"Fascistas! Fascistas! Fascistas!" - Mussolini e o Betar Sionista.



A  neo-direita tupi "anglóide", aquela cuja substância intelectual é capturada tragando as baforadas do tabaco fumado nos subúrbios da Virgínia, tem andado assanhada com os tradicionalistas que ousam não aceitar a viseira neoconservadora a pretexto de reagir ao comunismo. O bordão da neo-direita botocuda "anglodulíaca"  contra os tradicionalistas que resistem à genuflexão diante das potências hospedeiras do poder talmúdico-maçônico-sionista que prevalece na "Anglosfera" Protestante: "Fascista! Fascista! Fascista".

Para que nenhum leitor tenha que se dar ao trabalho de conversar com essa gente na linguagem dos impropérios que assimilaram do mentor, tentando em vão mostrar-lhes que o nosso anti-sionismo que repudiam nada tem a ver com o anti-semitismo das antigas potências do Eixo, limite-se a mostrar às manadas de mandaletes o que segue:

"[...] Em 1934, Jabotinsky e seu movimento juvenil, Betar, tinham feito uma aliança com Il Duce, quando o Betar estabeleceu uma academia de treinamento naval em Civitavecchia, base naval de Mussolini ao norte de Roma. L'Idea Sionistica, em língua italiana na revista do Betar, descrevendo as cerimônias de dedicação que lançou a academia: - "A ordem ordenada pelo oficial do esquadrão de comando - 'Viva L'Italia, Viva Il Re! Viva Il Duce! ressoou, seguido pela bênção que o rabino Aldo Lattes invocando em italiano e em hebraico para Deus, para o rei, e por Il Duce ... 'Giovinezza' (o hino do partido fascista) foi cantado com muito entusiasmo pelo Betarim ".

Mussolini endossando Jabotinsky, em 1935, diz: "Para o sionismo ter sucesso, você precisa ter um Estado judeu com uma bandeira judaica, e língua judaica. A pessoa que realmente entende que é o ser fascista, é Jabotinsky." 

Il Duce deu o seu aval pessoal para o projeto em 1936, quando ele visitou Civitavecchia e revisou o quadro de força do Betar. Não foi uma mera coincidência que o uniforme universal de Betar foi a camisa parda fascista. 

Embora Jabotinsky tivesse o cuidado de não endossar Mussolini diretamente, ele ainda assim o defendeu publicamente. Em 1935, durante uma turnê de palestras dos Estados Unidos, Jabotinsky escreveu vários artigos que apareceram no Boletim Diário da New York jew (Nova York judaica). 

"Tudo ou qualquer pouco que pensam de outros pontos do fascismo, não há dúvida de que a marca italiana de ideologia fascista, pelo menos, é uma ideologia de igualdade racial. Não sejamos tão humildes em fingir que isso não importa -. Que a igualdade racial é muito insignificante, uma ideia para contrabalançar a ausência de liberdade cívica, pois não é verdade .... Igualdade vem em primeiro lugar, sempre em primeiro lugar, primeiro super;. e os judeus devem se lembrar dele, e sustenta que um regime de manutenção deste princípio em um mundo virado canibal faz, em parte, mas consideravelmente, expiar seus outros curta-vindas. [...] "

Fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Sentinela - Mídia dissidente brasileira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...