeus. O ideólogo então afirmou que sendo verdadeiros ou falsos, a questão em si lhe era indiferente, pois isto não encobria o "segredo oculto" da tamanha influência e poderio judaicos em nosso tempo. 

Para Rosenberg, o ponto central desta questão está muito além do simples apócrifo. A causa da questão judaica era o próprio povo judeu. "Os judeus são uma nação", afirmava, "e, como qualquer nação, têm um espírito nacionalista. Isso não tem problema, mas os judeus deviam estar na sua própria nação. Ora, em 1936, os ingleses propuseram diversos locais para os judeus (houve uma proposta conjunta dos franceses e alemães, que os judeus recusaram). Esses locais eram o Alasca, a Guiana, Madagascar e Uganda".

O filósofo do NS, preso em Nuremberg, 1946
E seguiu a mencionar que "os judeus não poderiam ficar onde estavam" pelo fato de terem escarnecido a cultura alemã, controlando "o teatro, a edição, as lojas, etc.". No entanto, Rosenberg, apesar das críticas, não se considerava um fanático com relação aos judeus, mencionando que em sua obra "Blut und Ehre" não há uma sequer passagem que faça referência aos judeus.

Sobre a questão da raça, afirmou simplesmente, quando perguntado, que "todos os médicos sabem que há diferentes tipos de raças". 

Em 8 de Junho, Goldensohn encontra Rosenberg pela segunda e última vez. Quando questiona o teórico sobre o que o levava a se opor ao bolchevismo, Rosenberg reagiu como se isto sequer necessitasse de explicações:

"O bolchevismo quer destruir pelo poder uma cultura estatal muito sensível, sem qualquer consideração pela história da nação. Em segundo lugar, o bolchevismo quer fazer isto para benefício de uma única classe da população. Em terceiro lugar, o bolchevismo luta essencialmente contra a propriedade privada. Cria cooperativas entre os agricultores e destrói o sistema agrícola. Opõe-se aos princípios sobre os quais mais ou menos todos estados se baseiam".

Expôs que "o Partido Comunista é controlado por um departamento central. Este departamento central situa-se em Moscou. Por isso, em vários países, o comunismo está na origem do estado individual ou é uma expressão de nacionalismo. Este bolchevismo da Internacional Comunista tem o apoio de um estado forte, a Rússia. A comissão só faz a política na Rússia, como prescreve a política dos bolchevistas de todo o mundo".

Quando perguntado sobre se acaso aprovaria o sistema do comunismo, desde que ele existisse num único país e adquirisse poder sem ajuda da Internacional Comunista, Rosenberg respondeu que "todos os estados podem e devem escolher a sua forma de governo; é um direito da nação. Se, por exemplo, em território russo existisse um comunismo russo, não teríamos nada a ver com isso, desde que se limitasse a esse país".

Com relação a uma discussão que diz respeito aos sistemas políticos, respondeu: "Sou da opinião que teria sido um erro o Partido Nacional-Socialista tomar o poder pela força. Os nacional-socialistas foram eleitos legalmente em 1933 e não houve um movimento revolucionário como na Rússia bolchevique. Também estou convencido de que o Nacional-Socialismo conseguiu chegar ao poder em 1933, porque a Alemanha se encontrava numa pobreza extrema e à beira de uma guerra civil".

Goldensohn desejou saber se Rosenberg teria sido um democrata caso a Alemanha de 1933 o tivesse sido. "Durante catorze anos", afirmou, "a Alemanha teve um governo democrático, que fracassou - Havia muitas facções partidárias. O Partido Nacional-Socialista foi eleito pela maioria dos votos, no que se costuma designar de modo democrático. De fato, se nessa altura tivéssemos uma eleição segundo o sistema eleitoral inglês ou americano, os lugares do Reichstag teriam ficado todos preenchidos com nacional-socialistas. Na França e na Alemanha, existe um sistema proporcional em que membros de partidos rivais conseguem ocupar lugares do parlamento se tiverem a maioria dos votos numa seção particular da região de que são oriundos. O Partido Nacional-Socialista chegou ao poder de um modo legal, porque foi o partido com mais votos na eleição".

