Pular para o conteúdo principal

O Espírito Sertanejo materializado no movimento do Cangaço


Por Jean Carvalho


O Brasil, de fato, é um Estado composto de diversas nações. Dentre todas, temos o ethos do sertanejo, a identidade nordestina que perfaz um sentimento de pertencimento, desenvolvida em um alto grau por diversas vezes negligenciada mesmo pelos mais sérios historiadores. Essas nações, contra sua vontade, por diversas vezes, foram e são reunidas sob um mesmo país e uma mesma bandeira que pouco expressam suas próprias identidades, um lema positivista sem nenhuma relação com a realidade e um falso progresso que sintetiza o retrocesso moral e civilizatório. Por diversas vezes, enxergamos reações dessas micronações e “pequenos ethos”, reações estas direcionadas contra o poder central. Foi o caso da “Revolução Farroupilha”, a insurreição dos povos do Sul contra o poder central do Império; a insurreição paulista; e outras lutas encarniçadas levadas a cabo pelos ideais de homens ou de grupos específicos. 

 Em toda a luta histórica observada no Brasil, enxergamos a identificação com o local, e não com o Estado. Os homens, de um modo ou de outro, sempre estiveram conectados à sua comunidade e ao seu local mais imediato. A falta de harmonia cultural e a falta de uma dedicada mecânica de construção histórica sempre levaram o país chamado Brasil a uma pobreza de um ethos maior que fosse capaz de conectar a todos os diferentes tipos e etnias em torno de uma só causa, e isso levou a uma maior regionalização das culturas, ainda muito presente nos dias de hoje. 

Dentre estas nações e povos que perfazem o nosso país, dedicarei a atenção aos homens do cangaço e o banditismo desenvolvido por Virgulino Ferreira, o eterno Lampião. Primeiro, é necessário estabelecermos um ponto passivo: o movimento do cangaço não era um movimento revolucionário ou ideológico do ponto de vista técnico. Os cangaceiros não se uniam por um ideal de sociedade ou pela vontade de necessariamente destituir o poder e instaurar uma alternativa em seu lugar. Não podemos comparar o tipo de luta estabelecida no sertão com o tipo de luta do paulista, do gaúcho ou do mineiro, pois aqui ela é descaracterizada da normativa revolucionária. 

Avaliemos, pois, primeiramente o cenário e o tipo de sociedade e política desempenhadas naquela região. A economia nordestina é e sempre foi principalmente agrária, embora, tardiamente no século XIX, algumas indústrias de couro e armamentos fossem estabelecidas. Entretanto, a parte do semiárido e aquilo que compõe o solo que podemos caracterizar como sertão apresenta entraves climáticos e geográficos ao exercício da agricultura. As chuvas são escassas e, pelas próprias altitudes de certos planaltos e chapadas, por vezes as nuvens carregadas são dificultadas no avanço para a região. O clima é desértico e extremamente quente. Uma intensa criação de gado, de cabras e bodes é elemento presente na agricultura sertaneja. Variedades de milho são cultivadas, entre outras culturas, como a cana de açúcar. 

Aparentemente pobre, o sertão é extremamente rico, tanto em fauna quanto em sua flora. Esses elementos despercebidos pelo homem alheio ao ambiente sertanejo e ao modo de vida daquela região são decisivos para a sobrevivência do homem local. A política na região foi herança direta do sistema de capitanias hereditárias e sesmarias, exercido ainda durante o período colonial. O coronelismo era o modo de estruturação do poder, e a figura do coronel era imbuída de poder quase que ilimitado. A autoridade governamental Federal sempre foi muito ausente no elemento sertanejo, e o próprio distanciamento geográfico e o pouco interesse na região, sempre vista como pobre e insuficiente, criavam um sentimento de abandono federal, o que facilitava o poder dos coronéis, senhores soberanos de suas terras. A maior parte da população vivia no campo, ou em pequenas cidades e lugarejos. O sertanejo é o homem pobre, sofrido, abandonado e imbuído de forte misticismo, daí o fato de figuras como o Padre Cícero exercerem tamanha influência e admiração nos corações do povo, especialmente o mais simples. Vivia dos trabalhos em sua própria terra, que não raramente era subtraída pelo coronel. Retirado, deveria sempre se encaminhar para outro local em busca de sua sobrevivência. 

