Pular para o conteúdo principal

Henry Ford e o Sionismo em 1920

Henry Ford (1863 - 1947)

Por S. E. Castan

A transcrição seguinte tem um valor também todo especial, tanto pela época a que se refere, fim da primeira guerra mundial, na Alemanha, como por se tratar do norte-americano Henry Ford, industrial, criador e fundador das indústrias automobilísticas Ford, autor do livro O Judeu Internacional, escrito em 1920, e traduzido e publicado pela Livraria do Globo, de Porto Alegre, além de ter sido editado em vários idiomas pelo mundo. Importante, também, por ter sido escrito 13 anos antes do surgimento do nazismo na Alemanha. Além de O Judeu Internacional, Ford escreveu Minha Vida e Minha Obra, e outros.

Foi ele quem, como industrial, criou nos Estados Unidos a linha para fabricação em série, o que veio baratear os produtos, não apenas os automóveis, como logo outros, tais como geladeiras e toda uma série de artigos que assim foram postos ao alcance de grande número de consumidores. "Após a publicação do livro os judeus ficaram profundamente indignados, porque o adversário era sério. E encetaram contra ele uma violenta campanha que durou vários anos e só terminou em 1927. Angustiado por graves embaraços financeiros, processado pelos judeus perante os tribunais norte-americanos, vítima de um grave acidente automobilístico que se diz muito misterioso, Ford escreveu às organizações judaicas uma carta em que desmentia tudo o que publicara contra os judeus. Estes, depois de o deixarem algum tempo na incerteza, aceitaram a retratação" (da pg. 5 do livro). Vejamos o que consta às pgs. 25 a 30:

1. "A humanidade, em constante progresso, trata abertamente de combater enfermidades sobre as quais antes achava necessário estender o manto da vergonha e do silêncio. A higiene política não progrediu ainda até esse ponto. A causa fundamental da enfermidade do corpo nacional alemão tem suas raízes na excessiva influência judaica. Se tal era já há muitos anos a convicção de algumas inteligências preclaras, é tempo de que também as massas, menos inteligentes, comecem a vê-lo. Certo é que toda a vida política alemã gira ao redor desta ideia, e já não é possível ocultar o fato por mais tempo. Segundo a opinião de todas as classes sociais, tanto a derrota alemã depois do armistício (1914/18) como a revolução e suas conseqüências, sob as quais sucumbe o povo, são obra da astúcia e de um plano premeditado dos judeus. (Note-se que Ford não separa sionistas e judeus, preferindo chamá-los todos judeus). Isso é asseverado com toda a precisão, aduzindo-se inumeráveis provas verdadeiras; e supõe-se que a seu tempo a História se encarregará de completar a documentação".

2. "Na Alemanha o judeu é considerado apenas como um hóspede que, abusando da tolerância, caiu num excesso com sua inclinação para o domínio". (Comparemos com o que o judeu Joseph Mendel declarou ao repórter Alexandre Konder, no capítulo "Viena, junho de 1986 e Berlim, 1940”).

3. "Efetivamente, não há no mundo maior contraste do que o existente entre a raça puramente germânica e a hebreia. Por isso não há, nem pode haver aliança entre ambos. O alemão vê no judeu apenas um hóspede. O judeu, em troca, indignado por não lhe concederem todas as prerrogativas do indígena, nutre injusto ódio contra o povo que o hospeda. Em outros países pode o judeu mesclar-se mais livremente com o indígena e aumentar seu predomínio com menos entraves, mas não assim na Alemanha. Por isso o judeu odeia o povo alemão, e precisamente por esta mesma razão os povos em que a influência judaica predominava em maior grau, demonstraram durante a deplorável primeira guerra mundial o ódio mais exacerbado contra a Alemanha. Judeus eram os que predominavam quase exclusivamente NO ENORME APARELHO INFORMATIVO MUNDIAL, com que se fabricou a 'opinião pública' no que toca à Alemanha. Os únicos gananciosos da Grande Guerra foram de fato os judeus".