E seguiu a afirmar de maneira categórica: 

"Ao fim de catorze anos, o governo democrático deixou-nos com sete milhões de desempregados, seis milhões de votos comunistas e empresas que se encontravam em estado de falência. O total de empresas falidas era do tamanho de todo o estado de Wüttenberg. Numa tal situação, o estado teve de dar ordens abrangentes e autoritárias para acabar com o desemprego e evitar a guerra civil. Em todos os estados, há leis que são criadas e não são votadas se o estado se encontrar numa situação crítica. Até o vosso presidente Truman, recentemente, teve de ameaçar tomar posse dos caminhos-de-ferro, porque os trabalhadores estavam a ameaçar fazer greve geral, ou uma emergência semelhante, o governo tem de atuar". 

Rosenberg também mencionou que, diante disso, muitos americanos eliminaram seus preconceitos com relação ao Nacional-Socialismo após terem visitado a Alemanha, convictos de que este país "não podia viver sujeito ao Tratado de Versalhes". Como exemplo, citou o presidente da câmara de Boston, que, inclusive, proferiu discursos em favor da Nova Alemanha. Também o Gen. Tasker Bliss, assim como Lloyd George, reconheceu-o, durante a Convenção de Versalhes. Para Rosenberg, o tratado fora uma "violação internacional dos Catorze Pontos de Wilson". 

Acerca do tribunal em questão, o teórico observou que se tratava de uma grande hipocrisia, pois enquanto se falava sobre possíveis "atrocidades alemãs", esquecia-se do drama vivenciado pelas comunidades alemãs em territórios como a Polônia.

Em seção do Julgamento de Nuremberg, 1946

Antes de encerrar a entrevista, Rosenberg ainda fez questão de mencionar que, por compreender o russo, sabia que estava sendo prejudicado pelos intérpretes russos, cujas traduções não correspondiam com o sentido original de suas palavras.

Alfred Rosenberg fora muito além de um simples teórico, pois pôde construir através de palavras os alicerces sobre os quais todo um povo, reconhecendo sua grandeza arquetípica e revivendo o mito racial, pôde levar a cabo de 12 anos uma revolução sem igual neste período último da história da humanidade. Acima de tudo, sustentou seus ideais até o fim. É ainda hoje vítima de injustiça, mas outros tempos virão. Rosenberg não apenas será estudado com apreço, como admirado por sua trajetória. Em 100 ou 200 anos, dirão: "Rosenberg foi levado à forca pelos seus próprios escritos, e defendeu seus ideais até a morte. Foi banido das universidades e dos círculos intelectuais, mesmo tendo sido um revolucionário no campo das idéias, a enxergar a história da humanidade sob o prisma racial. Hoje, por sorte, os tempos são outros e nos é permitido conhecê-lo em sua profundidade". 

Comentários

  1. ROSENBERG SE OPUNHA AOS IMPERIOS DE LONDRES ALEM MAR E CIA; NY E MOSCOU QUERIAM UMA GUERRA NA EUROPA PRA DESTRUIR ESSES IMPERIOS E TOMAR ELES PRA SI SÓ QUE DE MODO MENOS OFICIAL QUE OS CLASSICOS; PELOS BASTIDORES; O MELHOR GADO É AQUELE QUE ACHA QUE É LIVRE DAI POR QUE NY TODA HORA REPETIR LEMAS COMO FALSA LIBERDADE SÓ PARA DIZER COISAS KOSHERS ETC

    ResponderExcluir
  2. É UTOPICA QUALQUER SOLUÇÃO PARA ESTE ESTADO DE COISAS FORA DE UM INVERNO NUCLEAR TOTAL

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oque nossos leitores mais leem

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Porque eles não querem que eles residam permanentes...
Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.
Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.
os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.
Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.
Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigra…

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

A Conquista Moura da Península Ibérica: Mouros escravizaram portugueses por 741 anos - onde estão minhas reparações?