Resignação e aceitação eram os sentimentos políticos do sertanejo. A aceitação dos elementos naturais e da condição climática e geográfica, aliados ao forte misticismo e a incapacidade de reagir perante os desmandos dos coronéis e seus jagunços, criava no sertanejo um sentimento de que tudo aquilo era reflexo da própria vontade divina, ou pela vontade de Deus, ou por simplesmente ter Ele se esquecido daquela região e daquele povo. O sertanejo não reagia contra o poder constituído, pois não possuía força mental para fazê-lo, ensinado desde pequeno que as coisas eram daquele modo, pois haviam de ser, e nada havia que pudesse ser feito contra isso. 

Não possuía os meios materiais, já que mal havia para si o que pudesse comer. Sua própria produção alimentar era ou subtraída pelo coronel ou destruída para dar lugar à pastagem do gado. O banditismo de Lampião e seus cangaceiros foi uma resposta ao status quo vigente, ao poder dos coronéis e à própria realidade do sertão. Se não possuíam o desejo revolucionário e de substituição do poder vigente, certamente possuíam um elevado espírito guerreiro e um refinado grau estratégico e combativo. Eram, em essência, dissidentes e rebeldes, e assim os podemos caracterizar, colocando-os em pé de igualdade com qualquer revolucionário socialista russo ou de qualquer movimento nacionalista europeu, mesmo que suas vontades e desejos fossem teoricamente diferentes, elas eram a expressão da revolta de um povo esmagado e oprimido pelas classes dominantes, a síntese da luta de classes e o duelo de interesses entre oprimidos e opressores. No sertão observamos o que foi provavelmente uma das maiores realizações heroicas e combativas da historiografia brasileira.

O cangaceiro não era um ideólogo, um militante partidário ou um sindicalista, não era parte de uma ideologia específica ou da esperança de um novo governo e uma nova sociedade. Eram, em sua maioria, homens e mulheres analfabetos, de baixa instrução e de uma vida sofrida que lhes impulsionava para necessidades mais imediatas do que a leitura ou o intelectualismo. Entretanto, engana-se quem considera os guerreiros do cangaço como ignorantes e inferiores. Aqueles que sabiam ler sempre interpretavam as notícias que eram vinculadas, e isso, aliado ao sensacionalismo e exagero dos jornais, lhes garantia sempre a antecipação às ações das forças repressoras. A sabedoria do homem nordestino é de um elevado grau, e os cangaceiros souberam unir seu conhecimento sobre o terreno e a vida sertaneja a um misto de intuição e interpretação dos sinais, o que lhes garantia imensa capacidade de mobilidade e estratégia militar. Os homens que compunham os bandos do cangaço não eram simples bandidos. 

Todos, sem exceção, possuíam algum fato pessoal que os motivava a lutar contra a autoridade e contra o poder constituído, especialmente o dos coronéis. Lampião testemunhou o roubo das terras de seus pais por um coronel e o assassinato de seu pai, Labareda teve sua irmã violentada, e Zé Sereno era perseguido tão somente por seus tios serem criminosos. Muitos ali assistiram a morte de um ente querido de forma covarde e cruel; muitos outros tiveram mulheres de suas famílias violentadas, especialmente pelas forças policiais; outros tiveram suas terras roubadas, ou sua dignidade afrontada por um coronel ou algum de seus jagunços; todos ali possuíam alguma razão não ideológica, mas sim, pessoal, para desempenharem a luta e se rebelarem contra a autoridade. 

O cangaço não foi uma criação de Lampião, mas foi aprimorado e elevado por ele. No auge do movimento, eram contados mais de cem membros divididos em vários grupos. Geralmente, os grupos tinham de sete a quinze componentes, e cada grupo possuía um líder, sendo Lampião o comandante e líder maior. Sua autoridade era aceita e acatada sem questionamento, não por seu totalitarismo, mas por sua capacidade intuitiva e por seu histórico de vitórias, através dos quais garantia o respeito de seus comandados. Os cangaceiros confiavam a vida às mãos de Lampião, e o sentimento de fraternidade e união era forte entre eles.

Como deixa explícito em seu livro “As Táticas de Guerra dos Cangaceiros”, a escritora Maria Christina Matta Machado relata que, se os cangaceiros eram temidos por onde passavam, também eram muito benquistos pela população sertaneja, especialmente a mais pobre. Não raramente Lampião e seu bando roubavam gado e alimentos dos mais ricos e os distribuíam às populações locais. Em alguns episódios, eles matavam o gado e convocavam a população a pegar carne à vontade. Esse senso de justiça rápida e instantânea era reflexo direto das necessidades imediatas de sobrevivência às quais o elemento sertanejo estava continuamente exposto. 