4. "Dizê-lo, naturalmente, não basta, é necessário comprová-lo. Examinemos, pois, os fatos Que aconteceu, assim que a Alemanha passou do antigo ao novo regime? No gabinete dos SEIS, que usurpou o posto do governo imperial, predominava em absoluto a influência dos hebreus Haase e Landsberg. Haase dirigia os negócios exteriores, auxiliado pelo judeu Kautsky, um boêmio que em 1918 nem sequer possuía a cidadania alemã. O judeu Schiffer ocupou o Ministério da Fazenda, com o hebreu Bernstein como subsecretário. No Ministério do Interior mandava o judeu Preuss, auxiliado por seu amigo e compatriota Freund. O judeu Max Fritz Cohen, ex-correspondente em Copenhague do diário pan-judeu Frankfurter Zeitung, ascendeu a chefe
onipotente do Serviço Oficial de Informações".

5. "Esta constelação teve no governo prussiano uma segunda parte. Os judeus Hirsch e Rosenfeld presidiram o gabinete, encarregando-se este do Ministério da Justiça, enquanto aquele ocupava a pasta do Interior. O hebreu Simon foi nomeado Secretário do Estado no Ministério da Fazenda. Foi nomeado diretor do Ensino o judeu russo Futran, em colaboração com o judeu Arndt. Ao posto de diretor do Departamento das Colônias ascendeu o hebreu Meyer Gerhard, ao passo que o judeu Kastenberg empregava sua atividade como diretor do Departamento de Letras e Artes. A secretaria da Alimentação foi posta nas mãos do judeu Wurm, que cooperava no Ministério do Fomento com os judeus Dr. Hirsch e Dr. Stadthagen. O hebreu Cohen foi o presidente do Conselho de Operários e Soldados, nova instituição em que desempenhavam altos cargos os judeus Stern, Herz, Loewenberg, Frankel, Israelowitz, Laubenheim, Seligsohn, Katzenstein, Lauffenberg, Heiman, Schlesinger, Merz e Weyf".

6. "O judeu Ernst foi nomeado chefe de polícia de Berlim, e no mesmo posto em Frankfurt-sobre-o-Meno apareceu o hebreu Sinzheimer e, em Essen, o judeu Lewy. Em Munique, o judeu Eisner nomeou a si próprio presidente do Estado da Bavária, designando seu ministro da Fazenda o judeu Jaffe. Indústria, Comércio e Tráfego na Bavária ficaram sob as ordens do judeu Brentano. Os judeus Talheimer e Heiman ocuparam cargos elevados nos ministérios de Würtenberg, enquanto o judeu Fulda governava em Essen".

7. "Judeus eram dois plenipotenciários alemães, ao mesmo tempo em que um terceiro não passava de conhecido instrumento incondicional do judaísmo, na conferência de paz (Versalhes). Além disso pululavam na delegação alemã judeus peritos, tais como Max Warburg, Dr.Von Strauss, Merton, Oscar Oppenheimer, Dr. Jaffe, Deutsch, Brentano, Perstein, Struck, Rathenau, Wassermann e Mendelssohn-Bartholdy".

8. "A proporção de judeus nas delegações de 'outros' governos nessa Conferência pode ser facilmente verificada, pela leitura das crônicas dos jornalistas não-judeus. Parece que esse fato só chamou a atenção destes, enquanto os correspondentes judeus preferiram calar-se, certamente por prudência".

9. "Nunca a influência judaica se manifestara na Alemanha tão acentuadamente como durante a guerra. Surgiu esta com a certeza audaz de um canhonaço, como se tudo houvesse sido feito já preparado de antemão. Os judeus alemães não foram patriotas alemães durante a guerra. Se bem que esse fato não seja, na opinião das nações inimigas da Alemanha, precisamente uma falta, ele permitiu, contudo, apreciar em seu justo valor os protestos clamorosos dos israelitas, de lealdade absoluta para com os países em que vivem casualmente. Escudados em razões que veremos mais adiante, afirmam sérios pensadores alemães que é de todo modo impossível que um judeu seja em algum momento um patriota".

10. "Segundo opinião geral, nenhum dos hebreus acima citados teria um dia alcançado aqueles postos, sem a revolução. E, por outro lado, a revolução não teria estalado sem que eles mesmos a houvessem preparado. Certamente, também, na Alemanha não faltaram deficiências, mas o próprio povo teria podido retificá-las, e com certeza o faria. Neste caso precisamente, as causas dessas deficiências que arruinaram a moral pública e impossibilitaram toda a reforma, achavam-se sob a influência judaica".