A grande "dívida" que os brancos tem com os negros por 400 anos de escravidão é provavelmente a maior mentira já contada na história. O preconceito contra os brancos é tão grande que até o Google mudou o resultado da minha pesquisa de “império mouro escravidão” para “império romano escravidão”. Mouro vem do latim Maures que significa Negro, devido a cor da pele deles dos integrantes do Império Mouro.
O Império Mouro foi o grande império muçulmano que conquistou o norte da África, Oriente Médio e Península Ibérica ( onde hoje se localizam Portugal e Espanha), é o mesmo império que alguns muçulmanos querem refazer através do estado islâmico. Com o regime de Califado, onde um homem seria escolhido por Deus para liderar o povo muçulmano na conversão do mundo para o islamismo.
Com o declínio do Império Romano, o Califado conseguiu uma brecha e em menos de uma década conquistou a península Ibérica inteira. Apesar da resistência de algumas regiões que voltaram rapidamente ao domínio …

Os judeus a Revolução Comunista russa e o assassinato do Czar

Acima, Tatiana e Olga; Sentados: Maria, Alexandra, Nicolau e Anastácia. E no chão, Alexei
Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…

O calvário das viúvas da ocupação

Após a liberação dos territórios ocupados pelos alemães dos países europeus, milhares de mulheres que tinham relacionamentos com soldados alemães foram expostas a execuções humilhantes e brutais nas mãos de seus próprios concidadãos. Era a "Épuration Légale" ("purga legal"), a onda de julgamentos oficiais que se seguiu à liberação da França e da queda do Regime de Vichy. Estes julgamentos foram realizados em grande parte entre 1944 e 1949, com ações legais que perduraram por décadas depois.
Ao contrário dos Julgamentos de Nuremberg, a "Épuration Légale" foi conduzida como um assunto interno francês. Aproximadamente 300.000 casos foram investigados, alcançando os mais altos níveis do governo colaboracionista de Vichy. Mais da metade foram encerrados sem acusação. De 1944 a 1951, os tribunais oficiais na França condenaram 6.763 pessoas à morte por traição e outros crimes. Apenas 791 execuções foram efetivamente realizadas. No entanto, 49.723 pessoas foram …

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

A verdade sobre Olga Benário e Prestes

Olga Gutmann Ben-Ario (1908 - 1942)
Por: Luiz Gonçalves Alonso Ferreira (1)

Na alvorada de março de 1934, vindo de Buenos Aires portando passaporte americano, desembarcara no Rio de Janeiro um sujeito de nome Harry Berger. Preso pela polícia carioca no natal de 1935, logo revelou-se a identidade secreta do viajante. Chamava- se, o misterioso elemento, Arthur Ernst Ewert, judeu alemão, fichado em seu país de origem, no qual era ex- deputado, como espião. Constava também processo por "alta traição".
Berger era o agente do Komintern, especialista em golpes subversivos, enviado para o Brasil com a missão de dirigir intelectualmente o plano traçado em Moscou, que objetivava a instauração de uma ditadura de tipo stalinista no País, por meio de levante armado. Sob ordens de Berger, lá estava Luiz Carlos Prestes, homem escolhido para encabeçar um "governo popular nacional revolucionário", segundo relatório do próprio Berger para o Komintern.
Prestes angariou simpatia no meio c…

“Nossas mães, nossos pais” - Um filme sobre a verdade da guerra

O filme “Nossas mães, nossos pais” (do alemão: "Unsere Mütter, unsere Väter"), exibido pelo canal de televisão alemão ZDF, conta a história de cinco jovens para os quais a Segunda Guerra Mundial se torna um desafio moral e ético, deixando clara a impressão de que a Alemanha está cansada de arrependimentos. O filme basicamente apresenta os soldados soviéticos como estupradores, os poloneses como antissemitas desumanizados e os ucranianos como sádicos. O contexto do drama vivido na invasão da Europa na sua verdadeira face.
A diplomacia russa considerou inaceitável o filme e enviou uma carta ao embaixador da Alemanha dizendo que a “maioria absoluta dos russos que teve a oportunidade de assistir ao filme” o achou inaceitável. Também foi criticado a exposição que fez o filme as atrocidades cometidas pelas tropas da URSS aos excessos isolados perpetrados por militares soviéticos na Alemanha, os quais foram severamente punidos pelo comando militar soviético, mas tão só depois de um …