Quando recebiam ajuda, os cangaceiros protegiam a localidade e realizavam benfeitorias na região. As ações mais violentas aconteciam quando eles eram denunciados ou prejudicados por alguém, ou tinham sua dignidade afrontada. Sendo assim, todo o crime cometido pelos cangaceiros possuía uma razão de acontecer, um contexto por trás do ato momentâneo. A presença das mulheres nos bandos estimulava uma face mais benevolente dos homens. Aliás, a própria mulher no cangaço era extremamente combativa e guerreira, se habituando à vida do sertão e ao movimento do cangaço. 

Durante mais de duas décadas a atividade do cangaço esteve em plena ação. A ação dos cangaceiros foi uma reação à opressão das autoridades, à condição de miséria do sertanejo e a solução para as necessidades sempre imediatas. Analisar o elemento do cangaço como uma simples atividade criminosa e enxergar nos cangaceiros a figura de simples bandidos é estreitar a visão sobre todo um contexto sócio cultural. Nenhum sertanejo encarnou melhor o espírito guerreiro do que Virgulino Ferreira e seus homens, e após a morte destes e a dissolução dos grupos, nenhum outro homem com o mesmo espírito apareceu. A norma retornou ao sertão, e a miséria, o esquecimento, os desmandos, o abandono do governo e a resignação do povo são elementos tão atuais quanto foram na época de Virgulino. O segredo para a longa duração de um movimento de guerrilha como o do cangaço foi a familiaridade com o terreno, a identificação com a região e os elementos, a adaptabilidade com os recursos disponíveis, a simpatia com as populações locais e a união entre os membros do grupo.

 O cangaceiro era mais próximo do povo, afinal, era proveniente desse mesmo povo. Enquanto os coronéis e seus jagunços exerciam uma relação de opressão, o cangaceiro exercia um misto de síntese da luta e dos anseios do sertanejo e do descontentamento geral, servindo como figura icônica para as lutas e esperanças de todo um povo resignado. As autoridades, especialmente as federais, abandonavam o sertão, enquanto o cangaceiro fazia parte daquele lugar, se identificava com aquele espaço e com aquele povo. As autoridades nada compreendiam sobre a realidade social do sertão e as necessidades do sertanejo, ou por ignorância, ou por puro desinteresse em solucionar seus problemas. Esse, aliás, é um traço ainda muito atual. O cangaceiro, mesmo que não possuísse um projeto socialista abrangente, tentava, na medida de sua compreensão, solucionar ao menos parte dos problemas mais imediatos da população pobre. Esse populismo atraía fortemente a identificação entre povo e cangaço. 

Isso era reforçado pelo extremo misticismo dos cangaceiros, que realizavam diversos rituais, carregavam amuletos e bênçãos, mantinham sua devoção em seus santos e respeitavam as tradições religiosas e espirituais da localidade. A série de vitórias e a impressionante capacidade combativa destes homens e mulheres eram tão expressivos que uma imagem de misticismo, força sobre-humana e invencibilidade eram atribuídas aos cangaceiros, especialmente a Lampião. Havia um tipo de onipresença destes homens, que conseguiam tomar ciência dos fatos das redondezas e não falhavam em aplicar a vingança àqueles que de algum modo os prejudicassem. Os olhos e ouvidos de Virgulino e seus homens estavam por toda a parte. A incapacidade das autoridades diante da ação dos cangaceiros reforçava o mito de que os cangaceiros eram imbatíveis. Os membros do cangaço estavam ali por motivações pessoais e injustiças sofridas, enquanto que os soldados das polícias estavam naquela função pelo pagamento e pela esperança de conseguir riquezas em posse dos cangaceiros, além da fama por ter matado um dos imortais.

Estes homens simbolizam o espírito guerreiro, insurgente e rebelado que nos falta em nossos dias. Foram, talvez, a última esperança do sertanejo, do habitante de uma região esquecida e abandonada. O cangaço foi o mais bem sucedido movimento de guerrilha já realizado no país, e um modelo para os movimentos de guerrilha subsequentes. Foi uma expressão legítima de um povo com uma identidade tradicional, cultural, geográfica e social, a resposta a um modelo de opressão e um quadro de abandono. Realizaram o feito de demonstrar que aqueles que esmagam o povo e exercem o poder injusto são fracos, impotentes e incapazes, humilhando por diversas vezes as estruturas de repressão consideradas, por décadas, invencíveis e incontestáveis. O homem do cangaço possuía a força e o espírito combativo que deixariam qualquer filósofo sincero extremamente admirado, e a capacidade estratégica que surpreenderia um estrategista do porte de Sun Tzu, e uma habilidade política e social digna dos ensinamentos de Maquiavel. A morte de Virgulino Ferreira significou a morte do espírito de reação do homem sertanejo e do desejo de desafio e combate ao poder instaurado. 