11. "Já durante o segundo ano da guerra, judeus alemães declaravam que a derrota alemã era indispensável para a libertação do proletariado. O socialista Stroebel disse: 'Declaro francamente que a plena vitória da Alemanha não seria favorável aos interesses da social-democracia!' Afirmava-se por toda a parte que a elevação do proletariado seria quase impossível na Alemanha vencedora. Estes breves exemplos, escolhidos entre muitíssimos que poderíamos aduzir, não têm por objeto tornar a examinar toda a questão da guerra; destinam-se unicamente a demonstrar que muitos judeus dos chamados alemães esqueceram seus deveres para com o país cuja cidadania ostentavam, unindo-se a todos os demais judeus inimigos, com o objetivo de
preparar a catástrofe da Alemanha. Esse objetivo, como mais adiante se verá, não foi nem de leve livrar a Alemanha do militarismo, mas aprofundar todo o povo alemão em um estado caótico, que lhes permitisse se apoderarem do poder, como realmente fizeram".

12. "A imprensa alemã, timidamente a princípio, depois 'em toda a luz', fazia suas essas tendências dos porta-vozes judeus. O Berliner Tageblatt e o Münchener Neueste Nachrichten foram, durante a guerra, órgãos oficiosos ou semi-oficiosos do governo alemão. O primeiro desses jornais defende os interesses judaicos na Alemanha e o segundo se mostra completa-mente sujeito à influência do judaísmo organizado. Genuinamente judaico é também o Frankfurter Zeitung, do qual dependem inúmeras folhas de maior ou menor importância. Todos esses jornais não são mais que edições alemãs da imprensa mundial judaica anti-alemã, todos com a mesma tendência, absolutamente. Essa íntima colaboração da imprensa de todas as nações, que se chama IMPRENSA UNIVERSAL, devia ser examinada muito escrupulosamente desse ponto de vista, para demonstrar à humanidade inteira esses segredos — como, e para que fim oculto se prepara diariamente a formação da opinião pública". (!!!)

13. "No momento em que estalou a guerra, passaram todos os víveres e petrechos de guerra às mãos judaicas e desde esse momento começou a aparecer tal falta de probidade, que minou a confiança dos combatentes. Do mesmo modo que os demais povos, soube também o alemão que toda a guerra significa sacrifício e sofrimentos, e mostrou-se desde o primeiro dia disposto a suportá-los. Agora, porém, compreenderam os alemães que estavam explorados por uma horda de judeus, que haviam preparado tudo para tirar enormes proveitos da miséria geral do povo teutônico. Onde quer que se pudesse especular com as necessidades do povo, ou que se apresentasse ocasião de obter lucros intermediários, seja em bancos, sociedades de guerra, empréstimos públicos, ou em ministérios que formulavam os gigantescos pedidos de petrechos bélicos, lá apareciam os judeus. Artigos de consumo geral, que havia em abundância, desapareceram de repente, para tornar a aparecer mais tarde, oferecidos com fabuloso aumento de preço. As sociedades de guerra foram domínios judaicos. Quem tinha dinheiro pôde comprar tudo, até os cartões de distribuição e racionamento, com os quais o governo se esforçou, em trabalho sobre-humano, para repartir os víveres equitativamente entre toda a população. Os judeus triplicavam os preços dos artigos que adquiriam à sombra da distribuição oficial, canalizando assim para seus bolsos abundante inundação de ouro. Por causa desses sortimentos ocultos, de que dispunham os judeus, falharam os cálculos e censos do governo. Inquietou-se a moral pública diante desse fenômeno. Instauraram-se demandas, iniciaram-se os processos, mas quando chegava a hora de dar a sentença, tanto os juízes como os acusadores sendo judeus, terminava tudo por uma desistência quase geral. Se, porém, o acusado era alemão, empunhavam multas que deveriam ter sido também pagas pelos outros".

14. "Estudando o país por este ponto de vista, esquadrinhando a Alemanha por todos os cantos, escutando a voz e a opinião populares, ouviremos sempre e de todos os lados que esse abuso de poder, durante a guerra, ficou gravado na alma alemã como se fora impresso com ferro candente".

15. "E preciso, pois, tanto na América como na Rússia, diferenciar claramente entre os métodos dos judeus ricos e os dos pobres; ocupam-se, uns, de subjugar os governos, e os outros de ganhar as massas populares, porém ambos tendem a um mesmo e idêntico fim". (Refere-se à dominação
mundial).

