Pular para o conteúdo principal

Boicote econômico ontem e hoje!


Há 81 anos, a Judeia declarava guerra econômica à Alemanha. A prática em pressionar políticos de Estados altamente endividados (exploração imoral pelos juros) com o boicote econômico não é nova. Hoje em dia, o termo boicote está em desuso. Mais adequado é o termo “sanções econômicas”.
A forma politicamente correta de destruir a auto-determinação dos povos
Em 28 de março de 1933, o Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães, o NSDAP, clama a população alemã a boicotar as lojas dos judeus a partir de 01.04.1933, com a alegação de que existia uma campanha difamatória da cúpula judaica do estrangeiro contra a Alemanha.
Mas o que poucos sabem, alguns dias antes, exatamente a 24 de março de 1933, o jornal inglês Daily Express trazia em sua primeira página a convocação de todos os judeus para participarem de uma guerra econômica contra a Alemanha. A mobilização foi intensa e isto provocou a reação do governo alemão.
Militante da S.A em frente a uma loja de judeus
No artigo do Daily Express, a Judéia(?) declara guerra à Alemanha e clama pelo boicote das mercadorias alemãs em Londres e Nova Iorque. Entre outras, destaca-se: “Israelitas em todo o mundo estão unidos para declarar a guerra econômica e financeira contra a Alemanha“. E segue: “Alemanha terá de pagar um alto preço pela hostilidade de Hitler contra os judeus. O Reich está a beira de um completo boicote no comércio, nas finanças e indústria. Na Europa estão maduros os planos para um contragolpe contra a Alemanha hitlerista. Resoluções em todo o mundo comercial judaico objetivam o rompimento das relações comerciais com a Alemanha. A Alemanha é devedora no mercado financeiro internacional, onde a influência judaica é considerável. Medidas persuasivas dos bancos judeus já estão em marcha“.
Em um programa da televisão alemã 3SAT, em 2005, apareceu uma “contribuição” do campeão de homenagens, Simon Wiesenthal, sobre o boicote aos produtos alemães daquela época.
Movimentação em Londres contra produtos alemães
Conclamação ao boicote das mercadorias alemãs
Eu desenhei outrora caricaturas. Eu tenho ainda uma caricatura sobre o boicote. E ao invés de escrever Heil Hitler , alemão, eu escrevi Heul Hitler (Chora Hitler – NR). E lá se vê as fronteiras da Alemanha e por toda parte estão os judeus e não deixam as mercadorias passarem“.
Mesmo que Hitler quisesse pelo menos “exportar” os judeus alemães como reação, já que as mercadorias produzidas pelos novos 6 milhões de postos de trabalhos eram boicotadas, a maioria dos países não estava naquela época preparada para esta “importação”! Vários países do mundo se negaram a acolher estes refugiados políticos, inclusive o Brasil.
Não é de se espantar que provocativas caricaturas levem a (previstas) reações, principalmente quando envolve símbolos religiosos. Como por exemplo, o recente ataque ao profeta Maomé com o propósito de provocar os muçulmanos.
Reação do governo alemão ao boicote sionista
caricatura de Simon Wisenthal, Alemanha, país exportador sofre sanções econômicas
Em Berlin, em 31 de março de 1933, o governo do Reich e do NSDAP soltou o seguinte comunicado sobre o boicote, através do Ministro Dr. Goebbels:
O governo do Reich constatou com satisfação que a campanha difamatória do estrangeiro esmoreceu. Ele vê nisso o sucesso da ameaça de boicote feita pelo movimento Nacional-Socialista nos últimos dias. Ele vê, entretanto, que a judiaria unida na Alemanha tem a possibilidade de limitar e cessar completamente estas campanhas difamatórias. Ele está convencido de que a campanha difamatória já atingiu seu ponto mais alto.
O Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães determina à vista destes fatos o seguinte:
Sob essas condições, o boicote será levado a cabo amanhã de manhã com todo o ímpeto e disciplina de ferro. Ele começa, como anunciado, às 10:00hs. Caso a campanha difamatória no estrangeiro seja encerrada absolutamente, o NSDAP declara disposto a restaurar o estado de normalidade. Porém, caso não seja este o caso, o boicote entrará em vigor novamente, mas com um ímpeto e veemência ainda inéditos, até então que os manipuladores das campanhas difamatórias no estrangeiro reflitam melhor.
Basicamente, o governo do Reich espera da execução do boicote, amanhã de manhã, o seguinte:
O boicote será efetuado pelas coligadas organizações com disciplina férrea e sem infringir a lei. Ninguém será ameaçado com violência física neste boicote. As organizações que levarão a cabo o boicote terão a responsabilidade de que nenhum inocente seja atingido. Nenhum banco será fechado, pois desta forma os pagamentos entrariam em colapso.
É esperado pelo NSDAP e seus dirigentes que nenhum membro da SA, SS e vigilantes entrem nas lojas. Qualquer infração será punida com rigor. É esperado que a imprensa divulgue um aviso de lideranças comunistas e provocadores. Estas devem ser comunicadas imediatamente para a polícia caso resulte em atos de violência e desrespeito à lei. Elas serão então punidas com o rigor da lei vigente.”
Estranhas diretrizes para quem que exterminar sistematicamente todo um povo através de um processo industrial de genocídio – NR.
E como é feito hoje em dia?
A prática em pressionar políticos de Estados altamente endividados (exploração imoral pelos juros) com o boicote econômico não é nova. Hoje em dia, o termo boicote está em desuso. Mais adequado é o termo “sanções econômicas”.
Conforme anunciado pela ORF1 em 01.09.1999, às 7:38hs, o “Congresso Mundial boicota o Bank Austria“.
Em protesto contra as baixas indenizações do Bank Austria para as vítimas do Holocausto, segundo sua opinião, o Congresso Mundial Judaico quer boicotar a instituição bancária a partir de 1 de janeiro de 2000. Planejado é iniciar o boicote nos EUA e depois alastrá-lo pelo mundo“.
Como é possível que a liderança de uma minoria de 0,2% da população mundial possa conduzir o poderoso EUA a um boicote?
A dívida pública federal no Brasil é de cerca de 1,33 trilhão de reais. Somente em dezembro de 2007, pagamos quase 13 bilhões de juros!
Ou seja, o equivalente a um terço de toda aquela choradeira a respeito da CPMF foi gasta em apenas um mês para premiar o não-trabalho, ou seja, os juros sagrados – NR.
A dívida pública federal na Alemanha era ao final de 2007 cerca de 1,49 trilhão de euros. Segundo steuerzahler, foram pagos somente em 2007 cerca de 65,8 bilhões de euros em juros!
A dívida pública federal nos Estados Unidos era de 9,23 trilhões de dólares no início de janeiro deste ano, para os quais são pagos anualmente cerca de 460 bilhões em juros (considerando 5% ao ano).
Ao contrário do que a maioria pensa, o FED (Federal Reserve Board) dos EUA é uma organização privada, iniciada em 1910, em Jekyll Island, pelos representantes da plutocracia mundial: Rothschild, Kuhn-Loeb, Rockfeller e Morgan. Eles têm desde 1914 o direito de determinar a quantidade de dólar mundo afora e “emprestar” o dinheiro a juros ao governo norte-americano. É compreensível que os “poderosos” presidentes norte-americanos sejam fruto do resultado da simbiose entre capital e chantagem política.
Até o momento foram conduzidas guerras contra todos aqueles que não se submeteram à “nova ordem mundial”, “em nome da humanidade e liberdade”. Esse países foram libertados de seus líderes através de bombas, para serem então apoiados com “empréstimos para a reconstrução”, que coincidentemente têm um pequeno aporte de juros. Naturalmente, tais “ajudas humanitárias” são concedidas somente se a nova liderança corresponder ao conceito de “democracia” do credor.
Cada um que tire suas conclusões.
Fonte:

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oque nossos leitores mais leem

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Porque eles não querem que eles residam permanentes...
Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.
Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.
os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.
Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.
Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigra…

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

A Conquista Moura da Península Ibérica: Mouros escravizaram portugueses por 741 anos - onde estão minhas reparações?

A grande "dívida" que os brancos tem com os negros por 400 anos de escravidão é provavelmente a maior mentira já contada na história. O preconceito contra os brancos é tão grande que até o Google mudou o resultado da minha pesquisa de “império mouro escravidão” para “império romano escravidão”. Mouro vem do latim Maures que significa Negro, devido a cor da pele deles dos integrantes do Império Mouro.
O Império Mouro foi o grande império muçulmano que conquistou o norte da África, Oriente Médio e Península Ibérica ( onde hoje se localizam Portugal e Espanha), é o mesmo império que alguns muçulmanos querem refazer através do estado islâmico. Com o regime de Califado, onde um homem seria escolhido por Deus para liderar o povo muçulmano na conversão do mundo para o islamismo.
Com o declínio do Império Romano, o Califado conseguiu uma brecha e em menos de uma década conquistou a península Ibérica inteira. Apesar da resistência de algumas regiões que voltaram rapidamente ao domínio …

Os judeus, a Revolução "Russo-Comunista" e o Assassinato do Czar

Acima, Tatiana e Olga; Sentados: Maria, Alexandra, Nicolau e Anastácia. E no chão, Alexei
Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram man…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…

O calvário das viúvas da ocupação

Após a liberação dos territórios ocupados pelos alemães dos países europeus, milhares de mulheres que tinham relacionamentos com soldados alemães foram expostas a execuções humilhantes e brutais nas mãos de seus próprios concidadãos. Era a "Épuration Légale" ("purga legal"), a onda de julgamentos oficiais que se seguiu à liberação da França e da queda do Regime de Vichy. Estes julgamentos foram realizados em grande parte entre 1944 e 1949, com ações legais que perduraram por décadas depois.
Ao contrário dos Julgamentos de Nuremberg, a "Épuration Légale" foi conduzida como um assunto interno francês. Aproximadamente 300.000 casos foram investigados, alcançando os mais altos níveis do governo colaboracionista de Vichy. Mais da metade foram encerrados sem acusação. De 1944 a 1951, os tribunais oficiais na França condenaram 6.763 pessoas à morte por traição e outros crimes. Apenas 791 execuções foram efetivamente realizadas. No entanto, 49.723 pessoas foram …

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

A verdade sobre Olga Benário e Prestes

Olga Gutmann Ben-Ario (1908 - 1942)
Por: Luiz Gonçalves Alonso Ferreira (1)

Na alvorada de março de 1934, vindo de Buenos Aires portando passaporte americano, desembarcara no Rio de Janeiro um sujeito de nome Harry Berger. Preso pela polícia carioca no natal de 1935, logo revelou-se a identidade secreta do viajante. Chamava- se, o misterioso elemento, Arthur Ernst Ewert, judeu alemão, fichado em seu país de origem, no qual era ex- deputado, como espião. Constava também processo por "alta traição".
Berger era o agente do Komintern, especialista em golpes subversivos, enviado para o Brasil com a missão de dirigir intelectualmente o plano traçado em Moscou, que objetivava a instauração de uma ditadura de tipo stalinista no País, por meio de levante armado. Sob ordens de Berger, lá estava Luiz Carlos Prestes, homem escolhido para encabeçar um "governo popular nacional revolucionário", segundo relatório do próprio Berger para o Komintern.
Prestes angariou simpatia no meio c…

Plano Kalergi - O Grande Genocídio de Povos

As causas da imigração em massa ainda são astutamente escondidas pelo sistema, e retratadas como inevitáveis pela propaganda multicultural... O que eles querem apresentar como um fenômeno inevitável e espontâneo é, em verdade, um deliberado plano de longo prazo para destruir a identidade do continente.
Kalergi vê nos judeus os líderes do socialismo, comunismo e capitalismo. Aqui salta aos olhos a similaridade entre as visões de Kalergi e do Nacional-Socialismo quanto à avaliação do papel do povo eleito. Salta aos olhos a similaridade entre as visões de Kalergi e do Nacional-Socialismo quanto à avaliação do papel dos judeus. Mas também quanto a essa afirmação, Kalergi nos deve uma última prova...
Mais um plano para o domínio mundial?
Ele é considerado um dos precursores e idealizadores da moderna União Europeia. Sua pessoa é glorificada em inúmeras homenagens aos mais diferentes líderes europeus. Todavia, seus escritos nos remetem a um calabouço racial. Seu nome: “Conde” Coudenhove-Kalerg…