 O capitão Bezerra, responsável pelo cerco que pôs fim ao movimento do cangaço e terminou com a morte de Lampião, Maria Bonita e outros grandes nomes do movimento de guerrilha, mais tardiamente testemunhou sobre o caráter de Lampião em entrevista ao jornal “A Tarde”, na Bahia, em três de Agosto de 1938:” Era um homem de palavra. O que ele dizia valia como documento. Se ele fosse vivo hoje, eu não permitiria que ninguém encostasse nem o dedo nele. Hoje eu não acho que ele era bandido. Tem muito bandido engravatado por aí, em liberdade”. 

Fonte:

Comentários

O mais lido da semana

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Matt Parott: A capital de israel é Washington D.C.

Por Matt Parott
A capital de uma nação é o seu lugar de poder incontestável, a base de onde ele dirige sua política militar e doméstica, seu centro de gravidade e seus cofres econômicos. Trump se inverteu em mais uma promessa de campanha, declarando que a embaixada dos Estados Unidos em Israel precisa se mudar de Tel Aviv, o centro neuronal real de Israel, para Jerusalém, como parte de um esforço para roubar mais território dos árabes. Em sua campanha, Trump prometeu ser um corretor honesto, para alavancar suas habilidades de negociação de classe mundial para tentar negociar a paz no Oriente Médio. Sem desculpas, ele está quebrando essa promessa.
O homem que escreveu "The Art of the Deal" não conseguiu concessões de Israel. Ele envolveu esta declaração sem nenhum acordo global de qualquer tipo que possa ser interpretado como uma tentativa de tentar chegar a um resultado justo. Trump está intimidando os palestinos em nome dos judeus, mesmo que a comunidade judaica americana per…

América Latina, o último bastião ocidental? Porque o islã não cresce aqui

Segundo um estudo feito pelo Pew Research Center (Centro de Pesquisas Pew - PRC) (1), intitulado; "O Futuro das Religiões do Mundo", divulgado em abril desse ano, prevendo a projeção para o futuro das religiões, indicou que o número de adeptos do islã irá ultrapassar, caso assim continue, o número de cristãos até o fim desse século (entre 2050 - 2100, tornando-se a religião com o maior número absoluto de fiéis do planeta. E, seguindo a contra corrente mundial, a única região do mundo em que isso não vai acontecer é a da América Latina, pois o aumento do número de seguidores do Corão não acompanha o ritmo registrado em outras partes do mundo. Oque, por conseguinte, aponta essa parte da América como a única região onde a taxa de crescimento da população estimada para 2050 supera com folga o aumento de muçulmanos.
O islã, como se pode deduzir no parágrafo acima, é de fato a religião que mais cresce no mundo. O levantamento prevê que, entre 2010 e 2050, enquanto a média de cresci…

A investigação que revelou "exércitos" de perfis falsos usados para influenciar eleições e a política no Brasil

Todos os seres humanos pensantes ao uns poucos anos atrás só sabiam de monitoramento em escala mundial através de filmes de ação e espionagem geralmente hollywoodianos. Essas mesmas pessoas ficaram bestificadas, outras em negação e muitas nem se quer suspeitam da gravidade dos fatos, quando Eduard Snowden desertou do próprio país e revelou ao mundo que a NSA investigava a tudo e a todos através de todos os meios de comunicação existentes. Também tivemos o mesmo tipo de reação, quando Julian Assange através do intrépido "Wikilliks" revelou os esquemas de chantagem, sabotagem e falcatruas contra os povos da terra cometidos pelo governo estadunidense através de anos, incluindo suas figurinhas mais proeminentes como o "satã de saias" sra. Hillary Clinton. 
Depois de tudo isso não é difícil, porém não menos grave, que em nosso país geopoliticamente estratégico enquanto nação dominada não tivesse seus próprios meios de sabotagem interna parecidos, onde um grande exemplo s…