16. "A interpretação geral dos alemães e russos pode ser francamente reduzida a estes termos: É o judaísmo a potência mais bem organizada do mundo, com métodos mais rígidos ainda que os do Império Britânico. Forma um Estado, cujos súditos lhe obedecem incondicionalmente, onde quer que vivam, sejam pobres ou ricos, e esse Estado, existente dentro dos demais Estados, chama-se na Alemanha 'Pan-Judeia - AH Judah'. Os meios de dominação desse Estado pan-judaico são o capitalismo e a imprensa, isto é, dinheiro e difusão ou propaganda".

17. "Entre todos os Estados do mundo o único que exerce realmente um domínio universal é a Pan-Judeia; todos os demais podem e querem exercer somente um domínio nacional".

18. "O principal propulsor do pan-judaísmo é seu domínio da imprensa. As produções técnicas, científicas e literárias do judaísmo moderno são exclusivamente de índole jornalística e têm por base a admirável faculdade do judeu de assimilar as idéias alheias. Capital e jornalismo se reúnem no produto 'IMPRENSA, que constitui o verdadeiro instrumento dominador do judeu". "Não existe mais o gigantesco Império Britânico, que desabou após a segunda guerra mundial, nem a Pan-Judeia na Alemanha, pois existe Israel, apesar dos problemas com os palestinos e árabes em geral, e o Conselho Mundial Judaico, em. Nova York, cidade onde reside praticamente o dobro de habitantes judeus existentes em Israel".Este capítulo tem também um valor especial por se tratar da opinião de uma pessoa mundialmente conhecida, ser cidadão de um país que combateu a Alemanha por duas vezes, e também demonstrar quem já manobrava a cabeça
dos povos até 1920, época do livro.

Fonte:

- FORD, Henry. O Judeu Internacional. pgs 25 a 30. 1920, Livraria do Globo, Porto Alegre.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Oque nossos leitores mais leem

2 milhões de alemãs - O Maior estupro em massa da História

Na foto, mulheres que suicidaram-se em uma praça, para não vivenciarem os estupros.
Aos 80 anos, Gabriele Köpp tem problemas com sono, por vezes, simplesmente não consegue comer. Aos 15 anos, ela foi repetidamente violada por soldados soviéticos, sendo virgem e não tendo nenhum conhecimento prévio sobre o sexo.
A revista "Spiegel" escreve que não existem os dados exatos sobre a quantidade de mulheres alemãs violadas pelo exército soviético, o número que aparece em várias publicações aponta para dois milhões de mulheres (2.000.000). Segundo a investigação do Dr. Philipp Kuwert, especialista de traumas e chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia do Hospital universitário de Greifswald, a idade média das vítimas de violações soviéticas era de 17 anos e cada mulher foi violada em média 12 vezes. Quase metade das vítimas possui síndromes pós – traumáticos, incluindo os pesadelos, tendências de suicídio, anestesia emocional. Cerca de 81% destas mulheres adquiriram o efeito…

Por que os países árabes ricos não recebem os refugiados muçulmanos?

Porque eles não querem que eles residam permanentes...
Os trabalhadores estrangeiros são muito produtivos para o trabalho, melhorando a economia do país e vão para casa quando seus contratos estão chegando ao fim.
Os residentes estrangeiros, no entanto, tendem a trazer sua própria bagagem cultural e política com eles. Esses países já estão lutando para lidar com a modernização e reformas políticas/sociais, de modo que eles não precisam da "porcaria de ninguém" empilhada sobre si.
os "Idiotas do leste" estão muito felizes em ajudar...mesmo os trabalhadores estrangeiros podendo ser um fardo, como foi mostrado durante a Guerra do Golfo em 1991.
Trabalhadores palestinos e iemenitas foram expulsos de vários desses estados, porque seus governos saíram em apoio ao Iraque, ao contrário da política de seus governos, que era de acolhimento.
Com os trabalhadores estrangeiros, você pode simplesmente cancelar seus vistos e enviá-los para casa. Se você tem pessoas aceitas como imigra…

A família de Hitler e seus descendentes hoje

Adolf Hitler e Eva Braun, sua futura esposa, com quem se casaria, segundo relato, pouco antes da capitulação frente aos aliados

Um assunto bastante curioso e interessante, porém, pouco e até mesmo delicado de se tratar é a questão da família de Hitler e seus descendentes no contexto do pós guerra. Evitado tanto pelo lado daqueles que lutaram contra a Alemanha Nacional-Socialista, quem sabe pelo fato de terem em cheque uma acusação de perseguição infundada e por isso mantenham interesses em ocultar certos segredos, quanto por aqueles que são e foram seus simpatizantes, talvez por falta de informação ou censura. 
Muitas foram e ainda são as especulações a cerca da origem do Chanceler alemão e sua descendência. Umas dizem que Hitler teria sangue judeu correndo e suas veias, vindas de seu avô (ou bisavô), ou que seria um membro família Rotschild (banqueiros judeus) ou mesmo que Hitler teria tido filhos e escondido tal fato da mídia, mas que porém, com a queda da Alemanha, os Aliados teriam …

A Conquista Moura da Península Ibérica: Mouros escravizaram portugueses por 741 anos - onde estão minhas reparações?

A grande "dívida" que os brancos tem com os negros por 400 anos de escravidão é provavelmente a maior mentira já contada na história. O preconceito contra os brancos é tão grande que até o Google mudou o resultado da minha pesquisa de “império mouro escravidão” para “império romano escravidão”. Mouro vem do latim Maures que significa Negro, devido a cor da pele deles dos integrantes do Império Mouro.
O Império Mouro foi o grande império muçulmano que conquistou o norte da África, Oriente Médio e Península Ibérica ( onde hoje se localizam Portugal e Espanha), é o mesmo império que alguns muçulmanos querem refazer através do estado islâmico. Com o regime de Califado, onde um homem seria escolhido por Deus para liderar o povo muçulmano na conversão do mundo para o islamismo.
Com o declínio do Império Romano, o Califado conseguiu uma brecha e em menos de uma década conquistou a península Ibérica inteira. Apesar da resistência de algumas regiões que voltaram rapidamente ao domínio …

Os judeus a Revolução Comunista russa e o assassinato do Czar

Acima, Tatiana e Olga; Sentados: Maria, Alexandra, Nicolau e Anastácia. E no chão, Alexei
Por Mark Weber
Na noite de 16-17 de julho de 1918, uma esquadra da polícia secreta Bolchevique assassinou o último imperador da Rússia, o Czar Nicolau II, junto com sua esposa, a Czarina Alexandra, seu filho mais velho de 14 anos, o Czaverch Alexis, e suas quatro filhas. Eles foram abatidos numa salva de balas num pequeno espaço de um cômodo da casa em Ekaterinoburgo, uma cidade na região dos Montes Urais, onde eles estavam mantidos como prisioneiros. A complementação da execução das filhas foi feita com baionetas. Para prevenir o culto ao Czar morto, os corpos foram descartados para o campo aberto e apressadamente enterrados em um túmulo secreto.
Avaliando o sinistro legado do comunismo soviético
As autoridades Bolcheviques inicialmente relataram que o imperador Romanov tinha sido baleado após a descoberta de um plano para liberar ele. Por algum tempo as mortes da Imperatriz e das crianças foram…

Gudrun Burwitz, a filha de Himmler, ativismo e família

Gudrun Burwitz, hoje com 86 anos. Na foto, aos desperdice dos netos no subúrbio do Munique, onde mora até hoje
Ao acenar adeus a seus netos, Gudrun Burwitz apresenta a figura de uma mulher pronta para viver o resto de seus dias em paz e sossego. Porém, a filha de Heinrich Himmler ainda trabalha em um ritmo forte em seu ativismo a favor dos perseguidos pelo sistema por serem ou trabalharem para o nacional-socialismo.
A Sra. Burwitz sempre alimentou a memória de seu pai, o homem que dirigia a Gestapo, e a SS como um homem bom e digno.
E apesar de sua idade avançada, formada advogada, ela continua a ajudar antigos integrantes do nacional-socialismo a escapar da perseguição judicial a qual foram impostos pelos inimigos da Alemanha. 
Como a figura de liderança do grupo Stille Hilfe – Ajuda Silenciosa – ela provê todo tipo de ajuda, inclusive financeira, aos ex-integrantes nazi e colaboradores. Grupo formado em 1951 por um grupo de oficiais de alta patente das SS, na Alemanha, o grupo existe pa…