6 anos sem Kadhafi: o "fenômeno" cuja morte arruinou Líbia

Faz hoje cinco anos desde que o líder líbio foi morto a sangue frio perante câmeras de celulares e com o consentimento dos países que participaram da campanha anti-líbia de 2011. 
NT: matéria de 28/11/2016
O coronel Muammar Kadhafi liderou o país por 42 anos. A guerra civil que se iniciou no momento de sua morte continua há já cinco anos. Todas as tentativas de criar órgãos de governação fracassaram, a economia está arruinada. A crise foi substituída pelo caos, que ameaça toda a região, e isso se tornou no resultado da tentativa das potências ocidentais para alterar a organização política dos países africanos.
A Sputnik Árabe falou com o jornalista favorito do líder líbio, Abdel Baset bin Hamel. A experiência líbia, que continuou por 42 anos sob o governo de Muammar Kadhafi, permanecerá como parte incomparável da história do país. O país passou de forma regular por reformas, porque de vez em quando surgiam problemas na educação, saúde ou infraestrutura. Entretanto, a razão da crise de hoj…

Benjamin Freedman, um judeu expondo a judiaria organizada pelo mundo

Benjamin Harrison Freedman [Friedman] foi uma das pessoas mais intrigantes e surpreendentes do século XX. Nascido em 1890, foi um empresário judeu bem-sucedido de Nova Iorque e chegou a ser o principal proprietário da Woodbury Soap Company. Rompeu com a Judiaria organizada após a vitória judaico-comunista de 1945 e gastou o resto de sua vida e grande parte da sua considerável fortuna, avaliada em cerca de 2,5 milhões de dólares, expondo a tirania judaica que envolveu os Estados Unidos.
Mr. Freedman sabia do que falava, porque tinha sido um insider [membro de um grupo com acesso a informação confidencial] nos mais altos níveis de organizações e maquinações judaicas que tinham por objectivo obter poder sobre a nossa nação [EUA]. Mr. Freedman privou de perto com Bernard Baruch, Samuel Untermyer, Woodrow Wilson, Franklin Roosevelt, Joseph Kennedy, John F. Kennedy e muitos dos homens mais poderosos dos nossos tempos.
Este discurso no Willard Hotel, em Washington DC, foi proferido perante uma…

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

Nimrod de Rosario, Sabedoria Hiperbórea e Geopolítica

Luis Felipe Moyano (1946-1996), mais conhecido como Nimrod de Rosario, foi um escritor argentino que estudou profunda e extensivamente a comparatividade de religiões, a espiritualidade e a mitologia ao longo da história; e deu desenvolvimento a uma Cosmologia gnóstica conhecida como Sabedoria Hiperborea. Ele é o autor de "El Misterio de Belicena Villca" (O Mistério de Belicena Villca), um romance místico-histórico, e dos dois volumes do tratado "Fundamentos de la Sabiduría Hiperbórea" (Fundamentos da Sabedoria Hiperbórea), um estudo complexo, incluindo muitos detalhes científicos, lidando muitas vezes com a Física e as correlações de tempo-espaço.
Ele também foi o fundador da sociedade esotéricasecreta OCTRA (Orden de Caballeros Tirodal de la República Argentina -  Ordem Tirodal dos Cavaleiros da República Argentina, sendo "Tirodal" uma contração dos nomes das duas runas "Tyr" e " Odal "), e se correspondia com o conhecido escritor chil…

Uma homenagem à Hitler e...ao "Holocausto?" A verdade por trás da Industria do "Shoa"

Por Alain Soral "Cena sórdida ocorreu no jogo de futebol entre Omdurman Al-Hilal e Al Merreikh (2-0), no Sudão, fim de semana passado. Os ultras do Al-Hilal puseram um cartaz muito grande onde poderíamos ver a representação gigante do rosto de Adolf Hitler com, ao lado, uma bandeira onde foi escrita a palavra "Holocausto". [...] A polícia local não teria se interposto na plataforma onde essas bandeiras foi implantada para não causar tumultos. A televisão que retransmitia a partida teve o cuidado de não transmitir as imagens dessas mensagens odiosas." - sport24.lefigaro.fr
Os fãs sudaneses do Al-Hilal estão provocando. Mas eles não são idiotas: eles entenderam uma coisa fundamental.
Ao forçar a "Shoah" (como é chamado o "holocausto", pelos judeus em sua cultura) nas cabeças de todos os habitantes da terra, a mídia ocidental produziu um consumidor mutante que alimenta dessa pressão ao jogar com os "códigos nazis".
Cartazes no jogo entre entr…