O calvário das viúvas da ocupação

Após a liberação dos territórios ocupados pelos alemães dos países europeus, milhares de mulheres que tinham relacionamentos com soldados alemães foram expostas a execuções humilhantes e brutais nas mãos de seus próprios concidadãos. Era a "Épuration Légale" ("purga legal"), a onda de julgamentos oficiais que se seguiu à liberação da França e da queda do Regime de Vichy. Estes julgamentos foram realizados em grande parte entre 1944 e 1949, com ações legais que perduraram por décadas depois.
Ao contrário dos Julgamentos de Nuremberg, a "Épuration Légale" foi conduzida como um assunto interno francês. Aproximadamente 300.000 casos foram investigados, alcançando os mais altos níveis do governo colaboracionista de Vichy. Mais da metade foram encerrados sem acusação. De 1944 a 1951, os tribunais oficiais na França condenaram 6.763 pessoas à morte por traição e outros crimes. Apenas 791 execuções foram efetivamente realizadas. No entanto, 49.723 pessoas foram …

A Grande Farsa do Holocausto Judaico (PARTE I) - "Fotos Falsificadas"

Todos os anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial nos deparamos com centenas de livros, documentários, seriados de TV e tantos outros materiais relacionados ao genocídio ou ao assassinato de 6 milhões de judeus em câmaras de gás nos campos de concentração, cometidos pelos Nacional-Socialistas durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente do ano de 1942 à 1945. Não seria lógico entender a invenção do Holocausto como uma maneira de esconder os crimes cometidos pelos próprios aliados em Hiroshima, Nagasaki, Dresden e tantos outros? Como podemos explicar a atual posição de alguns historiadores e até mesmo do ex-presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em negar tal acontecimento? Como muitos sabem, e também muitos não sabem, na Europa a negação do Holocausto vêm sendo criminalizada com leis específicas, impedindo pesquisadores e pessoas sérias de saberem o que de fato aconteceu nos campos de concentração alemães durante o período de 1942 até 1945. 
No entanto, este grave crime cont…

A verdade sobre Olga Benário e Prestes

Olga Gutmann Ben-Ario (1908 - 1942)
Por: Luiz Gonçalves Alonso Ferreira (1)

Na alvorada de março de 1934, vindo de Buenos Aires portando passaporte americano, desembarcara no Rio de Janeiro um sujeito de nome Harry Berger. Preso pela polícia carioca no natal de 1935, logo revelou-se a identidade secreta do viajante. Chamava- se, o misterioso elemento, Arthur Ernst Ewert, judeu alemão, fichado em seu país de origem, no qual era ex- deputado, como espião. Constava também processo por "alta traição".
Berger era o agente do Komintern, especialista em golpes subversivos, enviado para o Brasil com a missão de dirigir intelectualmente o plano traçado em Moscou, que objetivava a instauração de uma ditadura de tipo stalinista no País, por meio de levante armado. Sob ordens de Berger, lá estava Luiz Carlos Prestes, homem escolhido para encabeçar um "governo popular nacional revolucionário", segundo relatório do próprio Berger para o Komintern.
Prestes angariou simpatia no meio c…

“Nossas mães, nossos pais” - Um filme sobre a verdade da guerra

O filme “Nossas mães, nossos pais” (do alemão: "Unsere Mütter, unsere Väter"), exibido pelo canal de televisão alemão ZDF, conta a história de cinco jovens para os quais a Segunda Guerra Mundial se torna um desafio moral e ético, deixando clara a impressão de que a Alemanha está cansada de arrependimentos. O filme basicamente apresenta os soldados soviéticos como estupradores, os poloneses como antissemitas desumanizados e os ucranianos como sádicos. O contexto do drama vivido na invasão da Europa na sua verdadeira face.
A diplomacia russa considerou inaceitável o filme e enviou uma carta ao embaixador da Alemanha dizendo que a “maioria absoluta dos russos que teve a oportunidade de assistir ao filme” o achou inaceitável. Também foi criticado a exposição que fez o filme as atrocidades cometidas pelas tropas da URSS aos excessos isolados perpetrados por militares soviéticos na Alemanha, os quais foram severamente punidos pelo comando militar soviético, mas tão só depois de um …